Pular para o conteúdo principal

REUNIÃO DE FAMÍLIA >> Whisner Fraga


Há um clichê que diz que “reviver o passado é sofrer duas vezes”. Quem criou essa bobagem devia estar com uma insanável dor-de-cotovelo. Porque há várias situações em que reviver o passado pode ser muito divertido. Nem vou falar da aprendizagem, porque a crônica não é pedagógica, mas existe esse fator aí também, que é considerado, por alguns, algo positivo. Sabemos que o passado costuma se tornar um negócio complicado, só que não precisamos ser tão pessimistas assim.

Toda vez que viajo para ver minha família, no Triângulo Mineiro, quando nos reunimos para churrasco, o que mais fazemos é nos lembrar do passado. E contamos a mesma história mais uma vez. Por “a mesma história”, entendam que ela não muda com o passar dos anos e que todos a conhecem de cor. Só que o egocentrismo, a cerveja e o ambiente deixam os causos mais interessantes a cada visita. Uma dessas fábulas não pode ficar jamais de fora e sempre me agrada particularmente, de forma que vou relatá-la a seguir.

Estudávamos todos no período da manhã, eu e meus três irmãos. A vida não era fácil, mesmo sendo pré-adolescentes, sem responsabilidades a não ser tirar boas notas e com todas as refeições garantidas, dia após dia. Não era fácil porque tínhamos de 9 a 17 anos, os três homens. Minha irmã não faz parte dessa conta. Mimada, tinha a vida mais tranquila. Não era fácil porque minha mãe era muito rígida e nos impunha horários para tudo. Daí que podíamos curtir a noite, frequentar baladas, desde que estivéssemos em casa até, no máximo, meia-noite.

Descíamos para a rua vinte e seis, eu e Joãozinho, e lá ficávamos, de pé mesmo, olhando as meninas desfilarem na calçada. Às vezes íamos ao calçadão tomar sorvete, dependendo da boa-vontade de meu pai, que normalmente não liberava uns trocados para tanto. Nosso programa era muito barato: o custo de uma lavada de camisa e de uns milímetros de solado de sapato. Saíamos sexta, sábado e domingo e não nos enjoávamos. A partir das onze e trinta, o movimento rareava, pois os mais abonados iam para a boate. Acho que minha ojeriza por casas noturnas começou nessa época.

O fato é que era domingo, eu tinha 15 anos e meu irmão mais novo 9, e todos tínhamos de acordar às seis da matina, para preparar o café e tocarmos para o colégio, tendo feito a lição ou não, tendo estudado para a prova ou não. Era o jogo. O fato é que eu era responsável, CDF e regressara às vinte e três horas. Onze da noite, como diziam. Em casa, ainda não estava com sono e minha cabeça vazia era não uma oficina, mas uma indústria do diabo. Fui ao quarto em que dormíamos os três, o caçula já estava no terceiro sono, raptei sorrateiramente o despertador, ajustei para tocar dali a quinze minutos e o devolvi na cabeceira da cama do meu irmão mais novo.

E fiquei esperando o resultado. Dali a pouco eu só testemunhava o menino reclamando, chateado, que a noite tinha sido curta. Como a noite é sempre curta para tanto sonho e a de domingo parece mais breve ainda, não havia novidade. Vestiu o uniforme, calçou os sapatos e rumou para o banheiro. No caminho, trombou comigo. Assustado, comentou que devia estar muito atrasado, porque minha cara aparentava uma vivacidade surpreendente e eu já estava vestido. Aí não aguentei e desatei a rir. Ele, sem compreender, correu para lavar o rosto e eu continuei a me divertir por alguns minutos. Depois, notei que não adiantava muito tentar explicar o ocorrido e fui para a cama. Mais cedo ou mais tarde ele ia entender tudo.

Comentários

Zoraya disse…
"minha cabeça vazia era não uma oficina, mas uma indústria do diabo", hahah, adorei isso, e tb a crônica toda. Relembrar o passado é iguaria fina reservada para poucos! conte mais, por favor.
Whisner,
O meu clichê é: feliz quem tem lembranças para reviver o passado.
Bjs
whisner disse…
Zoraya, obrigado mais uma vez pela leitura! Eu adoro relembrar.
Marisa, gostei do seu clichê, também penso assim.

Abraços,

Whisner.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …