Pular para o conteúdo principal

A MÃE DO TROGLODITA, ONDE ESTÁ? >> Zoraya Cesar

Minha Avó costumava dizer que mesmo a mais cafajeste pessoa tinha nascido de mãe, e não da roseira. E que, justamente por ter mãe, um dia ela voltaria para o caminho do bem.

Eu sempre acreditei na minha Avó, mas agora tenho minhas dúvidas. Como criança teimosa, que quer comprovação da existência do Papai Noel ou do Bicho Papão, eu quero a prova de que toda essa gente por aí realmente nasceu de mãe humana.

Pois não consigo acreditar que haja qualquer resquício de humanidade nas criaturas que, no Rio de Janeiro, surraram um mendigo e também o jovem que tentou impedir o selvagem entretenimento (vocês conhecem essa história, não? O rapaz está com 63 pinos no rosto e talvez perca os movimentos em um dos olhos).

Assim como duvido que sejam humanos os amigos (entre os quais um médico!) que bateu numa moradora de rua; outro grupo que espancou um rapaz por ser homossexual; ou os rapazes que esmurraram uma moça alegando que ela parecia uma prostituta (ah, em prostituta pode bater? Isso é defesa?); os sujeitos que amarraram uma cadela prenhe e a arrastaram pelas ruas; o rapaz que atropelou o filho de uma atriz famosa e fugiu ... Chega. A lista é infindável.

A sabedoria popular costuma qualificar quem tem comportamento cruel como o de alguém que não teve mãe.

Então eu pergunto: essas criaturas tiveram mãe? Alguma que merecesse o título, pelo menos? Que tenha vergonha do desvio de comportamento de seus filhos. Que também esteja atônita e sem entender o que aconteceu, não foi assim que ela os educou, não foi para isso que ela os criou. Se seu rebento nasceu podre, ela não teve culpa, ela fez todo o possível.

Porque parece que a maioria sabe muito bem, sim, os filhos que têm: “Meu filho é muito carinhoso, nunca deu trabalho, não fez nada de errado. Estão querendo incriminar meu anjinho.” E o anjinho dá um beijo na mãe e sai para se divertir. Se o seu conceito de diversão é espancar, atear fogo, roubar, atropelar, matar, os outros que se cuidem para não atravessar seu caminho. O velho (e igualmente asqueroso) “guardem suas cabras que meu bode está solto” foi substituído por “saiam do caminho que meu troglodita quer se divertir”. Que mãe é essa? Onde está o verdadeiro sentido da maternidade?

Há uma profusão de estudos sobre o tema maternidade X vida moderna e outra quantidade enorme de mães que compartilham suas experiências com educação de crianças (como a Kika e a Maria Rachel, aqui do Crônica do Dia, maravilhosas), portanto, não vamos discutir a dificuldade de criar filhos no mundo de hoje, jornada dupla de trabalho, mães solteiras, adolescentes, separadas.

Mas que não se use a desculpa de que “hoje em dia as coisas são diferentes". Claro que são. Ontem é diferente de hoje e hoje é diferente de amanhã. Nada de saudosismos. As mães de ontem tinham de lidar com os problemas daquela época e as mães de hoje com os dessa, e sempre foi assim, sempre será.

E se não falo dos pais, é porque na maioria dos casos (incluindo os de trogloditagem explícita acima descritos) são eles que aparecem para defender os “filhinhos”. E porque geralmente é a mulher quem fica com os filhos quando a família é desfeita. E porque a figura da mãe é emblemática. E porque mãe é mãe.

Então, quero saber onde estavam as mães daquelas criaturas quando, lentamente, ao longo dos anos, seus filhos iam se transformando em monstros?

No entanto, talvez exista uma responsabilidade social a ser dividida com as famílias que geram e nutrem e protegem aqueles neanderthals. Uma culpa social, por permitirmos que eles continuem impunes, em vez de alijá-los da sociedade, enquadrando-os na lei. Por nos juntarmos aos milhares para pular carnaval e organizar blocos, mas não nos mobilizarmos para exigir que professores sejam mais bem pagos, que as escolas tenham condições de complementar o ensino de cidadania que começa – ou deveria começar – na família. Por não nos escandalizarmos mais.

Aliás, essas pessoas têm noção do que é um lar?

Quem sabe minha Avó, em toda sua sabedoria, estivesse errada. Existe quem nasça não de mãe nem de roseira que dá flores lindas, mas do esgoto.

Comentários

albir disse…
Mundo cão, Zoraya. Sem querer justificá-las ou crucificá-las, as mães dos trogloditas muito provavelmente levaram uma pancada na cabeça e foram estupradas para que eles nascessem. E também muito provavelmente ensinaram a seus trogloditinhas a dar pancadas e a estuprar porque são machinhos. Tudo isso entre beijinhos e afirmações de que são muito bonzinhos e fortinhos e bonitinhos.
Mundo cãozinho.
Josiane Caetano disse…
Perfeito o seu texto: como mãe, morro de medo que un dia minha filha se depare com uns " filhos da mãe" deste tipo!
Zoraya, e se você E sua avó estiverem certas? :)
Alexandre Durão disse…
Como não há espaço para comentar adequadamente o conteúdo de sua crônica – duro, realista, que nos força à reflexão – prefiro comentar a forma – enxuta, segura, sem excessos, perfeita. Secura de início da semana saciada por fonte cristalina.
Não é crônica de Carnaval, mas antecipa a Quaresma.
Precisamos, todos, de textos como esse seu.
Beijos.
Carla Dias disse…
Zoraya, parece que intolerância também tem mãe.
Anônimo disse…
Alguns nao nasceram: foram cuspidos.
Zoraya disse…
Oi Pessoal,vamos lá

Albir: pois é, mundo caozinho mesmo. Ainda bem que nem só disso é feito o mundo, sorte nossa.

Josiane: nao se preocupe, sua filha deve estar sendo criada com tanto amor, que só vai atrair pessoas boas em volta dela, e vc terá a alegria de vê-la sempre bem!

Eduardo: como o mundo é multifacetado, provavelmente eu, você e minha Avó estamos certos!

Alexandre: suas palavras, sempre um estímulo doce e positivo.

Carla: ninguém nasce da roseira...

Anonimus: pois é, há mães e mães, mas nao toco mais nesse assunto nao, o pessoal ficou mexido, nao quero ninguem chateado comigo

Marcos:dessa vez livrei os pais, lá no texto eu disse que dessa vez era a hora das mães. Abraços e obrigada
Zô, você já assistiu/leu o "Precisamos falar sobre Kevin"? Tudo, mas tudo mesmo, a ver com seu texto - ótimo, aliás.

Beijo grande!
whisner disse…
Às vezes as mães tentam educar, mas o mundo ensina também e os ensinamentos da sociedade são mais fáceis de se seguir.
Maria Rachel: o romance é fantástico.
aretuza disse…
Curioso como esse assunto rendeu tantos comentários!! acho que todos estamos mesmo cansados de ver tanta brutalidade, tanta falta de roseiras...
bjs
Zoraya disse…
Oi Pessoal!

Rachel, ainda nao li o romance, mas um amigo vai me emprestar,disse que é muito bom, agora mesmo é que fiquei curiosa.

Whisner, acabei de ler o seu De gatos e homens, e adorei. Sorte nossa existirem tantos que defendem o direito dos mais fracos e pregam a boa convivência. E vc tem razao, o maior desafio dos pais é competir com o mundo lá fora.

Aretuza, seus comentários sao sempre positivos, obrigada
Sua crônica é quase um ensaio, totalmente "We need talk about Kevin"...

Ou ainda: "Saiba,
Todo mundo foi neném
Einstein, Freud e Platão também
Hitler, Bush e Sadam Hussein
Quem tem grana e quem não tem..."
[Arnaldo Antunes}
Nilo Sanches Junior disse…
Concordo com a sua colocação da barbárie que os jovens julgam como diversão. De tudo aquilo que falta para que esses ditos jovens tenham a direção da civilidade, uma boa dose de disciplina, é indispensável. Não aplicação de castigo, que acho errado. Aplicação de disciplina diária. Não só na escola, como também nas ruas. O exemplo deve partir de todos.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …