Pular para o conteúdo principal

VIDA DE VIÉS >> Carla Dias >>

Desafio-me a pensar sobre o que jamais pensaria estivesse lidando com a rotina emocional, enquanto desejo apenas o que venho desejando há tempos, nada além. Como mostra uma canção que frequenta o meu gosto, estou presa em um momento, em um cenário, e sequer sabia que poderia escapar da armadilha que ofereci a mim mesma. Eu não conseguia sair do lugar, mas porque não conhecia a possibilidade de migrar da minha realidade, ela absorvida por automático cumprimento de tarefas, para dias mais afortunados. Felizes, até.

Às vezes, olho para os outros, em seus afazeres cotidianos, seus trabalhos, suas vidas organizadas ou completamente caóticas, e me imagino vivendo aquilo que eles vivem, apenas para analisar se seria possível eu ser outra que não esta. Mas a verdade é que, normalmente, sinto-me alinhada à coerência das minhas buscas, que são simples na teoria, mas que podem se tornar um tanto complexas na execução. Sendo assim, ao acordar de mim, envolvida em uma elucubração que me permite um primeiro movimento para quebrar a estagnação, percebo que a pessoa que desejei construir está em reforma, antes mesmo de a construção ser finalizada.

Mas há quem diga que assim é a vida: de viés.

Aprender a possibilidade de transformação, através do eco das minhas erradas, não tem sido acolhedor, nem mesmo quando discuto o assunto comigo mesma, em tom filosófico. Não há máscaras que realmente disfarcem as derrotas em batalhas adquiridas em prol dos planos predeterminados para fazer acontecer a vida, de acordo com as minhas determinações, e não para serem mutáveis e construir opções capazes de enveredar pelo desconhecido. E por isso, acabo por remoer desacertos como quem os coleciona, porque a minha transformação vem de encontro ao direito, recentemente adquirido pela minha pessoa, de flexibilizar o que, antes, parecia-me definitivo.

E fragilizar sem a certeza de que, ao fazê-lo, torno-me adepta da covardia de não levar adiante os meus planos de vida, de acordo com o manual de instruções de minha autoria.

Neste momento, sinto que tais planos apenas me levaram a esmerar em cuidar do futuro que imaginava, sem que eu pudesse dialogar com as surpresas. Agora, chega-me a constatação de que surpreender-se faz parte de um plano maior, que não sei de onde vem ou aonde me levará, mas que, quando me permito pensar a respeito, em tom metafísico, mostra-se imprescindível a qualquer um que abrace a vida, e suas pompas e desapontamentos.

Apesar de me aborrecer com as surpresas nem sempre bem vindas, considero-me uma nova discípula da arte de permitir-se a descoberta. Ainda não sei se gosto ou não disso e daquilo, sequer se esbarrarei com a tristeza de não ter realizado o que desejava, ou com a alegria de ter alcançado o possível. Ainda estou aprendendo quem posso ser sob o olhar do indefinido. E talvez eu navegue pelos mares ou aprenda a cozinhar, escale prédios e me torne empresária de sucesso, ou dona de cafeteria, revistaria, padaria, pet shop ou shopping center, anfitriã de almoços oferecidos aos amigos. Quem sabe o meu mérito esteja nas artes, na alegoria da poesia – concreta ou indiscreta – ou na prosa, na crônica insinuada com crueza, mas alegria. Ou no erotismo da catarse emocional, quando beijos não são apenas beijos, mas descobertas, e as velas são verdadeiros faróis para a alma encontrar o desejo.

Quem sou: em construção.

STUCK IN A MOMENT YOU CAN'T GET OUT OF - U2



Imagem © Cristiane Zamora


Comentários

Carla, às vezes tenho a sensação de que toda a nossa geração está "em construção". :)
albir disse…
Carla,
acho que estamos todos sempre em construção."Estou construído" sugere declaração póstuma. O máximo que podemos dizer é "já fiz algumas coisas", porque até afirmar que foi muito ou pouco é temerário.
Carla Dias disse…
Eduardo... Também penso assim, às vezes. Outras vezes, acho melhor desconstruir e começar de novo, e acabo acreditando a construção é eterna.

Albir... Acho que a minha mensagem póstuma será sobre a falta de tempo em terminar essa construção, que se transforma em reconstrução, em vida.
Carla Dias disse…
Obrigada, Andressa :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …