Pular para o conteúdo principal

ASSUMINDO O SEU PAPEL >> Carla Dias >>

Minha mãe ensinou aos seus filhos, e muito cedo, que com as escolhas vêm as consequências, as responsabilidades. Não é uma lição muito difícil de se compreender, afinal, trata-se da pontuação que damos à nossa vida, a criação do ritmo da nossa existência.

Esse aprendizado, tão básico, tão óbvio, é também relegado quando se trata do que desejamos e do que realmente podemos conquistar. Em algum momento, muitos vão escolher driblar esse aprendizado, tornando-o obsoleto mediante necessidades pessoais. E tudo bem cuidar de si, antes do outro, de colocar-se em primeiro plano, afinal, a sua vida é nada sem você.

A grande questão nesse aprendizado tão básico, tão óbvio, é que ele não é alimentado somente pelas palavras e pelo cuidado das nossas mães ou durante a nossa vida escolar. É o tipo de ensinamento que temos de aceitar a cada dia, a cada escolha. Infelizmente, nem todos compreendem esse aspecto desse aprendizado. Nem todos estão dispostos a aceitar as suas exigências.

É fato que uma pessoa que escolhe, e trabalha muito para construir sua vida atuando na profissão que deseja, construirá um legado de acertos. Claro que nem sempre fará as escolhas certas, porque às vezes a vida pede que arrisquemos. Porém, é preciso compreender, aquele que ama a sua profissão e aquele que tem de se adequar à profissão possível, que as escolhas refletem não somente na sua vida pessoal, naquela onde cabem o senso de preservação e os anseios. Elas também refletem na sociedade da qual você faz parte, na qual você desempenha o seu papel de cidadão.

É mais fácil de se entender do que parece, basta um pouco de boa vontade. É assim: se você trabalha na área da educação e escolhe ser professor, você se torna responsável pelos seus alunos, porque irá ensiná-los a encarar a vida, oferecerá a eles as ferramentas para que construam suas histórias. Se você é um político, deve zelar pelos direitos dos cidadãos, atuando de forma a aplicar as leis e a distribuir as verbas para que se construa um país justo e capaz de crescer, em todos os aspectos. Se você é um empresário do setor alimentício, tomará todas as providências para que o seu produto não agrida a natureza durante o processo de fabricação, e para que o mesmo não ofereça risco à saúde dos seus clientes. Se você é um profissional que tem como função orientar o público, deverá, primeiramente, tornar-se apto a distribuir essas informações. É preciso saber sobre o que é falado, compreender a importância que há nessa função.

Para cada profissão escolhida, as devidas responsabilidades. Não podemos agir como se o que fazemos não provocasse consequências, senão viveremos sempre em um país onde o fiscal não fiscaliza porque recebe um dinheirinho por fora para fazer vista grossa ou por pura falta de vontade de cumprir a sua função. No qual empresários pagam um dinheirinho por fora ao fiscal, ou são bons mesmo na conversa e o dobram, para economizar onde não deveriam, colocando em risco a vida de pessoas que confiam nos serviços oferecidos. Um país no qual é fácil comprar e vender diplomas, colocando no mercado de trabalho muitos profissionais incapazes de desempenhar os seus papéis. Afinal, por que não ganhar um bom dinheiro extra?  E sermos atendidos por um médico que nunca colocou os pés na faculdade de medicina? Que tal?

Você é responsável pela posição que toma diante da vida. Não interessa em que área você atue profissionalmente, outros sempre sofrerão as consequências das suas escolhas. Ao escolher o benefício próprio, o “jeitinho”, ao não se importar com o outro, você compactua, não vem ao caso em quanto, para uma tragédia. Você até pode ser uma boa pessoa, mas também é preciso ser uma pessoa consciente do que suas ações provocam.

Não estou panfletando que você deve ser responsável por todas as pessoas do planeta. Seja responsável por si mesmo e pelas suas escolhas. Pense muito bem sobre decisões que precisa tomar e estão ligadas ao bem-estar alheio. Assim, quem sabe, impunidade e tragédia não tornem temas recorrentes nas conversas de domingo, durante o almoço com a família.

Namastê.

carladias.com

Comentários

Você, você... sempre com uma abordagem inovadora. :)
Zoraya disse…
No ponto, Carla! O pior é que muitas boas pessoas acham que o "jeitinho" que dão nunca as afetará, e que coisas ruins só acontecem com o vizinho. E como o"outro" nao faz parte do nosso universo afetivo, ele pode muito bem se danar, que eu só lamento. Até quando critica, você é delicada!
Carla Dias disse…
Eduardo... :)

Zoraya... Eu realmente desejo que um dia isso mude, e acredito que seja possível. O outro somos nós.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …