Pular para o conteúdo principal

SEM FANTASIAS, POR FAVOR
>> Fernanda Pinho



Detesto quando preciso me definir. Porque não gosto de perguntas sem resposta ou perguntas com um milhão de respostas. Sei que sou tranquila a ponto de ver o circo pegar fogo ao meu lado e nem me abalar. Mas também sei que sou estressada a ponto de eu mesma tacar fogo em alguns circos por aí. Sei que sou ágil — quase no limite do desespero. Mas posso irritar as pessoas nos meus dias de lentidão. Sou afetuosa, amorosa e paciente. E implicante, chata e intolerante. Sei que tem gente que me acha uma palhaça. E outros que me acham uma bruxa. Não posso discordar de ninguém. Sou tudo isso mesmo. Só não sou volúvel. Quer dizer, sou sim. Ou melhor, não sou não. Ah, sou volúvel, sim. Ou não? Sei lá. Acho oscilar a coisa mais humana que existe e desconfio muito de quem é do mesmo jeito o tempo todo.

Sério. Me sinto muito mais segura ao lado de gente que reage (aqueles que choram, se irritam, ficam bravo, têm ciúmes, preguiça, TPM) do que dos inabaláveis. Porque quem reage é transparente, está sem máscara. Enquanto os outros escolheram uma fantasia bonitinha e vão vivendo egoistamente, sem deixar que ninguém os conheça de verdade. A troco de quê? Não sei. Nunca consegui invadir a alegoria de um desses para perguntar.

Prefiro conviver com as várias "eus" que existem dentro de mim a sustentar uma única farsa. Dá trabalho demais e nem nos mínimos detalhes eu dou conta. Tenho um exemplo bom para isso. Certa vez, fui convocada para uma reunião de trabalho que tinha como objetivo questionar meu jeito de ser. Pois é. Diante da impossibilidade de apontar falhas no meu trabalho, que sempre foi feito com muito rigor, levantaram uma falha no meu comportamento. Qual falha? Tenho até vergonha de repetir isso, mas já que eu comecei vou terminar: eu não estava mandando BEIJOS no fim dos meus e-mails. Sim, não precisa voltar ao início do parágrafo. Você não leu errado. Não estou falando de namorado/amiga/mãe. Estou falando de pessoas com as quais eu me relacionava estritamente no campo profissional e me achavam antipática porque eu não mandava "beijos". Mas é claro que não! Meus beijos são muito caros para eu gastar com qualquer um. E, ora essa, eu sei me comportar. Um "atenciosamente" encerra um e-mail de trabalho muito bem e obrigada.

Naquela ocasião eu senti uma indignação tão grande que tive vontade de chegar lá no outro dia com uma comitiva. Queria levar meia dúzia de amigos pra dizer o quanto eu sou divertida e capaz de fazê-los rir. Queria levar minha mãe pra dizer que nunca fiz uma mal-criação. Queria levar o Dudu, meu primo de seis anos, pra dizer que eu sou a adulta preferida dele. E a Maria também, para contar das historinhas que a gente inventa juntas. Mas foi uma vontade passageira, porque então me toquei de uma coisa. Eu não precisava provar para ninguém que eu podia ser doce e meiga. Quem precisava saber disso, já sabia. Aquelas pessoas só precisavam saber que eu era responsável, comprometida e muito séria na minha vida profissional. Eu não iria vestir a fantasia da palhacinha amorosa no trabalho.

Forçar um comportamento é uma conveniência que não é para mim. Acho que quem gosta de se fantasiar deveria aproveitar que o carnaval está aí para se esbaldar. Mas na quarta-feira de cinzas, é mais elegante deixar a fantasia de lado. Porque, veja o óbvio, uma máscara pode até esconder quem você é de verdade. Mas todo mundo está vendo que você está de máscara. E isso é ridículo.

Beijos. 

Comentários

Solom ;) disse…
Os "eus" são necessários. Muito bom Fernanda!
Laísa Duarte disse…
Moça,muito bom!
albir disse…
Além de ridículo, o mascarado nem consegue ser gostado. Gostar de quem? Da máscara, ou daquilo que não se vê?
Zoraya disse…
Conviver com os vários "eus" é um aprendizado e tanto, vale uma vida inteira. E viver sem máscaras nao é pra qualquer um nao. Adorei o fecho!
Zoraya disse…
Conviver com os vários "eus" é um aprendizado e tanto, vale uma vida inteira. E viver sem máscaras nao é pra qualquer um nao. Adorei o fecho!
Carla Dias disse…
Fernanda... É complicado quando você precisa lidar diariamente com quem adora uma máscara. E fico feliz em ver que você não coloca uma para apreciação alheia. Além do mais, acho que seus colegas de trabalhos estavam mais carentes do que profissionais nesse dia de reunião.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …