Pular para o conteúdo principal

A MULHER MÉDIA >> Kika Coutinho

A culpa é das capas de revistas. Claro, também das atrizes, das estrelas, dessas loucas que engordam 9 kg na gestação e depois perdem 12. Dessas que estão sempre combinando, até quando descombinam...

Por anos eu tentei ser uma delas. É verdade que não com muito afinco, porque quando soube que teria fazer hidratação no cabelo toda semana, tomar banho meio friozinho e passar maquiagem todas as manhãs — pior, tirar tudo todas as noites — ai, já não queria tanto. Mas junto com os pés de galinha, o bigode chinês e a queda dos peitos, vem também uma lucidez clara, tal como uma lâmpada dessas brancas que, embora não tenha muita estética, ilumina mesmo o que está diante de nós. E, com tudo visto, resolvi decretar: quero ser a mulher média. Me parece óbvio, aliás que, se quero filhos normais, marido normal, vida normal, também deva simplesmente ser uma mulher normal.

Ah, como é difícil encontrar normalidade hoje em dia. Gente normal, sabe? Dessas que às vezes dão uma gafe, dessas que se vestem meio inapropriadamente porque acharam que era mais ou menos chique do que era. Dessas que nem sempre conseguem passar corretivo, rímel, e que cedem à sapatilha ou ao tênis mesmo que não fique tão bom. Dessas que comem arroz branco, feijão, uma macarronada se for sexta, tá bom, se for terça também. Não estou falando da mulher desleixada, da glutona, da que sai de pantufas e crocs — ok, de vez em nunca tudo bem — mas falo da mulher média, que se arruma, se cuida, passa creme até, mas que, quando pode, prefere um all-star a um salto 10, da mulher que reconhece que praia e base não combinam, que gosta de uma novelinha, talvez até Big Brother — e daí? Gente viva que reconheça o valor de um bom banho quente, o valor do sol no rosto, o valor da saúde, o valor incontável do dolce far niente, saca? Não quero ser a chata que só lê os russos nem a tosca que recita Michel Teló. Uma mulher média, dessas que costumam andar com a mesma bolsa, aquela bolsa normal, da Corello, Arezzo ou Standcenter que, no final, dá mais ou menos na mesma. Uma mulher dessas que tem uns dois casacos bons e liga mais para a cor do sapato do que para a cor da sola do sapato, afinal. Claro que deve ser bom estar sempre impecável, ter sempre a pele de pêssego, quem não quer? Ah, eu queria, claro, não estou dando uma de rogada, me fazendo blasé, bem eu que adoro um produtinho milagoroso, imagine, longe de mim. Eu realmente queria se fosse grátis, mas descobri que não é. Além de ser caro, financeiramente, é opressivo e — o pior — te desfoca.

A busca da perfeição, pra mim pelo menos, que adoro um banho pelando, e que odeio, leia-se ODEIO tirar maquiagem, é muito opressiva. Talvez seja porque tenho menos tempo, talvez seja a metade da vida que se aproxima muito velozmente, talvez sejam as minhas filhas virando meninas grandes diante de mim, não sei, mas hoje o foco mudou e sinto-me libertada por não precisar fazer a unha meticulosamente toda semana. Veja, isso não é uma apologia ao descuido e ao relaxo, não. Muito menos uma conversa esquerdista, dessas antigas. Nem tem tanto a ver com dinheiro quanto se pensa. Conheço, de fato, mulheres riquíssimas, ricas de dinheiro mesmo, sem essa balela de que são ricas de espírito, não, mulheres cheias da grana, bufunfa rolando no banco que, acreditem, portam-se como mulheres médias. Estão arrumadas, são bonitas inclusive, elegantes na sua normalidade, chiques no seu conforto. Mas são médias porque permitem-se um ou outro erro, comemoram os acertos e, sobretudo, valem-se deles para sentirem que, assim, na libertadora e inconveniente maturidade, é que se encontra a alegria — não da chegada — mas da doce caminhada. Ufa.

Comentários

Anônimo disse…
Boa como sempre.
Bjs

Raul
Daise disse…
Tô contigo.
Beijo.
Ju** disse…
Se aproxime mais, Kika!
Ando bem média...e já faz tempo! Uma parte por imposição financeira, outra por descobrir que tem coisas que são bem mais importantes na vida!
Ótimo texto!
Bjs
O TRIBUNAL DE OSIRIS

Na escuridão de um labirinto
Uma alma aflita aguarda seu julgamento.
Diante do trono de Osíris
Um chacal lentamente se aproxima,
Para devorar e lançar no limbo
Os restos de uma alma iníqua.

(Agamenon Troyan)
Cristiane disse…
Acho que sempre fui média...
Zoraya disse…
Viva o dolce far niente! São os medianos que equilibram a balança. Tudo maravilhoso, menos as crocs. Até sair de pantufas vale (tem umas tao fofinhas) mas crocs nao! Aí já é apelação... Bom te ler! Beijos
Kika disse…
Queridos, obrigada. Jú, eu também já me senti "empurrada" para ser média e, depois notei que foi mais uma das belas escolhas que a vida fez por mim:)
Cris, você também me é uma insopiração, e, Zoraya, Crocs só as vezes vai? Pra ir até o térreo, buscar aquela pizza, que tal?
:)
beijos!
whisner disse…
Kika, sempre adorei a média. Ser ponto fora da curva é sempre desgastante e chato. Abraço!
fernanda disse…
Kika, tô aqui com a maquiagem de ontem na cara pra dizer que estou com você, estou na média, e não abro mão disso.
Adorei!
Beijos.
Juliana disse…
É exatamente isso. A mulher média, às vezes de tanto tentar subir no salto, acaba caindo. E acaba ofuscando a própria beleza.
Ah, vai! É tão melhor não sofrer a pressão de ter que ser perfeita. A prova disso é a mulher-Barbie russa, aquela tal de Valeria Lukyanova. É a concretização do fato que eu já desconfiava: o esteriótipo feminino é feeeeio...

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …