Pular para o conteúdo principal

DÓI MAS PASSA >> Clara Braga

Dizem que quando o assunto é término de relacionamento a mulher acaba sofrendo mais. Mesmo a fama das mulheres sendo a de que elas são mais fortes do que os homens, quando se trata de fim de namoro elas não são nada fortes! Se isso é uma regra geral, eu realmente não sei, mas eu me encaixo nela perfeitamente!

Quando fui deixada, eu sofri muito, sofri mesmo, com direito a todas as fases! Comecei me sentindo culpada, achando que tinha que ter feito tudo diferente, pois você merecia alguém melhor. Depois culpei você, afinal, que tipo de pessoa é você para não me dar o valor que eu mereço? Então cheguei à fase de querer ser freira, não adianta querer encontrar outra pessoa, como você eu nunca mais iria achar. Hoje em dia, com muita batalha, eu até continuo pensando um pouco em você, mas já sou capaz de dar graças a Deus por você ser único e não existirem outros como você, afinal, se já não deu certo uma vez pra que é que eu vou me meter com outro igual?

Chegar a essa fase não foi nada fácil, mas eu consegui! Depois de muitas noites em claro chorando, eu percebi que de nada adiantava sofrer, eu tinha que tomar uma atitude! Foi aí que eu comecei a cuidar de mim, voltei para as minhas aulas de bateria, comecei uma boa dieta, voltei a fazer minhas aulas de dança, fiz um corte diferente no cabelo, pintei de uma cor diferente, viajei no final de semana com meus amigos, comecei a passar mais tempo com eles e assim comecei a conhecer gente nova e fui percebendo que você não é isso tudo que eu imaginei, muito pelo contrário!

Eu sofri, não tenho vergonha de dizer, mas eu cresci, aprendi e estou pronta para a próxima! Enquanto isso, você já não se entregou tanto ao relacionamento, logo teve a sorte de não sofrer, nem sentiu muita falta, para você foi como se nada tivesse acontecido. Confesso que, no começo, isso me doeu muito, mas hoje vejo que por outro lado você não teve que superar nada, não aprendeu nada com a situação e, na próxima, vai ser tudo bem do mesmo jeito, até porque você ficou bem na mesma... Hoje, mesmo ainda pensando um pouco em você, me pergunto quem saiu realmente ganhando nesse fim de relacionamento?

Comentários

Possivelmente os dois saíram perdendo e ganhando coisas diferentes, de maneiras diferentes. :)
Ana Campanha disse…
Todo relacionamento tem começo, meio e fim. Ponto. Relacionamentos são como chicletes. No começo tudo é gostoso e cheio de sabor.. com o passar do tempo o gostinho bom vai diminuindo até a gente se acostumar com aquela coisa mais ou menos. Um dia entende que acabou e procura outro! hahahahahh.. Eita, haja Bubbaloo! kkkkk
Marilza disse…
Clara, acho que todos nós nos percebemos um pouco dentro dessa sua crônica. Afinal, quem naõ sofreu por um amor? Quem nunca sentiu a dor de ser 'deixado'? A vida continua e são nessas experiências que a gente aprende e ganha forças pra continuar..
fernanda disse…
Eu já passei por isso algumas vezes. A dor é sempre a mesma. A diferença é quanto mais a gente amadurece a gente aprende a superar tudo isso mais depressa. Hoje em dia eu passo por todas essas fases de pós-rompimento em uma semana :P
Mas sempre com muito drama, senão não sou eu...rs
fernanda disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
vanessa cony disse…
Mais uma vez me impressiono.Meu avô sempre dizia :Seres humanos possuem comportamentos,pensamentos universais.
Poderíamos apenas trocar os nomes e essa história serviria para Claras,Vanessas,Marias,Ritas e quem sabe Marcos,Joses,Miltons..
O amor é sem dúvida lindo e por isso amamos tanto o amor mas ninguem avisa sobre os acompanhamentos,as tentativa ,os erros.
Bem,no fundo isso deve ser bom.Proposital até.Por isso não desistimos...

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …