Pular para o conteúdo principal

PINA: POESIA NA TELA >> Carla Dias >>


Sim, eu sou fã de carteirinha de Wim Wenders, desde que assisti o belo Asas do Desejo (Der Himmel über Berlin/1987) e descobri que o roteirista e diretor tinha uma visão deveras interessante sobre anjos. Para quem não assistiu a esse filme, saiba que ele não é a versão alemã de Cidade dos Anjos (City of Angels/1998). Na verdade, o americano foi adaptado a partir do alemão, e por mais que eu ache lindo o filme com Nicolas Cage e Meg Ryan, tendo o próprio Wim Wenders como coroteirista, Asas do desejo é imbatível com a sua poesia e o ritmo que, em determinado momento, é definido pela participação de Nick Cave.

Sim, eu sou apaixonada por Wim Wenders, mas ainda assim, não esperava a viagem que fiz ao assistir o seu filme, ainda em cartaz aqui no Brasil. Na verdade, por se tratar de um documentário, eu esperava um filme bem diferente. O que eu não esperava era um poema na tela.


Pina
 (2011) é um filme sobre a dançarina e coreógrafa alemã Pina Bausch, também amiga de longa data de Wenders. Ela faleceu em 2009, pouco antes do início do documentário. Ele pensou em parar o projeto, mas decidiu dar continuidade, utilizando, além de imagens dos espetáculos Le Sacre du Printemps (1975), Kontakthof (1978), Café Muller (1978), eVollmond (2006), declarações dos bailarinos da companhia Tanztheater Wuppertal Pina Bausch sobre a coreógrafa.



Wenders, como foi divulgado, inaugurou a era do filme de arte em 3D com Pina. Particularmente, 3D não me agrada, porém não consigo imaginar não se ter essa experiência com este filme, porque é justamente a proximidade que essa linguagem cinematográfica oferece que nos permite mergulhar no que o diretor/roteirista quer nos mostrar, como se quisesse que alcançássemos certa intimidade com a pessoa por detrás da coreógrafa.

As coreografias de Pina são impactantes, parecem palavras ditas e com a poesia na ponta da língua. Os movimentos dos bailarinos nos remetem a cenários imaginários, mas também ganham as ruas de Wuppertal, cidade belíssima onde Pina viveu e desenvolveu seu trabalho por 35 anos.



Pina é um filme sedutor, faz com que o espectador deslize nas matizes das coreografias, na energia dos bailarinos, na melancolia do que eles têm a dizer sobre a coreógrafa. Para ela, mais importante do que a dança era qual sentimento levava o bailarino a dar o tom a ela.

Wenders conseguiu homenagear essa talentosa mulher de uma forma como poucos conseguiriam. Ele fez a dança virar cinema, o que não é fácil, mas não parou por aí. Wenders fez, mais uma vez, o cinema virar poesia.



Comentários

whisner disse…
Wim Wenders é maravilhoso, Carla. E agora, como ver Pina 3D? Beijo.
Carla Dias disse…
Whisner... Ele é mesmo! Eu assisti Pina no cinema, no domingo passado. Se tiver algum por aí passando, corra pra assistir, porque é uma viagem muito especial. Beijo!
fernanda disse…
Carla, dica anotada. Sempre sigo suas indicações e te digo, você não falha! Tenho certeza de que será mais um deleite :)
Carla Dias disse…
Fernandíssima... Que bom que as dicas tem funcionado pra você. E sim, esse filme vale tudo e um pouco mais. Beijos!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …