Pular para o conteúdo principal

CAMINHO >> Carla Dias >>

Todos os dias eu faço o mesmo caminho para ir ao trabalho. Sigo a pé pelas ruas, às vezes dobro à esquerda, em outras, sigo adiante só para mudar a paisagem. Mas lá na frente: à esquerda.

Nessa andança, vejo algumas pessoas todos os dias. Uma delas é uma senhora, sessenta e poucos anos, que caminha, logo cedo, treinando os passos que já não dá mais com a mesma desenvoltura de alguns anos. A cada cinco passos meu, ela consegue dar um. Não há viço nessa mulher, estranhamente, sua fisionomia nada diz. Ela apenas caminha, exercitando movimentos que, em algum momento de sua vida, não precisavam ser relembrados... Aconteciam, de acordo com o desejo dela.

Há também um casal de japoneses, velhinhos, que assim como a mulher sobre a qual falei, sobem a avenida, enquanto eu a desço, exercitando-se. Sei bem que a idade pede tais exercícios para que nosso corpo entenda que ainda há muita vida nele. A mulher solitária não reconhece isso... Seu passeio é dolente. Mas o casal, eles têm o fôlego dos sábios, de quem busca, a cada passo, o adiante.

Durante a jornada de chegar ao trabalho, acabo sempre sendo escolhida para as urgências alheias. Como a dessa mulher que, vez ou outra, eu encontro. Um dia, ela se enroscou no meu braço, deixando-me ainda mais consciente da sua baixíssima estatura, dando-me a impressão de estar ao lado de uma criança, e disse que tinha de chegar à igreja do outro lado da avenida, mas estava com medo de não conseguir sozinha. Eu a levei até lá, enquanto ela desfiava histórias sobre si e suas crenças. Outro dia, eu a vi dependurada no braço de outra pessoa.

Mesmo caminhando com fones de ouvido, a música no talo, sou parada com frequência. Na maioria das vezes, as pessoas vão dizendo o que têm de dizer, sem se darem conta de que ainda estou com fones de ouvido. Uma vez foi no ponto de ônibus... Uma senhora parou perto de mim e começou a falar comigo, mas eu só notei um pouco depois, quando me virei e a vi ali, porque eu estava escutando música e não o que ela dizia.

Tirei os fones... Ela me contou a vida do seu gato, de como ele se sente só quando ela está longe, que apesar de doente, é uma boa companhia. Para mim a história parecia a dela, porque logo a mulher começou a dizer que, vez ou outra, se sente muito só, que anda com a saúde ruim, tem de andar com a ajuda de uma bengala. Durante toda a conversa, eu só emitia alguns sons de concordância, de compreensão e de surpresa. Minha única fala foi “meu ônibus chegou, boa viagem para a senhora”. Aquela mulher não precisava de uma faladora, mas sim de uma escutadora. E eu escutei.

Não me lembro de ter contado a minha história a qualquer pessoa que já me abordou nas ruas, nas lojas ou nos pontos de ônibus. Lembro-me, na verdade, de pouco dizer. Desde sempre, sou uma escutadora, com boa margem de paciência para que estranhos contem o que os aflige ou os alegra, porque não são apenas mágoas, desespero e dolências que levam as pessoas a conversarem tão abertamente com estranhos. A alegria também... E já fiquei sabendo de nascimentos, casamentos, reencontros. Já parabenizei, sem mesmo saber a quem.

A cada dia, a vida me surpreende mais, trazendo-me essas pessoas que, por solidão ou incapacidade de conter a ansiedade, dividem comigo suas tragédias e conquistas. E também aquelas que, em silêncio, passam por mim, suas histórias em evidência nos passos, nos traços, num caminhar pela cidade.


www.carladias.com

Comentários

fernanda disse…
Acontece comigo também, Carla. Acho que temos cara de boa vontade para ouvir. O que é bom, né? rs E se, por um acaso, durante a conversa com o desconhecido eu deixo escapar que sou jornalista, logo ouçou um divertido: "põe lá no seu jornal"...e aí vem história...rs
Drika disse…
Carlinha, voce é uma das melhores escutadoras que conheço, e tem sempre as poucas e boas palavras contigo.
Beijinho.
Drika
Carla, eu também tenho meus "amigos", que encontro quase todo dia nas minhas caminhadas no parque. Eles não costumam me "alugar" porque, mesmo sem fone de ouvido, acho que coloco uma certa barreira inconsciente. Mas me sinto próximo a eles e sinto falta quando alguns passam um tempo sem aparecer. No parque tem uma "praça da melhor idade" com alguns aparelhos para exercício. Tenho parado lá de vez em quando, e algumas pequenas conversas têm surgido. Parece que tem a ver com a idade também: os mais idosos falam mais com "estranhos". Bom fazer esse passeio matinal com você e lembrar de meus passeios vespertinos. :)
Carla Dias disse…
Fernanda... Fantástico! Já pensou ter de incluir no jornal a história de todas essas pessoas? E o mais interessante, e eu ouço muito isso quando as pessoas ficam sabendo que escrevo livros, é que elas acreditam que suas vidas dariam manchete de jornal ou em best selers... Nem sempre : )

Drika... Minha amizade é sua, assim como meus ouvidos, pra quando você precisar de uma escutadora. Beijos!

Eduardo... Nem sempre estou bem para ouvir o que as pessoas têm a dizer, mas isso não demora muito. As importâncias das pessoas são tão diferentes que acabam seduzindo os ouvidos da gente.
Convidado para o passeio matinal sempre que estiver a fim : )
Fernanda disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Fernanda disse…
Acho que a gente aprende muito assim, ouvindo o outro. Aprendemos e deixamos pra falar depois, ou não. Ou apenas seguimos em frente, falando sempre com nossos botões.

Adoro seus textos!

Bjs
albir disse…
Carla,
o cronista é um andarilho que ouve. Com todos os sentidos, claro.
Carla Dias disse…
Fernanda... Com certeza, saber escutar é um aprendizado. E graças a Deus existem os botões, porque, às vezes, nem nós mesmos queremos nos ouvir.
Beijos e obrigada!

Albir... Concordo plenamente.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …