Pular para o conteúdo principal

OS LIVROS DA BIBLIOTECA
DE GUIMARÃES ROSA
[ANA GONZÁLEZ]

Na época da faculdade, não cheguei a estudar muito a obra do mineiro das veredas do sertão. Eram muitos os desvios pelos quais me embrenhei naqueles tempos. Todos muito úteis para as descobertas e os sustos de alguém que saíra da adolescência para a idade adulta sem nenhuma formação política.

As assembléias dos movimentos estudantis nos fundos do prédio da Maria Antônia. Os excedentes na entrada da faculdade todos os inícios de anos. Bombas molotov nos corredores e na rua. A lingüística e o estruturalismo. Palavras de ordem ecoavam dentro de mim. Era suficiente. Eu não sentia falta de nada. Em meio à agitação, li, estudei, segui interpretações interessantes, mas não com o empenho que o autor mereceria da minha parte. Guimarães Rosa ficou sempre como um respeitado autor que eu nunca entendi muito bem.

Até que recentemente descobri um conto em que ele faz alusões explícitas à astrologia. A notícia chegou junto a citações de outras obras. Fui atrás. Descobri um grande livro de um estudioso alemão sobre a metafísica de G. Rosa. Pouco a pouco, depois de centenas de páginas, tudo se explicou.

Um grande palco se abriu ante meus olhos como se as dificuldades de compreensão daquele universo roseano tivessem rapidamente se resolvido. Eu tinha achado a chave para entender suas complexidades. Na empolgação, fiquei sem dormir algumas noites, quando descobri que sua biblioteca estaria depositada num instituto perto de mim. Fui lá.

Só tive acesso no primeiro dia a cerca de duzentas fichas do total de mais de três mil. Um sonho. E isso pode não fazer sentido nenhum para a maioria das pessoas, nem a emoção que senti ao tocar nos livros. Eles tinham estado nas mãos de Guimarães Rosa, eram sua escolha. Manuseados e, possivelmente, anotados por ele. Eu queria saber por onde ele andara, por que livros, por que ideias. Como construíra o conjunto de seus pensamentos que o levaram a certas descobertas sobre a linguagem? Como se isso fosse possível... Eu sei que meus desejos extrapolam o bom senso.

Quero observar as anotações e os sublinhados. Serão dele mesmo? Somente quem gosta muito de ler talvez entenda essas particularidades do caminhar pelas páginas desses livros. Pelas palavras e frases, pelos diálogos que se estabelecem dentro dos entre-espaços de tinta, num universo de tipos de letras, tamanhos de parágrafos, de cheiro e de cores empasteladas de papel muitas vezes, amarelecido.

A proximidade com esses livros me aproxima de sua metafísica que se torna quase geográfica. Dão-me outros recursos para adentrar no seu sertão, nos cerrados e morros de sua linguagem, pelas veredas de suas metáforas. Mas, tenho também a sensação de invadir um território sagrado, de intimidades como se eu pudesse devassar um lugar proibido.

E, estou ainda no começo. Há muitas fichas ainda a serem escaladas. Há muitos livros a desencavar. Depois dessa arqueologia, haverá um universo inteiro de sertão a desbravar.

Comentários

Varlice disse…
Caramba!
Na hora que começa a ficar bom você para?
Quero a continuação.
Bj
Carla disse…
concordo..quero continuaçao
uihauhauhauhauuiaaa
Muito bem, Dona Ana. Mas faltou nos dizer que chave foi essa que você descobriu. :)
Anônimo disse…
rsrsrsrs... eu adoro essa troca que a internet possibilita.. é incrível! portanto, queridos varlice, carla e eduardo, esperem o próximo capítulo que eu procurarei não decepcioná-los... rsrsrs... viche... em que arapuca eu fui me meter!?!?... achei que o que escrevi era suficiente... rsrsrs..
ana gonzález
Anônimo disse…
rsrsrsrs... eu adoro essa troca que a internet possibilita.. é incrível! portanto, queridos varlice, carla e eduardo, esperem o próximo capítulo que eu procurarei não decepcioná-los... rsrsrs... viche... em que arapuca eu fui me meter!?!?... achei que o que escrevi era suficiente... rsrsrs..
ana gonzález

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …