Pular para o conteúdo principal

QUERIDO DEUS >> Kika Coutinho

Querido Deus,

Eu sei, eu sei. Eu dizia que só queria ter um bebê, que nunca mais ia pedir nada, eu jurava que só precisava ter uma criança saudável e pronto, não precisaria de mais nada e pararia de pedir coisas nas minhas insistentes orações. Eu sei disso, não esqueci.

Acontece que, agora que o Senhor me concedeu a bênção dessa criança saudável, e depois de outra, vi que ficou impossível parar de pedir. Eu não sabia que os pedidos estariam só começando, mas aposto que o Senhor, o Senhor, sim, Deus, o Senhor sabia bem, não é?

Porque ter filhos é ter um vínculo com Deus, nunca mais desfeito. Um vínculo, aliás, com Deus, com Nossa Senhora e com algum santo. Quem não tem apego a santo nenhum, aposto que terá depois da maternidade. Porque depois que temos filhos o amor é tão grande que, sinto muito, só as babás, as avós, as tias, as professoras, o pai, só esse pessoal daqui, desse mundo, é muito pouco, pouquíssimo, pra dar conta.

Precisamos mesmo de ajuda e vou ter de quebrar a minha promessa e continuar a pedir. Coisa pouca, tá?, já que mais tenho a agradecer, e não me canso de fazê-lo, o senhor sabe bem. Mas, veja, uma ou outra ajudinha, vou ter que pedir. Perdoe, sim?

Além de saúde que, claro, é o primeiro, primeiríssimo, e até o único pedido se só puder ter um, mas, podendo ter outros, posso pedir que minhas filhas sejam alegres, sempre? É que, sabe Deus, é tão boa essa gargalhada, esse sorriso, esses dias claros, que preciso pedir mesmo que esse som, essa risada que parece ecoar em todo mundo, dure para sempre no meu ouvido. Será que pode ser? Além disso, posso pedir que sejam generosas também? Ando me esforçando muito para ensiná-las. A Sofia, veja só, eu sempre faço com que divida o baldinho de areia, empreste a bolha de sabão ou meie o chocolate. Sempre. O Senhor, que tudo vê, não deve ter perdido nenhuma dessas minhas batalhas. Então, claro, acho que mereço essa bênção, não é? Nos dias de hoje, criar alguém generoso é tudo o que se quer, né? Se for espertinha, inteligente, também não vou achar ruim não, mas, sendo muita coisa, fico com a generosidade mesmo. De resto, nem precisam ter cabelos lisos, corpos esguios, nada disso, mas que sejam bem resolvidas e fortes, estruturadas emocionalmente para lidar com as diferenças, com as pressões chatíssimas das capas de revistas. Que saibam o valor das coisas, isso eu queria também. Acha que dá pra encaixar?

Veja, Deus, são desejos bons, para ajudar na melhoria do mundo, esse mundão aí de meu Deus, o Senhor mesmo, então, deve de achar bom, vai? Não que eu não tenha desejos um pouco mais egoístas e menos nobres, até tenho. Claro que adoraria que elas não sofressem nenhum tipo de bullying e que não precisassem de óculos, nem de aparelho nos dentes, e que gostassem de esportes e de saladas, isso facilitaria um bocado as coisas, é verdade. Também, desculpe dizer, mas não seria nada mau se todas as festinhas de aniversário delas fossem ótimas, que elas nunca fossem esquecidas pelo menos pelas melhores amigas, e, claro, se fizer sol, sempre melhor, né? Ai, mas já que tô criando coragem pra pedir, então gostaria também que elas não fossem respondonas na adolescência, que fizessem mais o “tipo família”, sabe? Teriam boas amizades, quem sabe prefeririam um cinema à tarde, comigo, olha que coisa, que pedido ousado, mal tenho coragem de fazer, mas, quem sabe, o Senhor permita que elas não gostem muito de baladas, ou, se gostarem, então só, por favor, providencie dois anjos da guarda, dos bons, pra cada uma. Seriam quatro no total, sei que não é pouco, mas é que a gente mora em São Paulo e vê cada coisa horrível na televisão. Se eu tiver certeza que o Senhor estará sempre por perto, fico tranqüila. Preciso pedir isso também, ainda que falte mais de 10 anos para a adolescência? Vou pedindo todos os dias, sem cessar, o Senhor há de me entender, não é?

E, bom, na piscina também tem de ficar mais perto ainda, que tenho um medo danado. Essa coisa de borda de piscina, ou de água que não dá pé, não gosto nem de pensar. Também tenho um pouco de preocupação com bicicletas, com escada rolante, até sem ser rolante tenho medo, sabe? Ai, Senhor, pode antecipar os anjos?

Tá bom, tá bom. Não peço mais nada, nadinha. Só saúde, já tá de bom tamanho. E vida longa, claro. Até os 120 pra mim e pro meu marido. A medicina avançando tanto, sei que já o Seu dedo me atendendo. E, pra elas, até os 90 tá ótimo. Ups, errei na conta. O certo é 121 para nós, e 92 para elas. Pronto, assim fica garantido que elas me enterrem. Essa é a lei certa mesmo né? Não to pedindo demais. Tô?

Comentários

R.K disse…
Eu só quero pedir uma coisa para Deus: eu quero parar de chorar depois de te ler!!!!!!!!

bjs
Acho que ELE não vai ter como negar seu pedido, Kika. :)
Zoraya disse…
Escrevendo bem desse jeito, o Pai já te ouviu! E fique tranquila, existem meninas "família", como vc está querendo, elas são reais, eu conheço 2. Que suas Filhas sempre valorizem os Pais que têm e que você continue a escrever assim. Beijos
Anônimo disse…
Então Kika, tudo pedido, cuidadosamente, carinhosamente, com um desejo maravilhoso de amor e proteção para Deus, ou como cada um O Entenda ,como se Ele lá estivesse para cuidar dos nossos maravilhosos filhos e netos, e só deles.
Acho que foram esquecidos ainda alguns pedidos:que os nossos , cresçam pessoas de bem e do bem, sensíveis e generosos às necessidades dos outros, preocupados com aqueles a quem a vida não foi tão generosa.
Que eles aprendam o perdão, a tolerância, a aceitar a diversidade de idéias de pensamentos, de crenças.
E que nós pais e avós nunca nos esqueçamos que não devemos transferir ao Poder Divino para quem nele acredita , os trabalhos que são nossos, como educá-los bem, transmitir valores éticos, morais e culturais sólidos, mostrar a diferença entre o certo e o errado.
Porque mesmo fazendo isso, ainda assim eles às vezes se desviam, imagine se não fizermos...

Deixa Deus com um pouco mais de tempo livre para se preocupar com o pessoal da cracolãndia, com as crianças que morrem de fome na Bósnia e em tantos lugares da Africa e ate aqui mesmo no Brasil...

Porque tuas lindas meninas e meus filhos e netos já tem pais e avós preocupadíssimos com eles , o dia inteiro inventando maneiras de dar a eles o melhor.

Pensando bem,só Saúde e Felicidade , se Ele der, já não tá de ótimo tamanho ?
O resto a gente cuida.....

Beijoca

Raul
Anônimo disse…
Raul, querido, saúde, felicidade já está de bom tamanho sim, mas, olha, depois desse seu comentário, lembrei-me que deveria pedir também que elas tivessem amigos.... E, daí, pronto, juro que "libero" Deus para as causas nobred e urgentes que vc falou :)
Bjs querido!
Kika

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …