Pular para o conteúdo principal

VAMOS DIRETO AO BRÓCOLIS >> Carla Dias >>

“O corpo deseja aprender porque ele precisa viver.”
Rubem Alves, no programa Provocações

Fosse eu mestra em energia, aquela que um e outro costumam dizer que temos de manter “boa” para que a vida aconteça bem, alegaria que nós, os adultos vigentes, somos péssimos em direcioná-la. Isso porque andamos com mais facilidade em direcioná-la ao que realmente não importa, em vez de pensarmos um pouco e descobrirmos que há mais importância em dedicá-la ao que pode mudar positivamente a vida. E nem sempre apenas a nossa, mas também a de outros.

A filha, lá com os seus onze, doze anos de idade, vem defendendo – ardorosamente, e com uma boa dose de cara feia, diante da negativa da mãe – que, quando crescer, será celebridade. “Olha só que livro bacana que eu comprei pra você, filhota!”, e a filhota faz bico pra mãe, porque ganhou livro, em vez de um book (ironia!): uma coleção de fotos dela vestida feito gente grande, a chance de ela de se tornar uma das candidatas a reality show, para o que vem treinando a vida inteira. “Até parece que você não quer que eu faça sucesso, manhê!”, a menina grita e chora, ao mesmo tempo, enquanto a mãe se afasta, para não ter de lidar com a situação.

Vivemos uma realidade na qual as pessoas acreditam que ser celebridade é profissão, e meninas sonham em ser mulher-fruta, os meninos acham bacana que elas sejam mulheres-frutas, mas não para casar, afinal, homem não casa com fruta, não é mesmo? Certas coisas continuam iguais desde o desde sempre, mudando somente a versão. O que não nos impede de lamentar quando uma mulher disputa com a outra a posição de “miss bumbum”.

Lembro-me de um comercial – mas não do produto – no qual um menino de seis, sete anos de idade, inferniza a mãe no supermercado, como os filhos de muitas de nós, que adoram um docinho que tentamos evitar que eles consumam demais. Neste caso, o menino sapateava porque queria que a mãe levasse brócolis para casa. O slogan era “essa criança não existe”.

Vamos pensar que a educação seja o brócolis, um alimento saudável, mas para o qual a maioria dos políticos torcem o nariz. Não interessam os benefícios que o brócolis ofereça, alimentar a educação com fast food engorda os bolsos de alguns e mantém o brasileiro intelectualmente defasado, ou seja, um povo na medida certa para ser ostensivamente manipulado.

Você deve estar se perguntando o que birra de menina, mulher-fruta, miss bumbum e homem que não casa com fruta tem a ver com brócolis. Eu posso garantir que tem muito a ver.

São frequentes as notícias sobre hospitais nos quais faltam médicos. Ouvi até falar de um médico e uma enfermeira que cuidaram de mais trinta pacientes da UTI, em uma noite, o que não deu muito certo. Prometeram contratar médicos urgentemente lá no hospital. Contrataram? Não sei, mas há muitos médicos trabalhando em situações críticas e por um salário irrisório, no Brasil. Sendo uma profissão tão importante, afinal todo cidadão necessita de atendimento médico, deveria também oferecer condições dignas de trabalho e atrair mais estudantes.

E o pior é que isso não é segredo. Todos conhecem a equação e o resultado dela.

A educação é o nosso brócolis. Todos sabemos que fará bem ao nosso futuro, que garantirá que nos tornemos cidadãos esclarecidos e, certamente, despertará o interesse de muitos por profissões que podem até não envolver celebridade, tampouco garantir a entrada em reality shows, mas certamente são muito mais importantes para a nossa existência. Com ela em boa forma, a menina terá a opção de estudar moda, por exemplo, ou até se interessar pela medicina. As frutas continuarão nas bancas da feira e dos supermercados, frequentarão tortas e enfeitarão as nossas mesas, além de nos alimentar. E em vez de mulheres-fruta, teremos mulheres brilhantes na música, no cinema, na política, e por aí vai. Teremos pessoas capazes de se defenderem intelectualmente da manipulação.

Também os professores são necessários para a formação de qualquer cidadão. Essa profissão tem de ser tratada com a importância que lhe cabe, não sendo aceitável professores que não se importem com o que ensinam aos seus alunos.

Agora, é preciso mudar o slogan para “essa criança existe, e está escrevendo a nossa história”. Para tanto, em vez de nos esgotarmos em contras, precisamos passar a cultivar o "a favor". Precisamos permitir que o desejo de aprender seja atendido por uma educação que não seja a decorada e falida. É preciso que a inspiração aflore, que os professores sejam guias no aprendizado de seus alunos, que os acompanhem em uma jornada na qual a curiosidade levará às descobertas, ao aprendizado. Então, adultos e pensantes, eles poderão trocar o canal da televisão quando o programa for ofensivo, até que a existência do mesmo se torne completamente desnecessária. E o respeito com o qual tratarão a si e aos outros será capaz de construir uma sociedade na qual as suas escolhas não levarão à degradação intelectual, mas sim a mais curiosidade, outras descobertas, ao aprendizado.

Então, sapateiem e exijam o brócolis.

Trecho da participação do educador Rubem Alves no programa Provocações da TV Cultura;

Comentários

Carla, grato por esse papo-cabeça, melhor dizendo, por esse papo-corpo, que veio acompanhado do sempre inspirador Rubem Alves.
albir disse…
Carla,
esqueci o nome do filme, mas era uma conversa amigável entre um cristão e um monge oriental. E o cristão dizia: - mas eu não acredito em reencarnação! E o monge retrucava: - claro que não, como você poderia acreditar?
Quantos pais conhecemos que gostam e consomem brócolis? Quantos professores gostam de arte e literatura? Como um garoto pode não gostar de hambúrger, novela e refrigerante?
Texto primoroso, como sempre. Beijos.
Carla Dias disse…
Eduardo... De nada! Eu que agradeço pelo tempo dedicado à leitura das minhas ideias, que sempre apreciaram Rubem Alves.

Albir... O bom do não gostar é que ele pode se transformar em gostar. A grande sacada é que experimentemos o aprendizado, a consciência sobre o que tem tudo pra nos fazer bem. É um jeitinho de sermos bondosos com as pessoas que nos tornamos no decorrer da vida.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …