Pular para o conteúdo principal

EU QUERO SER TIM BURTON! >> Carla Dias >>


“Sabe o que é estranho? É que sempre me achei normal quando era criança. Depois de um tempo,você começa a pensar que é maluco, porque todo mundo te chama assim. Aí os anos passam e você se dá conta de que eles estavam certos, você era louco mesmo.”
Tim Burton


O que você quer ser quando crescer?

Pergunta recorrente na vida de qualquer criança, acaba sempre recebendo respostas sazonais. Há dias em que se quer ser herói, em outros, professor, bombeiro, astronauta, ou colecionador de gibis, filho da mãe e do pai e não de um extraterrestre, porque isso dá medo e afasta os amiguinhos. Não há limites para o que se pode ser quando crescer sendo criança.

Eu quis ser muitas coisas quando criança. Apesar de a minha memória infante depender das minhas irmãs para funcionar, lembro-me de duas coisas que queria ser quando crescesse: freira e aconselhadora para apaziguar alma. Crescendo, percebi que as pessoas não gostam quando nos metemos em seus assuntos com um punhado de conselhos que não pediram, eu não gosto. E que ser freira é um chamado que eu nunca estive realmente a fim de atender.

Então, fui sendo.

Se me perguntassem hoje, mas com a mesma intenção de quando eu era criança, o que eu seria quando crescesse, mesmo aos quase quarenta e dois anos de idade, eu responderia com a paixão da menina: o Tim Burton!


O mundo criado pelo menino que se achava normal, enquanto rotulado louco, que se tornou, depois do sucesso, um rotulado excêntrico, é de uma perspicácia aguçada. Sei que a maioria de nós teve uma infância regada às alegrias de ser criança, às brincadeiras, aos planos do que ser quando crescer e que isso é bom e saudável. Só que também há aquelas crianças que, desde sempre, existem de um jeito diferente. Se houvesse um Tim Burton na minha escola, quando eu era menina, talvez tivéssemos nos tornado grandes amigos com roupas esquisitas, ar taciturno e silêncio imperante, porque ao começarmos a conversar,  ele contando sobre os personagens que lhe inquietavam a alma, eu me deslumbraria de vez, e não haveria quem pudesse me tirar daquele universo que ele me permitiu visitar. Talvez, se eu tivesse conhecido um Tim Burton quando criança, desde lá eu já desejaria ser ele quando crescesse.

O universo de Tim Burton me fascina. Seria incapaz de criar algo tão profundo, melancólico e de uma beleza dissimétrica tão encantadora. O artista dos desenhos, da poesia e dos filmes, de tantos talentos, é uma inspiração para mim. Os personagens que traz à vida, bom, alguns estão mortos, mas tudo certo! Continuam interessantemente construídos e contando histórias envolventes.

Frankenweenie

Na verdade, escrevendo a respeito, percebo que cometi uma gafe existencial. Não é que eu realmente queira ser Tim Burton quando crescesse...

Se inventarem um jeito de se voltar ao passado - e que não tenha nada a ver com o Marty McFly tentando voltar para o futuro -, quando voltasse a ser criança eu gostaria de conhecer um Tim Burton na escola. E que ele me permitisse ser sua amiga independente das nossas esquisitices. E que ao me contar sobre os lúgubres e sublimes personagens que lhe habitassem a alma eu finalmente pudesse exercer a função de aconselhadora para apaziguar alma, mas sem ofender ou ultrapassar limites.

Quando eu crescer quero ser.




Comentários

fernanda disse…
Também quero ser Tim Burton (com direito a ser amiga do Johnny Depp). =)
Irmã Carla, você apazigua minha alma com seus conselhos disfarçados em crônicas. Desejo que você e Tim Burton ainda possam bater um bom papo qualquer dia desses.
Adorei!
Sou burtonmaníaca declarada.Amo tudo que esse cara faz, por isso entendo perfeitamente o que você disse.
Seria mesmo ótimo ter um amigo que nem ele.Ah,também quero! haha

Muito bom o seu blog!
Quando tiver um tempinho, dá uma passadinha no meu também,tá? Lá também tem muitas "burtonices".

http://filosofasdebotequim.blogspot.com.br/

Beijobeijo

Indira Lima
Carla Dias disse…
Fernanda... Johnny Depp vem junto mesmo! Vamos todos nos transformar em Tim Burton :)

Irmão Eduardo, fico feliz em saber que você é dos que navega nas entrelinhas. E se eu encontrar meu Tim Burton prometo que vou contar como foi nosso bate-papo, tá?

Indira... Tim Burton é mesmo fascinante :)
Em breve passarei lá pelo seu blog. Beijos e obrigada pela leitura!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …