Pular para o conteúdo principal

EM TORNO DO MEU UMBIGO
>> Fernanda Pinho



Conviver comigo e me agradar é muito fácil. Basta que se leve em consideração três fatores básicos. 1) Nunca me atraso. 2) Tenho pavor de verduras. 3) Não suporto que enfiem o dedo no meu umbigo.

E aí você - que não entende nada de dedo no umbigo - deve estar se perguntando: mas que bobagem, por que alguém enfiaria o dedo no seu umbigo? Não sei, o fato é que enfiam. Pode ser que haja alguma explicação física. Eu penso tanto na aflição de uma dedada no umbigo que talvez tenha criado em torno dele um campo de energia que atrai indicadores conhecidos ou não. Como um cara que cruzou meu caminho num samba. Eu lá, na maior alegria, cantando e supostamente sambando quando, de repente, tóin, um dedo no meu umbigo. Ele poderia ter puxado meu cabelo, jogado cerveja em mim, me queimado com cigarro, passado a mão na minha bunda. Mas não! Ele ultrapassou todos os limites da grosseria e da intimidade e enfiou o dedo no meu umbigo! Ato que não deve ter durado mais que um segundo, pois o agarrei pelo pulso e disparei: "Você está vendo essas pessoas aqui? Está vendo? Eles são meus amigos, me conhecem há anos e nunca, NUN-CA, encostaram o dedo no meu umbigo, porque eu não permito isso nem pelas pessoas mais íntimas. Quem você pensa que é?". Ele me olhou com cara de "coitada, esqueceu de tomar o remédio" e saiu. Porque, provavelmente, ele era apenas mais um insensível nessas coisas de umbigo. Ele e a maioria esmagadora das pessoas que acham que a minha dedonoumbigofobia é frescura ou deduzem que estou de brincadeira. Nem uma coisa nem outra.

Todo mundo tem aflição com alguma coisa. Minha irmã quase tem uma síncope se encosta em etiqueta molhada. Uma amiga tem ânsia de vômito quando vê carrapicho. E eu tenho vontade de explodir - no mau sentido - quando encostam no meu umbigo. E a aflição é tanta, mas tanta que eu chego a me incomodar com umbigos alheios também. Não gosto de ver as pessoas encostando nos próprios umbigos, muito menos nos umbigos dos outros. Piercing no umbigo? Socorro! Prefiro ser amordaçada. E umbigo de recém-nascido? Cruz-credo, deusmelivre, sai de mim!

É claro que, para o bem da minha saúde e da minha socialização, eu preciso abrir umas concessões, umbilicalmente falando. Por exemplo: eu lavo meu umbigo! E digo mais: todos os dias! Não é automático como lavar o pé. Claro que não. Há todo um procedimento e um carinho especial. É chato, mas fazer o quê? A vida tem dessas coisas: fila de banco, trânsito infernal, declaração de imposto de renda e hora de lavar o umbigo. Além disso, devo esclarecer também que tudo é uma questão relacionada ao tamanho da superfície de atrito. Em outras palavras: encostar um dedo no meu umbigo, nem pensar. Mas encostar uma barriga inteira, tudo bem (Sim, sou normal. Abraço pessoas, danço com pessoas e outras coisas mais. Podem respirar aliviados). Isso minimiza 90% do problema. Só não anula o problema porque as pessoas são gananciosas. Elas não se contentam com o barriga com barriga. Quando penso que não, tóin, dedo de novo. Eu me assusto, claro. Mas o autor do delito se assusta muito mais com o soar do meu alarme repleto de "você é doido?", "o quê que eu te fiz pra você estar tentando me matar" e "vai colocar o dedo no umbigo da sua mãe". A cena trash normalmente é seguida de muita risada e, como eu sou cheia de brincadeirinhas, acabam achando que é só mais uma e fica por isso mesmo. E acho até melhor assim. Pois quando percebem que o negócio é sério mesmo, as pessoas se sentem desafiadas. Ficam à espreita, aguardando pelo momento em que me encontrarão distraídas para, tóin, enfiarem o dedo no meu umbigo.

É estranho aos olhos dos outros e árduo aos meus próprios olhos. Ou vocês pensam que é fácil viver achando que o mundo gira em torno do meu próprio umbigo? Mas, como tudo na vida, também tem seu lado bom. Nesse caso, o bônus da aflição umbilical são as tantas histórias que tenho pra contar sobre o assunto. Foi por isso que, pensando sobre o que escreveria hoje, coloquei a cabeça entre as mãos, baixei o olhar para meu tronco e tóin, a ideia, umbigo!

p.s.: Não existe nenhuma metáfora no texto. Por dedo entenda: dedo. Por umbigo entenda: umbigo. Só pra constar.

Comentários

Obaaaa, sou a primeira ;)

kkkkk, muito legal, gostei.
Bom, eu tenho fobia de gente mesmo. Quando fazem uma rodinha ao meu redor e me deixam sem saída é desespero na certa. Meus alunos já perceberam e fazem isso para sair sala, começam a pedir banheiro, secretaria, água e eu vou deixando só pra sairem de perto, fobia meeesmo. Agora, de umbigo não...rs
vanessa cony disse…
Engraçado e divertido!! Assuntos aparentemente comuns,temas descompromissados podem render textos assim.Muito bom,Fernanda.Sabe,eu tb não gosto de dedo no meu umbigo.Rsrsrs
Legal!!! Está de parabéns!!!
Mas saiba, que vc não está sozinha.
Também odeio que coloquem o dedo no meu umbigo, literalmente. rsrsrsr

Boa semana a todos!!!
Fernanda, o povo quer saber: Tudo bem, o dedo está proibido, mas a língua... pode? :)
P.S. disse…
Eu te entendo, entendo mesmo, não tenho agonia do umbigo não mas, tenho das unhas.
Não gosto que passem a mão nas pontas das minhas unhas. kkkkkkkk
Desculpa, mas tenho a sensação de que estão transmitindo germes e sujeira pra debaixo delas e é nojento unha suja. A mão pode estar limpinha mas não gosto, pronto. Se acontece eu fico passando a mão na calça, na blusa ou corro para a torneira mais próxima, querendo desesperadamente higienizar.
Cada doido...
Vinicius Machado disse…
Fenomenal esse texto, hein!

Devo confessar para todos que sofro da mesma síndrome que você. Detesto quando veem e, por qualquer motivo, enfiam o dedo no meu umbigo. Não sei exatamente o que sinto. Não é apenas emocional mas também física a sensação ruim.
Mais uma fez: Fenomenal! Muito bom. Consegui dar algumas risadas com esta crônica. Parabéns Fernanda.
albir disse…
Fernanda,
se o umbigo da foto é o seu, o assédio digital é compreensível. E, passando pela pergunta do Edu, o céu é o limite - não obstante o seu P.S.- data venia.
Carla Dias disse…
Depois de ler essa crônica eu vou rever os direitos e deveres do meu próprio umbigo...
ADOREI!
fernanda disse…
Cada doido com sua loucura, né, gente? Fico feliz em saber que não sou a única. Temos muitos dedonoumbigofóbicos anôminos por aí.

Eduardo, língua pode, pq não tem unha...rs

Albir, essa foto não é do meu umbigo. Não mesmo. O protejo tanto, não teria coragem de tirá-lo do anonimato...rs

Bjos!!!
amei...super divertido, delicioso de ler...;)
Ah..detesto lixar as unhas, morro de aflição!
O.
Monique disse…
Nossa Fernanda...neste momento me sinto tão aliviada...pensei que fosse a única louca dedonoumbigofóbica.
Nessas horas descobrimos que realmente, há louco pra tudo neste mundo(inclusive nós).
Artension disse…
garota (fernanda) vc é loka. vc vai parar com essa frescura, sabe pq? pq uma vez q vc anuncia publicamente isso, soa mais como "enfiem por favor". palhaçada da sua parte e n vai durar mto tempo. uma coisa eu te garanto, um dia vao amarrar vc e vao dizer "agora vamos enfiar o dedo no seu umbigo" e ai vao ficar enfiando o dedo no seu umbigo, vc chorar, gritar, cuspir, de nada vai adiantar, só to te avisando... te prepara! (vc vai se lembrar)
Anônimo disse…
que barriguinha hein gatinha!!!! vontade de coçar seu umbigo.....
Gabriela disse…
GENTE DO CÉU! acho que ela se inspirou em mim quando criou este texto. Me identifiquei muito, sou EXATAMENTE ASSIM (e um pouquinho mais ) finalmente encontrei alguem no mundo como eu \o/ KKK
daniel laurindo disse…
Poxa também tenho essa fobia
não posso nem ver alguem mexer no seu proprio umbigo
que é como se fosse no meu
Anônimo disse…
Maravilhoso seu UMBIGO gatinha

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …