Pular para o conteúdo principal

O CANDIDATO III >> Albir José Inácio da Silva

CONTINUAÇÃO DE:
O CANDIDATO I
O CANDIDATO II

— Vou bem, mas por minha conta e risco, e se dependesse de certas pessoas eu tava linchado e morto e enterrado porque eu sei muito bem que é naquela sua birosca que se inventam coisas contra mim. Até de crime já me acusaram, mas meu santo é muito forte e é preciso mais do que meia dúzia de fofoqueiros, desocupados e filhos de rapariga pra me derrubar — falou o pai-de-santo.

Adailton respirou fundo e se desmanchou em explicações. Muito pelo contrário, sempre defendia o Babalorixá dos maldosos comentários sobre sua transvialidade. Também nunca acreditou naquela história de roubo de bodes e galinhas que a maledicência teimava em divulgar. Sua avó fora do candomblé. Não vendia no seu estabelecimento artigos pras oferendas e artesanatos? Não mandava bebidas pras festas do terreiro? Vinha justamente colocar sua candidatura a serviço daquela casa, e era seu compromisso promover o respeito pelos cultos de matriz africana. Por que, Pai Tibúrcio, essas quatro pedras na mão?

Tibúrcio não queria falar, com medo de cadeia por calúnia já que não podia provar, mas tinha certeza que aquele salafrário ali na sua frente mais o outro, ladrão de gravata e bíblia na mão e dono da igreja milagrenta, tinham botado fogo de madrugada na sua cabana com todos os santos e guias, coisas de relíquia que vinham de sua avó. Quando acordou já não conseguiu salvar nada. Mas soube, por mais de uma pessoa, que o pastor cansou de dizer que Deus ia destruir com fogo a casa do diabo que era como chamava o terreiro. Falava isso nas igrejas e na loja de Adailton, que com tudo concordava. Agora vem com essa história de candidatura.

Estudaram-se em silêncio, remoendo cada um suas razões. Detestavam-se. Mas a venda em consignação de artigos religiosos e artesanato era interessante para ambos. Para o pai-de-santo, nesses dias difíceis, acabava sendo a única renda. Principalmente agora que a igreja milagrenta resolveu lhe fazer concorrência, copiando os descarregos, os passes e até as promessas de trazer em três dias a pessoa amada. Por seu lado, além da questão comercial, Adailton precisava de apoio político. Não era momento para brigas. E Pai Tibúrcio desafiou:

— Muita coisa tem que mudar, Seu Adailton, antes que este terreiro faça propaganda de vosmicê. Vamos ver como é que se comporta, daqui pra frente, esse defensor da liberdade religiosa!

Um quarteirão inteiro de mármore, vidro e aço. Era assim a nova sede da IMIV — Igreja Milagrenta Interplanetária dos Vivos, com guaritas nos quatro cantos e dúzias de empregados. Irritado com a revista, Adailton acompanhou o segurança até o gabinete do pastor. Pastor, Professor, Doutor, Bispo, Missionário e Apóstolo Habacuque de Tarso, que nesse momento gravava programas para rádio e televisão.

— Salve, reverendo, a paz seja convosco. Venho pessoalmente comunicar-lhe minha candidatura, em homenagem à parceria que sempre desenvolvemos no interesse dos nossos irmãos.

(Continua aqui.)

Comentários

Eita, Albir! Acho que vai ter sangue no dia dessa votação. :)
albir disse…
Quê isso, Edu, esqueceu que são, somos brasileiros? A gente fala mal, xinga, depois abraça. Questão de sobrevivência. O saxão não vai entender isso nunca - embora admire. Mas nós entendemos. Quem inventou o sincretismo?

Obrigado pela edição, formatação, ou que nome tenha. Um dia aprendo.
Carla Dias disse…
Ai, ai... A seguir cenas da próxima postagem? Curiosa...

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …