Pular para o conteúdo principal

TODOS OS NOMES >> Whisner Fraga

Antigamente, o escrivão decidia o nome de muita criança. Em geral, era o pai que ia registrar o filho, uma vez que a mãe se dedicava a cuidar do recém-nascido. Aí é que a coisa desandava, pois homem é menos ligado a detalhes do que mulher. Então, meu sogro chega à mesa do atarefado escriba e pede que lhe faça o favor de oficializar a paternidade. O nome da criança?, indaga o sujeito, enquanto gira uma manivela que posiciona o formulário na máquina de escrever. Gimenna, responde Dorival. Para surpresa de todos aqueles que ouviam, o funcionário retruca: mas não é possível, isso não é nome que se dê a uma criança, coitadinha.

Meu sogro é uma pessoa do bem, humilde até onde não se pode e até onde não mais se encontra. Retornou para casa e foi procurar a esposa. Minha sogra é uma pessoa do bem, humilde até onde não se pode e até onde não mais se encontra e confabularam: se o doutor pensa assim, acho que devemos pensar melhor E é por isso que minha esposa hoje se chama Ana Lúcia.

Já escutei história semelhante de meu pai, só que, no caso, ele não se deixou influenciar. Bateu o pé, inventou que havia sonhado com um alemão, daqueles alemães bem brancos mesmo, barba ruiva, gordo e arrogante, que prenunciava um destino de sofrimento para o filho, caso não aceitasse aquele nome. Supersticioso, foi o bastante para que o oficial cedesse.

Em alguns casos, eu até concordo com a intervenção. Um Dois Três de Oliveira Quatro. Quem gostaria de se chamar assim? Ou Esparadrapo Clemente de Sá? Ou Ava Gina? Ou Adolpho Hitler de Oliveira? Hoje, o oficial ainda detém um certo poder. Se achar que o nome escolhido pelos pais não é conveniente, porque tem dúvida se é vexatório, que pode expor a criança ao ridículo, primeiro questiona os tutores. Se insistirem, o responsável pelo registro pode encaminhar um pedido para que o juiz faça uma análise.

Mais comum são os erros de grafia. Tenho um amigo que deveria se chamar Demis, pois a mãe desejava homenagear o famoso cantor grego Demis Roussous. Acabou se chamando Denis, claro. Como as letras “m” e “n” são muito parecidas, só ficaram sabendo do equívoco algum tempo depois, quando foram namorar a certidão de nascimento. Acho que muita gente tem história parecida, pois aqui no Brasil as pessoas são muito criativas e sempre querem ser diferentes.

Eu também sofri durante muito tempo com meu nome. Não que não goste dele – aprecio bastante, obrigado. É que basta me perguntarem como me chamo para que eu escute, em seguida: Como? Em alguns casos, a coisa piora quando tento soletrar: dábliu agá. Como? Alguns confundem o “w” com o “y” - é mais comum do que podem imaginar. Hoje eu não perco mais o sono por isso. Arranjei uma solução muito simples: quando me pedem o nome, saco a carta de motorista e facilito as coisas para todo mundo. A convivência requer essas soluções, temos de tentar facilitar a vida de todos.

Há algum tempo que os brasileiros se inspiram em personagens de novelas, cantores populares e jogadores de futebol para escolherem os nomes dos filhos. Assim que uma pessoa nos revela como deve ser chamada, já podemos chutar sua idade: sim, isso também é moda. Basta ver como os atores globais mencionam a prole: Jerônimo, Joaquim, João, Maria. Isso é bom. De qualquer maneira, acredito na boa intenção de todos e acho que as pessoas devem ser respeitadas e que ninguém deve ser julgado por uma coisa tão banal como o nome. E é importante nos lembrarmos que qualquer palavra nada mais é do que um amontoado de letras que em algum momento da história fizeram algum sentido a um determinado povo e que se perderão para sempre na finitude do tempo.

Comentários

Zoraya disse…
Que legal essa Whisner (como todas, aliás!) - mas vc esqueceu de dizer se seu nome é pronunciado como "v" ou como "u"... Há muitos anos, cansada de me chamarem Soraya, me apresento como Zoraya, com "Z"...

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …