Pular para o conteúdo principal

FEIRA >> André Ferrer

Toda semana, um cavalo de batalha. O ponto de partida de uma crônica sempre me pareceu o convívio. Esta pequena cidade, no entanto, desafia-me quando preciso de ideias para um texto. Nas outras onde morei era mais fácil.

Não falo do convívio apenas, mas também dos resíduos que se espalham no entorno do convívio. Uma boa crônica deve ter mais aparas do que qualquer outra coisa. Uma boa crônica só tem

(coragem, audácia, verdade)

leveza se carrega esse tipo de fuligem humana. Outras fontes, infelizmente, são como o petróleo: sabemos da sua finitude, mas não paramos de usar.

Manhã de domingo. Feira. Como pretexto, uma dúzia de tomates e um rolo de sushi. Na macarronada, eu gosto assim: tomate maduro, pitada de curry, pitada de manjerona, água e azeite. Nada de “pomarolas” em plena brainstorm. Na escolha das frutas,

(OK, definitivamente, tomate é fruta)

silêncio monástico

(outro pretexto para vasculhar e apanhar resíduos).

 Blá, blá, blá...

(não, não, isso é particular demais)

 Blá, blá, blá...

(eu passo!)

 Blá, blá, blá...

(irrelevante)

 Blá, blá, blá...

(Yes: falam do Zeca Pagodinho).

Chuchu e beterraba não estavam nos planos, contudo incluí chuchu e beterraba numa salada futura. Os ouvidos apurados. Havia terminado a etapa seletiva. Eu estava decidido a me concentrar na vox populi e, mais tarde, escrever uma crônica.

— Ei, meu chapa: você viu se ele salvou alguém?! Eu não vi. Nem desceu daquela moto invocada. Fita, meu chapa, fita pras câmeras.

— Então, a pessoa não pode ajudar porque é famosa?! Ora!

— Pode sim. Mas que a mão esquerda não saiba o que faz a direita!

— Marketing!

— Tudo bem. Hoje à noite no Fantástico a gente vê se o Pagodinho ajudou ou não aquelas pessoas...

— No Fantástico?! Ele vai aparecer no Fantástico! Pronto: já conseguiu o que mais desejava.

— Parem! — disse o dono da banca. — Peço licença a vocês. O senhor, aqui, quer pesar os chuchus! Tenham dó! Cir-cu-lan-do!

Dispersaram. O mais feroz deles reclamou, mas saiu. Vi-o, então, lá na frente, parado no seu Kishimoto, o velhinho de quem eu compraria o meu rolo de sushi. Paguei, disse bom-dia e me arranquei para o outro lado. Na barraca do japonês eu encontraria, no mínimo, um contraponto, um viés qualquer, enfim, uma cereja para o meu bolo.

— Está bravo né! — dizia o velho para o casmurro quando cheguei.

— Imagina seu Kishimoto! No tsunami do Japão muita gente ajudou. No Brasil, quando ajudam, já tem segunda intenção na parada, marketing pessoal, essas coisas... Eu aposto que havia celebridades ajudando o próximo na tragédia japonesa! E também aposto que o povo do seu país, um país respeitoso e disciplinado, jamais falou mal desses famosos que, tocados, abandonaram a sua zona de conforto e saíram em socorro às vítimas. Por acaso, falaram seu Kishimoto?!

— Não sei. Não estava lá  disse o velho. — Eu nunca estive lá. Meu avô chegou de lá em 1934 e eu nasci vinte anos depois em Piracicaba.

Comentários

Drika disse…
Você me lembrou Ignácio de Loyola Brandão. Já te falei que ele me deu sua caderneta quando esteve em Catanduva? Numa palestra, ao final, disse-lhe que meu sonho era ser escritora. Ele retirou a caderneta do bolso e me deu. Vou colocar no face pra vc ver. Ele disse, durante a palestra, que as mínimas coisas do cotidiano o inspiravam a escrever. Coisas que passam incólumes para uns, não eram para ele. Assim como você! Quem vai à feira e permeia o popular? Você. Interessante a divisão de opiniões e a não opinião sábia do sr.Kishimoto. Onde estamos nesta paridade? Adorei. Boa semana!
Zoraya disse…
Vou passar a olhar a feira de maneira diferente! Divertida essa, André!
albir disse…
O cronista é um andarilho, né, André? E os lugares públicos são o seu habitat.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …