Pular para o conteúdo principal

VOLCANO E HURRICANE
>> Eduardo Loureiro Jr.

Seu nome era Hurricane (Furacão). Ela era um boxeador negro americano dos anos 60. Sua carreira foi interrompida por uma acusação de assassinato pela qual foi condenado. O movimento civil não conseguiu retirá-lo da prisão. Ele chegou a ganhar uma canção de Bob Dylan com seu nome, mas não ganhou a liberdade. Dezenove anos depois, um terceiro julgamento o declarou inocente. Furacão havia sido vítima de uma armação policial de caráter racista.

A prisão de Furacão começou com 90 dias de solitária por ele ter se recusado a usar o uniforme de presidiário. Depois disso, ele criou sua própria solitária, dormindo durante o dia e passando as noites acordado. Aprendeu a lidar com seu desejo frustrado de liberdade recusando o próprio desejo. Usou seu tempo para manter sua forma física, ler e... escrever sua biografia, que foi publicada.

Um dos velhos exemplares de seu livro foi comprado por um jovem estudante, também negro, que estava sendo educado por uma família, um grupo de amigos, no Canadá. Impressionado com a biografia, o jovem escreveu para Furacão, que respondeu. Começou uma grande amizade que culminou com a mudança do grupo para os Estados Unidos com o objetivo de libertar o amigo. Reentrevistando testemunhas do processo, o grupo de canadenses conseguiu encontrar evidências que permitiram a absolvição de Furacão.

Eu não sabia de nada disso até anteontem, quando vi o filme Hurricane, de 1999.

Também eu já fui um boxeador. Minha irmã, um ano e meio mais nova que eu, diz que, quando éramos crianças, eu a chamava para brincar de boxe. Sim, eu sei que deveria procurar alguém do meu tamanho e do meu sexo, alguém que eu só encontraria alguns meses depois, quando me envolvi em minha primeira (até onde eu me lembro) e única briga de rua. Bati, apanhei. Apanhei, bati. E decidi parar por aí. Externamente.

Por volta dos 8 anos, desisti de uma promissora carreira de Hurricane para me tornar um Volcano. Troquei o calor da luta pelo frio das cordilheiras. Virei um vulcão inativo coberto de neve. Coisa bonita de se ver. Recebo mesmo muitos cumprimentos por minha calma, suavidade, gentileza, mansidão, paciência... a lista é longa. But that's not me. Não sou eu inteiramente. Quando os outros estão despertos, eu estou dormindo. Só quando eles — incluindo você, caro leitor — pernoitam, eu acordo.

Eu não precisei de uma conspiração policial para ser aprisionado. Eu encarcerei a mim mesmo. Vivo em uma solitária, num pequeno mundo só meu. Neste mundo, eu continuo aplicando meus golpes: jabs, diretos, cruzados, ganchos, uppercuts. Luto comigo e com os outros em pensamentos nocauteadores. O rosto da minha mente tem narizes quebrados, olhos roxos e até orelhas mordidas. Eu guardo, guardava, em segredo meu corpo mental mutilado. A fala é íntima do pensamento. Ela pode revelar seus segredos. A boca fala do que o coração está cheio. Meu coração está cheio de inconformação, ódio, rancor. Eu decidi ficar calado.

Substituí a fala pela escrita. A escrita aceita borracha. A escrita aceita BACKSPACE. Criei um delay, um retardamento, em minha comunicação. Coloquei as mãos, os dedos, os dígitos, entre a palavra e o coração. Tentei escrever como convém, sem querer ferir ninguém. Minha biografia não é livro impactante, é crônica dominical de sangue cansado após percorrer caminho tão longo do coração até o teclado.

A escrita me trouxe muitos novos amigos: visitas cheia de graça em minha prisão de segurança máxima. Eles — vocês — são minha esperança de que a fúria destrutiva da lava não seja a única forma de conquistar a liberdade. As palavras de Furacão para seu jovem amigo talvez possam um dia ser ditas por Vulcão: "O ódio me pôs na prisão. E o amor vai me tirar".


Comentários

E esse seu amor pelas palavras que me aprisiona aqui no crônica do dia...obrigada por essa prisão que me faz entender cada vez mais a liberdade de ser :)
Grato sempre, Marisa. :)
albir disse…
Você padece da prisão que prende todo ser humano. Por isso tanta solidariedade. Um abraço carcerário.
Albir, você é um maravilhoso companheiro de cela. :)
Vicente Lima disse…
Eu estava lendo um texto doce, porém rígido, reflexivo, de muita informação; não dispensaria uma palavra dele - eu estava algemado a ele -, não lembro, todavia, o nome do autor. Euclides, Eudidis, Eduris, bem não lembro. Opa. Recordo o final é Loureiro Jr.
Fez-me sorrir, Vicente. :) Grato.
Zoraya disse…
Irretocável, libertador. Se servir de consolo, há algumas outras celas solítárias ocupadas por Volcanos, num corpo perto de você. Obrigada, mais um texto para guardar.
Precisamos então arrumar um carcereiro tão gente boa quanto o do filme, Zoraya. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …