Pular para o conteúdo principal

QUE NÃO FALTE AMOR NEM DINÂMICA >> Carla Dias >>

Estamos acostumados, nos dias de hoje, a pensar a palavra DINÂMICA, principalmente no meio corporativo. Quem já não ouviu falar naquela “dinâmica de grupo”? São muitos os que já participaram de tais eventos, e um tanto de outros que fazem de tudo para fugir deles.

Também é comum ouvirmos/dizermos frases como “eles têm uma boa dinâmica”.

O Aurélio reza que dinâmica significa “Parte da mecânica que estuda o movimento dos corpos, relacionando-os às forças que o produzem. [Cf. cinemática e estática (1).]” A Psicologia, por sua vez, vem pensando a dinâmica como uma forma de identificar e resolver conflitos entre as pessoas. Essa definição não está no Aurélio, mas certamente tem muito mais a ver com a segunda definição oficial da palavra: “Mús. Graduação dos níveis de intensidade dos sons, durante a execução de um trecho musical, por meio de nuanças que vão do fortíssimo ao pianíssimo, quer em progressão mais ou menos lenta, quer em oposição brusca.”

A dinâmica musical, revestida com a liberdade poética que roubamos das emoções, o tempo todo, pode traduzir, quase que (des)cientificamente, a relação emocional entre os seres humanos. Na música, a dinâmica é uma deusa, capaz de promover o milagre de alicerçar uma composição, dedicando à execução da mesma a beleza necessária para colocar em sintonia o que, em qualquer outro fazer, seria impossível. Não se trata de intercalar rudeza com sutileza, bem com mal, de equilíbrio ou simetria, mas sim de criar essas pontes indeléveis que nos levam da excitação ao amansamento sem deixar a sensação de termos mudado de planeta ou de identidade.

Uma pessoa sem dinâmica pode ser triste ou feliz, mas jamais triste quando há tristeza e feliz quando há felicidade. Ela tende a se comportar como falastrona ou, então, calar-se completamente, mas não manter uma conversa na qual a paixão por determinado assunto aflore, alterando as nuanças da voz e dos seus gestos, ou mesmo silenciar para ouvir o que o outro tem a dizer, por curiosidade, apreço, que seja!

Gosto de pensar que dinâmica de grupo é como o que acontece em Across the Universe, filme com composições dos Beatles.



Quando alguém diz que uma música é capaz de contar parte de sua história, eu compreendo. As nuanças dessa obra cria a textura da nossa biografia. Pensamos que, ao sentir tal emoção, certamente escutaríamos aquele trecho da música, quando tudo parece tão sutil, calmo, e então vem o desfecho, muito mais avassalador. A dinâmica, nessa percepção, é mais do que necessária. Ela é todos os verbos utilizados para contar essa história. É ela que define com que força e com que sutileza lidaremos com os nossos sentimentos.

Como você quer viver a sua vida e contar a sua história? Qual é a sua dinâmica? Qual é a sua canção?






Comentários

Carla, dinâmico é o seu texto. Interessante é que ontem eu tinha ouvido/visto uma música cuja principal característica é essa dinâmica: http://youtu.be/WpuUo1ZtmBs
albir disse…
Pois é, Carla, não consigo perceber a minha vida sem trilha sonora.
Carla Dias disse…
Eduardo... Lindo o vídeo! Não conhecia. Obrigada por me apresentar.
E ouvindo uma música dessa não lhe parece estar caminhando por túneis, balançando em árvores, tilintando taças? Não é uma história de vida, mas sem corpo? Apenas som...

Albir... Uma vez me disseram que havia uma pessoa que odiava música. Até hoje eu não consigo acreditar. Uma vida sem trilha sonora?
É por aí, Carla... leveza em movimento.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …