Pular para o conteúdo principal

ENCONTROS COM A CO-OPERAÇÃO
[Heloisa Reis]

Não serei o poeta de um mundo caduco. Também não cantarei o mundo futuro. Estou preso à vida e olho meus companheiros. Estão taciturnos mas nutrem grandes esperanças.
“Mãos Dadas”, C.D.de Andrade



Muito tem me (pre)ocupado a dificuldade de se estabelecer um processo interativo entre pessoas que habitam uma mesma rua. A proximidade física não tem sido suficiente para que se desenvolvam projetos e objetivos comuns dentro do conceito de cooperação.

Por que será?

Acho que para que essa interação se desenvolva é preciso que se veja o outro como uma totalidade. Facilitaria se soubéssemos sobre seus traumas, seu passado, as causas de sua felicidade e mágoas; se conhecêssemos suas virtudes e defeitos. Mas a vida nas cidades leva ao fechamento não só dos portões, mas também da alma entre as pessoas...

De fato observo que pode até haver cooperação entre vizinhos quando há um objetivo comum, uma reclamação contra um terceiro, ou um problema que afeta a ambos... mas sempre algo específico e momentâneo. O processo é curto e temporal. E saber da vida dos outros tornou-se algo condenável, nivelado com a fofoca e com a nada recomendável trama das novelas onde abundam situações de conflitos e disputas não raro com cenas deploráveis de agressões e xingamentos. Nada disso traz este desejável espírito de cooperação.

A competitividade continua a ser objetivo de muitos, quando, para que se faça um trabalho cidadão por exemplo, ela é totalmente dispensável. Egos e prevalência de algumas iniciativas em detrimento de outras apresentadas por diferentes pessoas podem e devem entrar em acordos que visem o benefício comum. O que poderia acontecer se a cooperação desaparecesse e apenas ficasse a competitividade? Guerras, muitas mais, sem dúvida.

Estamos no século XXI, podendo deixar para trás os conceitos dos séculos passados nos quais vimos predominar o espírito guerreiro nas disputas por conquistas de territórios e riquezas. Não estamos mais em situação de buscar acúmulos e privilégios. A vida no planeta nos aponta uma direção inexorável: ou nos unimos na busca das soluções ou simplesmente desapareceremos.

A nação é formada por instituições organizadas, das quais fazem parte grupos de pessoas que estão na base e são a essência do tecido que compõe a sociedade. É o indivíduo o sujeito da ação primeira e a ele cabe despertar para a eficácia da cooperação com seu vizinho. Mas o individualismo que hoje prevalece precisa ser superado pela busca de resultados efetivos na solução de problemas, na harmonização de conflitos e na realização de metas.

Como?

Sem dúvida no desenvolvimento da noção de Cooper-ação. Nas nossas necessidades estamos todos interligados: precisamos de quem planta e cultiva nossa comida, de quem a industrializa, distribui e faz chegar às prateleiras do mercado. E ainda do lixeiro que passa em nossa casa e recolhe os restos inúteis do que consumimos. Somos interdependentes até mesmo das decisões políticas das quais muitas vezes não queremos nem saber.

E somos seres em constante transformação. Observar as transformações à nossa volta passa a ser um grande exercício quando decidimos lançar um olhar além de nossos muros para enxergar verdadeiramente a necessidade do outro que também é nossa.

Conseguiremos combater a corrupção de que tanto nos sentimos reféns, e a violência, e a tendência ao uso de entorpecentes quando verdadeiramente nos sentirmos unidos na possibilidade de estabelecer encontros de almas que busquem a construção de um mundo pleno de valores positivos.

Co-operando, não acha?


* Heloisa Reis é ativista e colaboradora de diversas entidades ambientalistas que atuam na Região Oeste da Metrópole de São Paulo.

Comentários

Vicente Lima disse…
Os dias passam ás pessoas vão e vem, mas o pecado do homem é velho, e torna-se imutável depois da infância.
Mesmo que organizadas com perfeição, suas palavras iram atingir poucos, e sei que sabes disso.
Porém, peço sempre ao mestre pra que pessoas como você nunca parem de escrever, e tenham uma big family, para poder passar uma ideologia de paz, diferente da ensinada pelo networking.

Obrigado, por sua crônica.
Zoraya disse…
Heloísa, parabéns por trabalhar em causas nobres, muito obrigada. Despertar o instinto de cooperação é realmente muito difícil,pois todos estamos muito entranhados no nosso umbigo. Sei como é, trabalho com gestao ambiental na minha empresa e tenho de convencer as pessoas a jogar o lixo no lugar certo. Aproveitando o comentário do Vicente, espero mesmo que o Grande Mestre abençoe todos vocês, que lutam por nós
Heloisa, você já leu algo sobre Economia do Presente (Gift Economy)? Traz umas boas ideias sobre essa questão.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …