Pular para o conteúdo principal

COLO DE MÃE >> Eduardo Loureiro Jr.

Ah, caro leitor, gostaria de escrever uma crônica que, para ti, fosse como um pesadelo. Que te levasse à infância, ao encontro de teus amiguinhos mais queridos, aqueles capazes de ter dar as maiores menores alegrias e os menores maiores desprazeres. Que te pegasse assim desprevenido em meio a um jogo, uma brincadeira, e te cutucasse a ferida com frases certeiras, daquelas que saem rápidas de alheias línguas afiadas e ficam engasgadas eternamente em tua garganta. Que te deixasse assim sem pé nem cabeça, só coração. Que te paralisasse, que te desmemoriasse, que te batesse, espancasse, mais de 160 vezes por minuto. Que te fizesse esperar, medroso e silente, a poeira baixar só um pouco, e te fizesse vagar, passos lentos, mal despregados do chão, por quarto e sala e quintal e varanda com os olhos afundados na terra.

Ah, caro leitor, gostaria de escrever uma crônica que, dentro da crônica, fosse para ti um chamado, a princípio apenas um fraco sussurro diante de tua surdez ensimesmada. Que pronunciasse teu nome com a doçura do apelido de infância. Que te entrasse nos ouvidos feito o mar que se desentranha da concha, para tua surpresa. Que te fizesse levantar os olhos, embora a cabeça estivesse ainda baixa. Que te levasse a virar levemente o rosto, embora o corpo ainda estivesse arqueado. Que te permitisse reconhecer a voz, ao mesmo tempo em que o vulto, de tua mãe. Que te dissesse, triste contigo, mas com um pequeno sorriso daqueles que guardam uma ou duas surpresas nas dobras do vestido: "Vem aqui para o meu colo".

Ah, caro leitor, gostaria de escrever uma crônica que, nascida da crônica, fosse para ti um sonho, mesmo que a princípio distante. Que duvidasses, mas não muito. Que aprumasses teu corpo com alguma esperança. Que desses pequenos passos na direção do olhar que continuaria te chamando. Que te desse força, mas que te amolecesse os pensamentos, a garganta, o coração. Que te fizesse chegar até o cheiro que tão bem conheces. Que te fizesse balançar e cair suavemente, em câmera lenta, sem gravidade, como uma folha que pousa, cansada de tanta secura, no chão de um pátio. Que te fizesse caber do lado de fora de um corpo dentro do qual já coubeste. Que te aconchegasse num abraço que só pode ser para sempre. E que te fizesse chorar por todos os teus pesadelos não chorados.

Ah, caro leitor, gostaria de escrever uma crônica que te acordasse, ainda soluçando. E que te fizesse dizer, sem palavras mas com o corpo todo: "Obrigado, minha mãe. Muito obrigado.".

Comentários

Josiane Caetano disse…
Como mãe, posso dizer: " Que linda esta crônica!"
Zoraya disse…
Que comovente, Eduardo! Oxalá todas as pessoas do mundo se dessem conta, repentinamente, que Mãe é tudo, antes que fosse tarde.
Grato, Josiane e Zoraya, pelos comentários com jeitinho de colo de mãe. :)
albir disse…
Conseguiu, Eduardo. Pelo menos com este leitor aqui.
Ah, Albir, então era você mesmo o "caro leitor". :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …