Pular para o conteúdo principal

TUDO QUE EU QUERIA DIZER PARA MARTHA >> Fernanda Pinho




Estimada Martha,

tudo bem? As palavras que te escrevo agora soarão como uma carta, mas sabemos que não é. Primeiro porque não tenho seu endereço. Segundo porque, vamos combinar, quem escreve carta em pleno 2012? Mas posso começar fazendo uma confissão? Sou meio démodé. Não fosse o primeiro motivo, eu esqueceria o segundo e te mandaria uma carta do jeito que uma carta deve ser: a próprio punho, quiçá num envelope com tarjinhas em verde e amarelo. Digo, acho que o envelope seria vermelho e azul. Às vezes ainda me pego surpresa com as pessoas falando espanhol ao meu redor. Tenho lapsos de esquecimento de que não estou no Brasil. Estou vivendo em Santiago do Chile.

É, como você também. Li em algumas crônicas suas que viveu aqui por um tempo. Gostou? Eu estou adorando. Não lembro se nas crônicas que li você manifestava sentimentos bons ou ruins sobre ter vivido aqui. Também não lembro em qual livro li isso. Não sou esquecida, como posso ter dado a impressão. Sou apenas um pouco confusa.

Lembro, por exemplo, de todos os livros seu que li. Não foram tantos, é verdade. Primeiro foi o "Doidas e Santas". Eu já havia lido a maioria das crônicas por aí, mas você há de concordar comigo que ler todas reunidas no formato de livro tem um sabor especial. Ao menos para mim, que ainda tenho vontade de ler e escrever cartas.

Depois li o "Fora de Mim". De uma tacada só. E foi um trauma. Li numa manhã de sábado e na noite do mesmo dia passei por um término de relacionamento muito próximo ao que você relatava no livro. Martha, cheguei a pensar que você tinha me dado azar. É que além de confusa sou um pouco supersticiosa. Fiquei meses fugindo dos seus textos, como o diabo da cruz.

Até que no natal do ano passado, resolvi aproveitar o espírito natalino e as promessas de renovação para me desprender dessa bobagem. Pedi dois livros seus num amigo oculto (ou secreto, se preferir). Claro que como pessoa que ainda aprecia as cartas e que tem preferência por ler crônicas reunidas em livros, também sou o tipo que acha sem graça esse negócio de dar sugestões de presentes para o amigo oculto. A surpresa do presente deveria ser o charme da brincadeira. Mas, ok, assim não corremos o risco de levar um presente-bomba para a casa. O que levei, nesse dia, foi o "Feliz Por Nada" e o "Tudo Que Eu Queria te Dizer". E é exatamente o "Tudo O Que Eu Queria te Dizer" que me traz aqui hoje.

Que espécie de pessoa sou eu que deixo o assunto principal para o final? Sou uma espécie meio confusa, démodé, supersticiosa e também ansiosa. Tanto que te escrevo sem sequer ter terminado a leitura. Ah, tem isso também. Ganhei os livros em dezembro e só fui ler em maio, porque ainda andava cismada com você. Mas suas cartas, até onde li, dissolveram a cisma, me esquentaram a alma (e é difícil alguma coisa me esquentar no frio que faz aqui), me amoleceram o coração. Tenho lacrimejado na leitura de cada uma delas, graças à sua capacidade sutil de nos fazer se sentir na pele de remetentes e destinatários tão diversos.

O que eu queria te dizer é: obrigada, Martha. Por se dedicar a escrever cartas e crônicas que deixam a vida mais bonita. E romances também, vai. Eu sei que a culpa não foi sua.

Sem mais para o momento.

Fernanda

Imagem: www.sxc.hu

Comentários

Kika disse…
Querida. Posso falar?
Voce é muito melhor do que a Martha.
Marilza disse…
Olha, nao diria melhor, mas tão boa quanto! Você só se mudou se país; a leveza, a escrita solta continuam as mesmas. Bjs
Cristiane disse…
:) fiquei com vontade de ler a Martha, eu que já li dela tão pouco.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …