Pular para o conteúdo principal

VOAR É PRECISO >> Fernanda Pinho




"Às vezes é bom fazer  o que tiver medo.
Porque dizem que Deus ajuda a quem ajuda a si mesmo".
[Sérgio Britto]

A princípio não significou muito para mim aprender que os seres vivos "nascem, crescem, se reproduzem e morrem". Eu tinha seis ou sete anos e achava que não havia motivos para me preocupar, afinal meus pais ainda não tinham se reproduzido. Mas logo veio o entendimento — que muitas vezes mais atrapalha que ajuda — de que eles não apenas já haviam se reproduzido como eu era o resultado disso. Eu! "Agora eles vão morrer", pensei, alarmada. "Vão morrer e eu serei órfã como o Mário Ayala", concluí já me vendo com o mesmo destino do personagem da novela Carrossel, que vivia sob a custódia de uma madrasta má. Conclusão: toda noite, após a exibição da novelinha, eu chorava de pena do Mario e de medo dos meus pais morrerem.

Foi a primeira vez que fui punida pelo meu medo. Incomodada com meu excesso de drama, minha mãe me proibiu de ver a novela. A parte ruim foi que ficava por fora dos assuntos sempre que meus colegas de escola comentavam o capítulo anterior. A parte boa foi que reprisaram a novela várias outras vezes e, já com mais maturidade, pude acompanhar sem maiores traumas.

Separar a vida real da ficção foi algo que a maturidade não demorou a me mostrar. Por outro lado, foi com muito custo que aprendi que, ao contrário das novelas do SBT, a vida não tem reprise. Se você perde uma oportunidade por medo, é grande a possibilidade de você nunca mais ter outra chance.

Digo que custei a aprender porque sou uma pessoa de natureza fóbica. Sabe esses medos básicos, tipo medo de fantasma, cachorro, barata? Pois é. Tenho todos. O mais grave, porém, é o medo de avião. Nunca deixei de viajar por isso, mas é sempre um sofrimento. Posso passar horas dentro de um avião sem conseguir, um minuto sequer, me esquecer de que estou dentro de um avião. Não tem conversa, filme ou livro que me distraia. Passo o tempo todo monitorando os rostos das aeromoças, procurando algum indício de desespero. Se elas desaparecem por meia hora já imagino que a tripulação está toda reunida na cabine, numa reunião convocada pelo comandante, que prepara sua equipe para a tragédia que está para acontecer.

Por tudo isso, há alguns anos coloquei na minha cabeça que dificilmente viajaria para o Chile por não suportar a ideia de sobrevoar a Cordilheira dos Andes. Porque eu tenho essa coisa idiota de alimentar meu medo consumindo produtos como o filme "Vivos". É só um filme? Sim. Mas baseado na história real do famoso acidente aéreo acontecido nos Andes, em 1972. Para quê, então, sair da minha zona de conforto e me expor a uma coisa dessas? Para molhar os pés nas águas do Pacífico enquanto aprecio o espetáculo de gaivotas e pelicanos? Para comer empanada com refrigerante de mamão? Para visitar a bucólica casinha de Pablo Neruda? Para me encontrar com meu amor e ter uma merecida e antecipada lua-de-mel? Por essa eu não esperava, mas foi o que a vida armou para mim.

Já na volta para o Brasil, enquanto, do avião, eu apreciava a estonteante vista proporcionada pelos Andes, deixei escapar uma lágrima e um sorriso. Uma lágrima de gratidão a mim mesma por ter enfrentado meu medo. Um sorriso de promessa à lindíssima cordilheira: eu voltarei. 

Comentários

Que lindo!! Acho que enfrentar os medos é preciso, descobrimos o outro lado e corremos o risco de gostarmos, como foi seu caso. Lindo!
É, Fernanda, o título do filme não é à toa: aqueles que superam seus medos se tornam VIVOS. :)
Zoraya disse…
Quem enfrenta os medos sempre sai vitorios. às vezes com as pernas bambas e o coração na boca, mas vitorioso. Muito legal!
albir disse…
Que beleza, Fernanda. Não esqueça de nos contar sobre as próximas viagens.
Akina disse…
Fernanda eu faço curso de piloto comercial e posso lhe afirmar que vc estava mais segura do que quando vc dirige e acabam buzinando para vc rsrs.
Flávia Carvalho disse…
Oi Fernanda,
Me vi inteiramente nessa postagem.
Como pode ser tão difícil e ao mesmo tempo emocionante enfrentar um medo?
Acabei de chegar de uma viagem ao Chile e meu medo de avião é simplesmente idêntico ao que vc descreveu.
Portanto não consegui, mesmo com o coração na boca e a adrenalina a mil, tirar os olhos daquela paisagem simplesmente deslumbrante sobre as Cordilheiras.
Só de pensar naquela cena me causa uma ansiedade por dentro.
Porém, mesmo com todo esse medo, prefiro o nervosismo de ter enfrentado do que a tranquilidade de não ter saído daqui.
Abraços

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …