Pular para o conteúdo principal

VOLTA POR CIMA >> Zoraya Cesar

Nunca antes pensara Suzana em abandonar a vida de solteira sem laços, sem lenço, sem documento, por ninguém. Até encontrar Antonio Carlos, o grande amor de sua vida.

Estar com ele, fazer planos, viajar, andar de mãos dadas, dormir abraçadinhos, dava um sentido todo especial à sua vida. Suzana estava feliz. Pela primeira vez soube o que era amar e ser amada. Era uma boa pessoa, o Antonio Carlos, ajudava nas contas, dava apoio nos momentos difíceis, e também a amava.

Tudo lindo, não? Mas sempre tem um “mas”, que vem logo a seguir, tenham calma.

O amor em Suzana crescia e o tempo passava - pois o tempo passa, até para os amantes – e, com ele, o tic-tac de seu relógio biológico começou a bater forte, qual um carrilhão numa sala vazia. O amor, que a fez sossegar o facho (ainda se usa isso?), também a fez não caber em si mesma.

Ela sentia necessidade de dividir esse amor todo com mais alguém. Ela queria filhos. Queria ser mãe. E mãe dos filhos dele, o seu amado. Sendo assim, decidiu-se. E, saltitante de amor, foi conversar com Antonio Carlos.

Saiu arrasada.

Ele nem pensava nisso, estavam bem daquele jeito, filhos? Como nunca falaram a respeito, achava que ela, tão independente, sem horário para nada, jamais iria querer ficar presa a uma criança. E finalizou o golpe dizendo que ele, Antonio Carlos, estava dispostíssimo a casar com ela sob quaisquer condições, desde que não tivessem filhos.

Por quê?, desesperou-se Suzana. Porque eu não me sinto preparado, seria um péssimo pai e não gosto de ficar preso nem ter ninguém dependendo de mim, respondeu ele.

Suzana voltou para casa se arrastando pelo chão. E agora? Ficar com o homem da sua vida, e nunca ser mãe, ou largá-lo e partir em busca de alguém com quem ela quisesse criar uma família? A única hipótese inaceitável, para Suzana, era engravidar à revelia do amado. Seria desonestidade em estado bruto, pensava.

Vendo que corria o risco de perder a namorada, Antonio Carlos correu atrás do prejuízo e  pediu-lhe para não ser precipitada, dizendo que, por amor, poderia até mudar de idéia, era questão de tempo. Ela aceitou. Afinal, porque não dar um pouco de tempo para o seu amado? Filho era mesmo coisa séria.

O tempo estendeu-se por mais alguns anos, durante os quais Antonio Carlos era cada vez mais amoroso, e ai, a pobre Suzana cada vez mais apaixonada.

Uma noite, porém, em pleno jantar à luz de velas, ela se descontrolou. Não aguento mais, esperei até o último minuto, nem sei se ainda consigo engravidar... e encharcou a toalha, aguou o vinho e a sobremesa com suas lágrimas.

Me perdoe,  murmurou ele, a cabeça baixa, não sei se posso, se quero, não me sinto... ele tossiu violentamente, quando o vinho jogado por ela entrou por sua boca, olhos, nariz.

Cretino, gritou Suzana enquanto derrubava a mesa, pratos, garrafas e comidas pelo chão, pisoteando tudo, completamente alucinada. E por que, gritava, só agora me diz isso? Ele ainda tentou responder que não queria perdê-la, que estava inseguro, essas coisas que as pessoas falam quando são covardes demais para assumir suas responsabilidades. Apenas tentou, pois Suzana parecia um animal enfurecido.

Ela saiu cambaleante de dor e lágrimas, até hoje não sabe como conseguiu chegar em casa, carregando no peito aquele vazio enorme. Sem o amor de sua vida, sem filhos, sem família, sem perspectivas. E sentindo-se uma idiota.

O tempo, senhor da História, nos permitiu chegar ao final dessa.

Antonio Carlos nunca se casou. Não encontrou outra mulher que o aturasse ou o amasse como Suzaninha. Mas não ficou sozinho não. Sua mãe, receosa de que ele empedernisse em irrevogável misantropo, comprou-lhe um poodle. E como ela viaja muito para visitar a filha nos EUA, ele é obrigado a cuidar do cachorro. E também a passear, levar ao veterinário, e fazer companhia, pois não tem coragem de sair de casa e deixá-lo sozinho. Logo ele, Antonio Carlos, que sempre detestara a idéia de ter algum ser vivo dependente dele, hahahah, ria-se Suzana, de longe.

Ah, sim, nossa amiga Suzaninha adotou um menino, e faz questão de ensinar que homem decente não é o que tem um bom emprego, é o que não enrola uma mulher. Está felicíssima.

O final é esse, mas a moral, cada um escolhe a sua: mulher que anda na linha o trem passa por cima? O melhor amigo do homem é o cachorro? Homem é tudo farinha do mesmo saco? Vingança é um prato que se come frio? Outras?

Quem nunca amou e foi enganado na vida, que atire a primeira pedra.

Comentários

Anônimo disse…
Tudo bem a Suzana ficar com raiva por ter sido enrolada... mas ela também foi bem egoísta, né? Ninguém é obrigado a ter filhos, isso é opção do casal. E se um não quer, dois não brigam. Nem deixam herdeiros.
A única felicidade plena é a incompleta, pq mantem o movimento, a busca... ela encontrou o filho e ele tb, só q canino. Ninguém sabe nada mesmo.

Muito bom seu texto.
Zoraya,
Acho que eles são mais felizes assim, não é?
Fingir ser alguém para satisfazer o outro não é bom ou renunciar pelo outro é pior ainda.
Melhor ser o que se é!
Bjs
aretuza disse…
Conhço tantas Susanas.... Sempre esperando, dando corda para a linha do tempo, acreditando q lá na frente as coisas vão mudar... Ainda bem que ela acordou!!! Vou mandar para as amigas Susanas!!!
Anônimo disse…
Adorei! Muito bom o texto!

Acho que ninguém é imutável, mas a transformação vem de dentro, por vontade ou necessidade própria, nunca por ou para agradar terceiros.

Cristiane
Érica disse…
A vida é feita de escolhas e uma escolha que é boa hoje pode não ser boa amanhã. A questão é que não devemos deixar de tentar, nem nos acomodarmos nas escolhas erradas que fazemos. O mundo está em eterno movimento e nossas vidas vão girando com ele numa alternância incessante de tentativas e erros... até que um dia, quem sabe, acertamos... ou não, como diria Caetano...
Cecilia Radetic disse…
Também conheço muitas Suzanas, que a espera do momento de seu homem abriram mão de sua maternidade.
Acho que a questão é não nos acomodarmos em função de alguém, ou, como Suzana ensina ao filho, não enganar ao outro.
Cada um tem o direito de fazer suas escolhas e filhos podem ser uma escolha de cada um. Não se deve impor isso a nínguém, muito menos de forma manipuladora, como o Antonio Carlos fez - e no final acabou pai de um poodle - há vingança maior que essa? rsrs
Zoraya disse…
Gente, obrigada pela leitura e comentários. Que nenhum de nós sejamos antonio carlos ou suzanas na vida (bem, suzanas com final feliz até vai...) beijos bonitos a todos
albir disse…
Zoraya,
texto bom é isso: divide a torcida. Beijo.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …