Pular para o conteúdo principal

BICUDOS >> Albir José Inácio da Silva

Compartilho da ojeriza deste início de século para com os poluidores. Desde medusas multinacionais e ditadores medievais, que nos oferecem imagens de pássaros agonizando em betume; passando por governos ditos civilizados, que se negam a firmar compromissos sobre emissão de gases; até irresponsaveizinhos de todas as idades que jogam lixo nas ruas sabendo que vão entupir bueiros e emporcalhar rios, lagos e oceanos. Abaixo os poluidores.

Mas há um tipo de poluidor que tem merecido injustificável tolerância, comprometendo o bem geral e a felicidade da nação. É o de maus bofes, o bilioso, o colérico. O que se identifica como não tendo papas na língua e para quem o buraco é mais embaixo. O que declara que sua educação é condicional, ou seja, depende da dos outros. O que se justifica de maneira determinista, dizendo que aquele é o seu temperamento e que nada pode fazer, os outros que aguentem. Suas vítimas reagem como podem, tardiamente, já que ninguém espera dentes tão afiados em humanos.

Esse agente da poluição prima pela formalidade e rege-se pela etiqueta. Dá bom-dia como se fosse um favor; pede licença como se fosse obrigação calar ou afastar-se diante dele; agradece como se estivesse sendo generoso com os servos. Entende por civilidade apenas cumprimentos e congratulações, como se assim pagasse seu tributo à educação, podendo a partir daí escoicear qualquer um que discorde da sua opinião, não atenda prontamente às suas demandas ou tenha a ousadia de lhe contrariar os interesses.

Por acaso grosseria não é poluição? Mal educados estragam menos o ambiente? Suas presenças não tornam irrespirável a atmosfera a sua volta? Não provocam debandada de pessoas e silêncio constrangedor? Os presentes não perdem a espontaneidade diante dessas malas sempre prontas a explodir?

As malas se explicam dizendo que só falam a verdade e por isso incomodam. Mas por que não guardam suas verdades para seus terapeutas e confessores, e tratam os demais com urbanidade? Se precisam agredir alguém, por que não batem suas cabeças na parede – de preferência na sua própria para não estragar a pintura de ninguém?

Às vezes dá pena, porque o que eles fazem quando abrem a boca é uma péssima propaganda de si mesmos. Mas é uma pena conformada, como a que dedicamos ao cachorro louco que precisa ser sacrificado.

O que mais incomoda no comportamento dos trogloditas é o fato de não se suportarem uns aos outros. Tudo estaria bem se eles se gostassem. Reuniam-se, trocavam patadas, “verdades” e outros afagos, ficavam felizes e deixavam em paz o resto da humanidade. Mas não se toleram e ainda esclarecem que dois bicudos não se beijam. Querem bicar inocentes, que não compartilham sua bile, tatuando-lhes ferraduras no peito.

Abaixo os poluidores! Todos!

Comentários

Albir, grato por me fazer pensar que tal comportamento é uma espécie de poluição. Bela sacada!
albir disse…
Paula,
obrigado. Volte sempre!

Edu,
poluição com efeitos imediatos: irritação, taquicardia, depressão etc.
Zoraya disse…
Albir, puxa, as ideias estão no ar mesmo, só agora vi que vc também usou o termo "trogloditas" (mas peço desculpas assim mesmo, afinal, deixei passar uma crônica sua!). Adorei a associaçao de mal educados com poluidores. Esse comportamento polui mesmo o ambiente astral. Vamos limpar os poluidores com água sanitária e a poluição com água benta.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …