quinta-feira, 10 de maio de 2012

A MINHA É DIFERENTE
>> Fernanda Pinho




Doraléia Maria.
Esse é o nome da minha mãe. Dizem que mãe é tudo igual e a controvérsia já começa daí. Que outra mãe chama Doraléia Maria? Dizem que foi invenção do meu avô esse negócio de Doraléia, e que não existe homônima. Ela odeia. Diz sempre que é bonita demais pra ter um nome estranho assim. Daquele seu jeito espontâneo. Único.

Dizem também que meu avô foi um homem muito inteligente. E não me resta dúvida disso. Ao batizar minha mãe com uma de suas invenções ele inaugurava um ser humano singular. Só ela é Doraléia Maria. Só ela é do jeito que ela é. As outras mães que fiquem à vontade para serem iguais. A minha não.

E se o nome a torna única, também a define (o senhor era demais mesmo, vô). Dora, do grego, significa "presente, dádiva". Léia, do hebraico, é "abrigo, resguardo". E, Maria, ah Maria! A mulher que ocupa o primeiro lugar. A mãe de Cristo e a minha também.
Um presente de Deus. Uma dádiva para mim e para a Paula, filhas. Mas também para meus avós, seus pais. Meus tios, seus irmãos. Meus primos, seus sobrinhos. Meu pai, seu marido. E para todo aquele que tem o privilégio de entrar em seu seletíssimo grupo de amigos. Sei. Muito suspeita a opinião de quem mantém com ela uma relação desde o útero. Mas quem a conheceu ontem pode dizer o mesmo. Onde está a Dora, a alegria comanda.

E onde está a Léia, eu tenho meu porto seguro. Ainda que eu ande longe, sei que ali mora meu refúgio para qualquer coisa. É para seu colo que sei que posso voltar sempre. Isso me encoraja, me faz forte. Nada como ter a certeza de que, aconteça o que acontecer, Léia-leoa vai me defender.

Me defenderá com garra, com raça. Como Maria que é. Como progenitora. Como aquela que passa as filhas na sua frente e continua em primeiro lugar. E não vou nem dizer que depois de Doraléia Maria no nome dela vem Flores porque aí já é sacanagem com as outras mães. Esse exagero de significados. Esse exagero de coração.

Você é única, Doraléia Maria Flores. E seu nome é lindo como você. Mas nada que se compare à maravilha que é chamá-la de MÃE. 



Partilhar

5 comentários:

Paula irmã disse...

Não sei nem como começar a comentar.
O que seria das nossas pessoas sem este exemplo, este porto seguro, este colo acolhedor, esta pessoa incrível, doida, linda, bem humorada, jovem, perseverante, guerreira, otimista, prática, gata, espontânea, vitoriosa... O que seria de nós sem essa MÃE AMIGA?
Mãe, obrigada por ser assim: simplesmente VOCÊ. Nosso maior tesouro, e copiando a nossa sempre presente vó Branca: VOCÊ É NOSSO BÁLSAMO!
Te amo, sem limites!!!
Nos te amammos!!!
Irmã... sem palavras sua crônica!!! Te amo também!!!
Beijos as duas!

Doraleia disse...

Sem palavras para dizer depois de ler esta crônica, chorei!!! como sempre você me surpreendendo, nem sei se mereço tudo isto ,mas se você me vê assim fico muito feliz, e também agradeço a Deus pelas duas joias que ele me deu!!! amo muito e isto me da coragem pra viver e ser feliz!!!

Samara disse...

Só comentando para atestar que é isso mesmo. Léia, a mãe da Fernanda e da Paula, é ímpar e linda em todos os sentidos.

Zoraya disse...

Vida longa, linda e próspera para sua Mãe, e para todas as Mães do mundo. Que sua Família permaneça unida nesse Amor.E, mais uma vez, obrigada por compartilhar conosco, seus leitores fiéis, coisas tão bonitas. Beijos

Lima disse...

Sabe, você é fantastica no que escreve, e dessa vez, não seria por menos, mãe pra cada um sempre sera unica, parabens a você, e Doraleia.