Pular para o conteúdo principal

O CANDIDATO II >> Albir José Inácio da Silva

CONTINUAÇÃO DE "O CANDIDATO I"


Adailton xingou intimamente o pároco, mas manteve o sorriso.

- Sei que não tenho sido muito assíduo, mas isso se deve a muito trabalho e não pense que é apenas em benefício próprio, não, porque o senhor sabe que eu tenho batalhado pelas necessidades dos concidadãos.

- Sei, também, Senhor Adailton, que a sua loja vende guias e apetrechos para culto de entidades muito estranhas à santa madre igreja.

Era o que faltava. Meter-se com suas mercadorias. Respirou fundo, acreditando agora que o padre era mesmo pedófilo, como dizia o pai-de-santo.

- Padre, vê se compreende, eu sou comerciante, nem todo mundo é católico nesta cidade, eu tenho que atender à freguesia. Mas se o senhor prestar atenção vai ver que eu vendo também santinhos, rosários e crucifixos. Minha obrigação é atender a todos. E, afinal, todos são filhos de Deus, não é, seu padre? O senhor não acha que devemos nos entender com os irmãos das outras religiões? Não é esse o mandamento: amar o próximo como a si mesmo?

Apesar do entusiasmo da fala, sentiu que não ia nada bem com o padre.

- Ora, senhor Adailton, não me venha com ecumenismos que a santa madre igreja é a única igreja de Cristo e essa sua tergiversação é pecaminosa.

- Tergiversi...ficação, não, seu padre... É que eu sou da paz e do entendimento. Bem, só quero que o senhor saiba que eu sou candidato e que apoio o seu trabalho desde criança. Estou pensando inclusive no telhado dessa igreja que tá precisando de socorro.

- Vamos ver, senhor Adailton, vamos ver como é que o senhor se comporta.

“Desgraçado”, pensou o comerciante. Começava mal a campanha. Mas ia melhorar. Ou não se chamava Adailton da Biroska.

Padre Jonas, com um sorrisinho, viu Adailton se afastando. Parecia piada: dar o seu apoio, pedir votos aos fiéis para aquele herege. Agora se fazia de bom moço, mas conhecia muito bem aquele sujeito. Sabia da sua generosidade com a IMIV – Igreja Milagrenta Interplanetária dos Vivos, das ofertas e contratos de fornecimento. Sabia da exploração daquela gente humilde de que o mercenário também usufruía. Sua Igreja definhava à míngua, enquanto o reverendo trocava de carro todo ano. Sua Igreja estava sempre vazia, com meia dúzia de viúvas, mendigos, goteiras e bancos quebrados, enquanto o maldito pastor se chamava de bispo e construía igrejas em cada esquina. E de tudo isso participava Adailton, inclusive com vendas de produtos “abençoados” pelo pastor no seu armazém. Agora queria seu apoio. O problema do mundo hoje não é a heresia, que esta sempre existiu. O problema do mundo hoje é a falta do Santo Ofício, da fogueira, dos autos de fé. O padre levantou o crucifixo na direção de Adailton e murmurou:

- Vade retro Satanás!

O terreiro ficava perto, mas Pai Tibúrcio também não estava com boa cara.

- A bênção, meu pai, como o senhor tem passado?

- Vou bem, mas por minha conta e risco, que se dependesse de certas pessoas eu tava queimado, morto e enterrado porque eu sei muito bem que é naquela sua birosca que se inventam coisas contra mim. Até de crime já me acusaram, mas meu santo é muito forte e é preciso mais do que meia dúzia de fofoqueiros, desocupados e filhos de rapariga pra me derrubar.

(Continua aqui)

Comentários

O negócio tá ficando ainda melhor, Albir. :) Muito bons os diálogos.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …