Pular para o conteúdo principal

SEGUNDA-FEIRA-QUARTA >> Carla Dias >>

Confesso que minha quarta está - como a de muitos de vocês - com gosto, jeito e cara de segunda-feira. Começa que agora, já quase ao meio-dia, inicio a minha jornada de escrever uma crônica num dia que não parece ele.

No feriado, visitei amigos e depois me tranquei em casa: séries de televisão, filmes, pensamentos, endoidecimentos homeopáticos, livros, discos, alguns telefonemas e ver chuva... Essa foi a melhor parte! Meu nariz, que já parecia um ser grudado na minha cara, com problemas próprios, de tanto que doía e se rebelava. Embrenhado há tanto tempo numa renite do cão, respirou aliviado com a chuva e, então, voltou a fazer parte da minha geografia. O que faz uma porcentagem quando se trata da umidade do ar, não? Quando ela baixa até, é uma desumanidade para com os narizes.

Descobri esse canal de biografias, e assisti a ótimos programas, como um sobre pontes. A biografia de uma ponte pode ser muito mais complicada do que a biografia de uma pessoa, quando despende, pelo caminho, algumas vidas, tudo para facilitar a vida da maioria.

Mas ontem eu assisti a dois programas seguidos sobre a vida de atores dos quais sou fã. Joaquin Phoenix e Robert Downey Jr. são, na minha parca opinião, atores de primeira linha, com biografias tão desarrumadas que, às vezes, a realidade parece mais ficção, e eles parecem personagens baseados neles mesmos. Ainda assim, continuo fã de carteirinha, de assistir tudo que eles fazem, e ter paciência para que os problemas deles passem e eles voltem os bons filmes.

E assisti um episódio de Os Pioneiros... Alguém por aqui se lembra da série?

E eu dormi bastante... Não como gostaria, deitando e acordando no outro dia, mas do jeito de sempre, com mil e uma coisas acontecendo na minha cabeça deitada no travesseiro, acordando o tempo todo.

Nos meus sonhos, eu quase sempre estou trabalhando, então, é comum eu acordar exausta. Na verdade, sou das poucas pessoas capazes de se autoboicotar em sonho.

Nos meus sonhos eu sou a última a entrar no trem, a escolher a roupa, perco o bilhete vencedor da loteria, a hora, deixo os mais afoitos passarem na frente e, quando chega a minha vez, a porta é fechada. Não ganho o beijo do príncipe, mas sei coordenar muito bem os seus compromissos e, de quebra, meu ombro é dos mais populares.

E nessa quarta-feira com cara de segunda-feira eu me sinto sonhando acordada. A cabeça, ainda meio avoada, pensando em como Joaquin Phoenix voltará do seu abandono de carreira de ator, ou quando estreará o próximo de Robert Downey Jr. Fazendo o meu trabalho direitinho, mas um tanto no piloto automático.

Bom é saber que o final de semana está mais próximo do que de costume. Assim como os sonhos mais aprazíveis, nos quais sou, no mínimo, a terceira da fila. Pois é... Neste final de semana + feriado, além de ver televisão, visitar amigos, ler livros, dormir e ouvir músicas, eu fiz um upgrade nos meus sonhos. E parece que, apesar de hoje parecer anteontem, alguns deles vão acabar nas malhas da realidade.

Parecia pura preguiça de feriado prolongado, mas, na verdade, era prospecção emocional para mudanças necessárias. Viu? Sempre trabalhando...

www.carladias.com

Comentários

Carla, gostei do tom moleca de quem quer subir na fila. :)
fernanda disse…
Pra mim, quanto melhor é um fim de semana, mais difícil é a segunda. E se o fim de semana foi duplamente bom, a chatura da segunda vem duplicada na quarta.

Em tempo: Robert Downey Jr. está na minha lista dos melhores de Hollywood e na minha lista de "se me quiser, eu caso"...hahahaha
Carla Dias disse…
Eduardo... Eu quero mesmo!

Fernanda... Assino embaixo do que disse, inclusive da fila de espera para casar com o Robert Downey Jr!
albir disse…
Carla,
bom ou mau, chato ou excitante, o seu dia vira texto ótimo.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …