Pular para o conteúdo principal

FELIZ SETEMBRO NOVO >> Fernanda Pinho


Tenho afeição por setembro desde que, num mês de setembro (de um ano que não vem ao caso), eu nasci. Não nasci assim muito decidida quanto dia. Fiquei titubeando entre nascer em Virgem ou Libra. Em Libra ou Virgem. Mercúrio ou Vênus. Vênus ou Mercúrio. E então o destino resolveu bater o martelo: “minha filha, com essa indecisão toda você é libriana desde antes de ser concebida”. Azar o da minha mãe que teve suas contrações estendidas por mais uns dias. Tudo bem, desde que eu nascesse em setembro. Era importante para ela já que em setembro nasceu também seu pai, meu avô, seus dois irmãos caçulas, meu tio e minha tia, e ela mesma, minha mãe. E em setembro nasceu também minha avó, mãe do meu pai, com quem minha mãe havia se casado em setembro, claro, do ano anterior ao do meu nascimento que, enfim, aconteceu em setembro mesmo, com o sol em Libra.

E então eu nasci sabendo que a vida começava em setembro. Não me olhem com essa cara de estranheza, eu não estou falando do ano, vejam bem. Eu sei que de acordo com o calendário ocidental o ano começa em janeiro e que de acordo com o calendário brasileiro o ano começa em março. Mas, como eu disse, eu não estou falando do ano, eu estou falando da vida. Da minha, pelo menos, que começou naquele setembro e tem recomeçado em todos os outros anos que vieram. Tanto que, não sei se é sorte ou sina, mas, quase sempre que tive que passar por um sofrimento na vida, aconteceu de ser em agosto - “o mês do desgosto”, já dizia minha setembrina mãe. Aceito o fato como uma conspiração do universo ao meu favor, porque problema que começa em agosto não dura muito tempo. Logo vem setembro, com S de solução.
Em setembro não há brecha para as mazelas sentimentais, pois ando muito ocupada me preocupando com coisas bem mais relevantes como: o que vou dar de presente para minha mãe, onde vou passar o feriado, o que vou fazer no meu aniversário.

Setembro tem cor. Verde e amarelo. Independência. Setembro tem cheiro. De rosas, de lírios, de ipês e de bouganvilles. Primavera. Setembro tem gosto. De doce, de bombom, de pipoca e pirulito. Cosme e Damião. E já que estou falando em datas, aproveito para esclarecer que, embora também seja em setembro, o Dia da Árvore não é uma homenagem à minha árvore genealógica tão setembrina. É só mais um agrado do mês de setembro à família que tem nome de árvore. Pinho.

Setembro nem precisa ser dez. Cumpre exemplarmente seu papel sendo nove, a prova dos nove. É a hora de se colocar cara a cara com os problemas e dar o veredicto: nosso relacionamento foi intenso, você me fez amadurecer, mas não preciso mais de você. Vai dar uma volta que eu vou ser feliz. Talvez a gente se encontre em outras páginas do calendário, fazer o quê? É a vida. Mas em setembro não!

P.S.: E se você tem outro gosto, leia a ótima crônica de Agosto, publicada pela Maria Rita Lemos, no último dia 28.

Comentários

Loreyne disse…
rsrs, ri muito do se vc tem outro gosto leia a de agosto! kkkkkkk
Adorei como sempre amiga!
Bjus
Se te'embro
ou tubro,
no vembro
de zembro
já neiro.
Fê, vê reiro.
Clara Braga disse…
é, 9 meses depois do ano novo, realmente muita gente nasceu em setembro! Eu mesma compartilho esse mês com você e mais um monteee de gente! haha!
Muito bom!
gosto mesmo é de dezembro, mas setembro nunca me trouxe problemas, não que eu lembre...rs
Parabéns pela crônica. Muito divertida e cheia de significado. Amei
Apesar de ser dezembro o meu mês, sou sagitário com ascendente em libra, ou seja, um pezinho no seu mês que sim, é lindo e tudo de bom como você descreveu e por isso mesmo está entre os meus favoritos.
Theresa Diniz disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Theresa Diniz disse…
Como assim mês do desgosto, rsrsrs
assim não quero ser mais sua amiga, kkkk
Brincadeirinha, adorei mas como tenho outro gosto tive que ler sobre o meu mês maravilhoso, rsrsrs
BJs
fernanda disse…
Setembrinos e não-setembrinos. Vocês são todos parte da minha festa! Obrigadíssima! Beijos.
Jujú disse…
Amiga,

Eu juro que não queria pegar birra de Agosto, afinal meu casamento acabou sendo em Agosto, mas depois desse Agosto que passei, birrei total! E digo mais, meu casamento foi só uma exceção, e foi quase ,quase em Setembro, praticamente nem é Agosto! hahaha

Ah, e eu amei especialmente essa parte:“minha filha, com essa indecisão toda você é libriana desde antes de ser concebida”! hahahaha

Amo ocê, lindo feriado!

beijos
Kika disse…
E, com você, virá a primavera. Quem coisa mais romântica?
:)
beijos!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …