Pular para o conteúdo principal

APROVEITE A VIDA, E O CARNAVAL TAMBÉM! >> Clara Braga

Eu tenho os melhores pais do mundo. Sei que essa é o tipo de afirmação que causa controvérsias e sobre a qual nunca vamos todos concordar, afinal, sei bem que não são todos, mas muitos têm certeza de terem os melhores pais do mundo.

Sabemos que existem aqueles pais que não deveriam nem ter colocado filho no mundo, mas tenho muito orgulho em poder dizer que meus pais me ensinaram as maiores e melhores lições sobre a vida e sobre o mundo.

Dentre todas as lições que tive, como por exemplo, a importância de estudar, como devo ser gentil com as pessoas, ajudar quem precisa de ajuda,  etc., tem uma em específico que eu venho aprendendo com o tempo e que eles continuam a me ensinar a cada dia que passa: Aproveite a vida!

Se você gosta muito de algo, tem muita vontade de fazer algo, esse algo não vai fazer mal nem a você nem a ninguém, e você tem condições de fazer, então faça, afinal, você não sabe quando vai ter a oportunidade de fazer de novo.

Foi com esse espírito que quando eu tinha meus onze anos meu pai tirou uns dias do trabalho, pegou um avião comigo e foi ao show do Hanson, que na época era minha banda predileta (graças a Deus, os gostos musicais mudam). Uns dois anos depois, eles voltaram a se apresentar no Rio, e então foi a vez da minha mãe pegar o avião e ir comigo.

Depois, quando meu gosto musical já era um pouquinho mais apurado, eles continuaram me ensinando a aproveitar e fazer as coisas que eu gosto e que me dão prazer. Me levaram ao Rock in Rio e a vários outros festivais que eu não podia entrar sozinha, e ficavam lá, firmes e fortes, até o final.

Mas não foi só em idas a shows que eles me incentivaram. Quando eu fazia ballet, eles estavam lá em todas as apresentações. Quando eu quis estudar fora, eles juntaram dinheiro para que eu pudesse ir. Quando eu quis tocar bateria, eles me colocaram na aula. Quando eu me apresento com a minha banda, eles estão lá dando força. Estão sempre presentes!

E é claro que chega um momento em que os papéis se invertem, e quando eles vão fazer algo do qual gostam muito e têm muita vontade de fazer, é minha vez de incentivar.

Foi aí que eu fui assistir feliz à apresentação de canto coral da minha mãe, fui ver meu pai tocando percussão, e sempre penso que nesses momentos eles estão me dizendo, mais uma vez, "aproveite a vida, não deixe de fazer coisas que te dão prazer".

E como já era de se esperar, nesse carnaval não foi diferente. Desde pequena os escuto, principalmente meu pai, falar que um dia ainda iriam ao Rio de Janeiro para desfilar em uma escola de samba. E então lá estavam eles nessa última segunda-feira de carnaval, saindo na ala "Dona Morte", pelo Salgueiro, com muito mais energia do que eu para curtir o carnaval.

E é assim que eu vou aprendendo, com quem entende da vida muito melhor do que eu, que a vida é isso aí, temos que cumprir nossas obrigações, mas não podemos nunca esquecer de curtir, de nos divertir, de termos prazer, senão todo o resto deixa de ter sentido.

Bom final de carnaval a todos.

Comentários

fernanda disse…
Que legal, Clara. Ainda vou realizar esse sonho também. E, claro, tem que ser no Salgueiro, minha escola de coração. Bjos
Zoraya disse…
Clara, é isso aí, aproveite a vida e os seus pais, gostei muito das liçoes que eles passaram. Vida longa e próspera para todos!
Anônimo disse…
Clarita, adorei a crônica, o carnaval foi muito bom. Se Deus quiser muitos ainda virão. Vamos aproveitar a vida com saúde e responsabilidade!
Beijos da tia Ceiça
Anônimo disse…
É isso aí Clarinha! As obrigações têm que ser cumpridas, mas a vida deve ser aproveitada. E aproveite bastante enquanto as condições físicas permitem!! Salgueiro vice-campeão!!!!!!
Zé, Eliane, Célia e Ceiça

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …