Pular para o conteúdo principal

EU MESMA, PRAZER! >> Carla Dias >>

Sr. Nilson é professor de matemática. No primeiro dia de aula, deixou bem claro, arqueando as grossas sobrancelhas, que não permitiria que os alunos o chamassem “Sr. Wilson” ou “Sr. Nelson”. As crianças arregalaram olhos para o homem severo, vestido em panos simples, mas impecavelmente lavados e passados. A partir daí, dizer o nome do professor se tornou uma jornada perigosa, porque vai que ele decide aplicar castigo tão severo quanto o seu olhar!

O parágrafo acima mistura um tantinho de ficção com a realidade da minha sobrinha, a quem prometi ligar para saber como foi o primeiro dia de aula de 2012. A primeira coisa que ela me contou foi sobre o professor que não queria que o chamassem por outro nome que não o dele, e a forma como ela expôs a questão me levou a imaginar como seria se eu fosse um dos alunos e errasse o nome do Sr. Nilson, porque está bem claro que isso o enerva um tanto.

Neste ponto da crônica, sou obrigada a confessar que sou péssima com nomes. Já pensei em ter problema sério nesse quesito, em precisar tomar remédio, porque eu troco até os nomes de pessoas com quem convivo. Há quem diga que é pura distração, mas não é que eu desconheça a pessoa. É capaz de eu saber a data do nascimento do gatinho mais novo da ninhada que a pessoa adotou, e ainda trocar o nome dela.

A forma que encontrei de ligar o nome à pessoa e garantir que não comecem a achar que é desleixo diplomático, foi me lembrar do que é mais fácil para mim: as histórias que elas me contam, pessoais ou profissionais. É como se o nome deles fossem títulos, sabe? Exemplo: a moça que encontro, uma vez por ano, em um evento de música, é a Leila, aquela que faz brigadeiro para vender para a família que é “enooooorme”, e assim espera fazer fortuna. E o Marquinhos, aquele que gosta de colecionar manchetes de jornal do primeiro dia do ano. Ele tem um scrapbook que guarda quase uma década de manchetes.

Há o outro lado da moeda, a outra metade da laranja, o ponto de vista alheio. Desde que me conheço por gente as pessoas trocam o meu nome. Talvez eu não tenha cara de Carla mesmo, pois essa é a desculpa que sempre me dão. O acontecimento é tão constante que, em alguns lugares que frequento, eu parei de corrigir. Sendo assim, sou Marta, Claudia ou, e principalmente, Sandra. Definitivamente, para a maioria o meu nome deveria ser Sandra. A atendente da locadora de vídeos que frequento há quase dez anos aprendeu a me chamar de Carla no ano passado. Demorei a atender por Carla quando ela me chamava. Naquele lugar, eu fui Sandra por muito tempo.

A única diferença entre mim e a maioria das minhas vítimas da troca de nome, e o Sr. Nilson é que eu realmente não me importo. Obviamente, eu adoraria que aquela pessoa que admiro muito, um ídolo até, lembrasse do meu nome. Neste caso, também do sobrenome, para que ele pudesse encontrar meu e-mail no planeta virtual e me escrever, de vez em quando. E seria perfeito se aquele moço, para quem ando lançando poesia no papel, soubesse que o meu nome é o meu nome mesmo. E para os registros, claro, porque ninguém merece ter nome trocado em documento.

Sem contar que, com tantas opções, não há como não me imaginar Claudia: a louca por sorvete em dia de frio. Márcia: a chorona que se emociona com filmes baseados nas obras de Jane Austen. Sandra: a louca por filmes e séries de tevê. Carla: todas as anteriormente citadas, mais algumas outras.


Comentários

Muito prazer, Carla, a engraçadinha. :) Sei não, esse tipo de humor é mais coisa de Suzana. :))
. disse…
Moça...curtir sua crônica,mais fiquei meio perdida.Do professor Nilson(ou Nelson,Ou Wilson?)tu já partiu pra sua sobrinha,e logo em seguida já partiu pra tu...Carla?Sandra?
E o que aconteceu com o professor?
ai ai...sei não...mais acho que essa inconstancia é coisa de Michelle...
:)
:0
Parabéns!:-)
Carla Dias disse…
Eduardo... Prazer e obrigada pelo ‘engraçadinha’. Carla não é engraçadinha, tem humor negro. Concordo com você! Essa crônica é coisa de Suzana.
.
O professor não é o tema da crônica, apenas o que me inspirou a escrevê-la, depois da conversinha com a minha sobrinha. A crônica fala sobre como eu esqueço/troco o nome das pessoas e não me importo quando esquecem/trocam o meu. Vou perguntar pra minha sobrinha o que houve com o professor e depois te conto : )
Agora, Claudia, Márcia e Sandra são nomes que, usualmente, as pessoas usam como se fossem meu, porque esqueceram que o que me cabe é o Carla. Mas concordo com você, há uma Michelle querendo assinar a crônica, mas eu a proibi! Rsrsrs
Obrigada!
Anônimo disse…
Poxa vida, achei alguem com o mesmo problema! o pior troco os nomes dos meus pacientes!!! se começo trocando, ñ tem jeito, vou até o fim, da terapia, trocando!!! Já me irritei com isso, agora levo na esportiva!! Um beijo Sandra!! brincadeirinha... rsrsrs
joão vilhena
Carla Dias disse…
João... A Sandra aqui concorda que chega uma hora que melhor é mesmo levar na esportiva e tocar em frente!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …