Pular para o conteúdo principal

SEMEANDO A PAZ [Maria Rita Lemos]

Em tudo o que estudei sobre Religião, incluindo toda a vida escolar em colégio católico e o curso de Teologia feito depois de adulta, o texto bíblico que mais me tocou foi e continua sendo o “Sermão da Montanha”. Todo o capítulo é muito atual e profundo, mas quero enfatizar o versículo nove: "Bem-aventurados os pacíficos; porque eles serão chamados filhos de Deus". (Mateus V. 9)

Meses atrás, a televisão dava notícias das vítimas do terremoto que abalou o Chile: os sobreviventes, a insegurança, o medo. Com certeza, estamos vivendo um tempo em que a natureza está travando um diálogo ferrenho com o ser humano, tão machucada que tem sido por ele há séculos. É como se estivesse se vingando, em todos os pontos do mundo, de diversas formas, em suas várias manifestações.

No entanto, não é sobre esse tipo de medo que quero refletir com meu leitor e leitora hoje: quero falar sobre o desejo de justiça, solidariedade e paz que enche nossos corações, de forma especial nesse início de século tão conturbado.

A grande contradição que estamos vivendo é muito clara: o brasileiro é pacífico por natureza. Não é raro assistirmos ao surgimento de comunidades onde as pessoas se ajudam, fazem mutirões para construir ou refazer espaços comuns, enfim, cada vez que uma desgraça atinge qualquer localidade, dentro ou fora de nosso país, todos se irmanam para diminuir a dor e a carência, material e espiritual, dos atingidos. Por outro lado, assistimos ao crescimento, sobretudo nas grandes cidades, da miséria, da desigualdade social e do seu efeito mais evidente, que é a violência, em todas as formas.

Essa realidade aponta para uma necessidade de que nos mobilizemos, resgatando valores que parecem perdidos, tanto no que diz respeito à Mãe Natureza, à preservação do planeta, quanto à vida familiar e social, à convivência com nossos pares.

Infelizmente, temos o péssimo hábito de fixar a atenção apenas no que é negativo. Damos muita ênfase à morte causada pela bala perdida, aos crimes, aos seqüestros, enfim, às conseqüências da violência urbana, que de tão exposta parece estar sendo banalizada. Esquecemos, no entanto, o lado positivo; a mídia, inclusive, se descuida de destacar o que é feito para mudar esse quadro, e muita coisa vem sendo feita. Talvez não tanto quanto precisamos, mas já é um começo.

Sabemos que há muitas pessoas e sociedades, organizadas ou não, ONGs, entidades preocupadas com a ação social, a cultura e a educação do povo. Tratam-se, na verdade de sementes de paz, porque um povo culto e saudável dificilmente engrossa fileiras da violência. Basta pesquisar na internet, e veremos um número cada vez maior de redes sociais e projetos que têm a paz e o bem-estar coletivo como alvo final, inclusive na recuperação ou na prevenção da criminalidade.

São passos de formiguinha, claro. No entanto, não podemos nos esquecer de que a responsabilidade por essa situação de insegurança e temor passa por cada um de nós. Se não transmitirmos paz aos nossos semelhantes, todos os dias, a todos com que convivemos, não estaremos em paz conosco, porque não estaremos centrados com nossa energia e emoções, portanto será impossível transmitir a serenidade e a harmonia que não temos.

Antes de ajudar a pacificar o mundo, há que desconstruir a violência dentro de nós, e isso se faz tentando manter a mansidão e a tranqüilidade em nossas mentes e ações, independente das circunstâncias. Difícil, eu sei, mas tem muita gente que conseguiu, e consegue. Se cada um de nós se acostumar a limpar seu quintal interior, o mundo será mais saudável.

Aquela pátria que sonhamos, onde podemos confiar no semelhante, começa sempre dentro de nós, da mesma forma que as grandes guerras começam no desprezo que possamos ter ou na maldade que façamos ao vizinho, ao familiar, ao companheiro.

Não quero parecer pessimista, até porque não o sou. Prefiro focar a atenção nas pessoas (que são muitas) dedicadas de várias formas e em vários pontos do mundo ao exercício diário da paz e da crença na bondade humana. Nosso povo, especialmente, é famoso pela alegria e pela solidariedade, e quero crer que essas qualidades prevaleçam sobre toda a negatividade.

É preciso estarmos atentos não só às desgraças exibidas abundantemente na mídia. Claro que também as assistimos, afinal não somos alienados. Mas é preciso valorizarmos também o que se diz sobre gente boa, pessoas que ainda devolvem o dinheiro alheio encontrado, gente que arrisca a vida para salvar a de outras pessoas, comunidades que se organizam para ajudar ao próximo.

É com esse espírito que vamos conseguir, um dia, restaurar a sonhada Paz neste planeta. Afinal, Gandhi deixou claro em uma de suas falas que nada mais era necessário escrever, além dos ensinamentos do Sermão da Montanha. Sobretudo, eu acrescentaria, quando ele fala da Paz.

Comentários

Também sou um otimista, Maria Rita. "You may say I'm a dreamer, but I'm not the only one." :)
vanessa cony disse…
Gostei muito do seu texto.Acredito na importância de termos um olhar mais leve,brando,belo sobre a vida.Para mim é sem dúvida uma questão de escolha.Escolher o melhor ângulo,o melhor lado e a melhor maneirade se ver, de se olhar.Beijinhos.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …