Pular para o conteúdo principal

A VIDA EM UMA REPÚBLICA >> Whisner Fraga

Com dezesseis anos, eu tinha o sonho de sair de casa, morar sozinho, ou pelo menos longe da família. Não que não gostasse de meus pais, nada disso, mas sentia que precisava de um pouco mais de liberdade do que o quarto compartilhado com dois irmãos me propiciava. Depois, não era somente isso, eu queria cursar uma engenharia que as universidades de minha cidade não ofereciam à população. Naquela época, eu não queria cursar Letras ou Artes ou Pedagogia, porque tinha uma visão meio limitada e imaginava que ganharia dinheiro apenas se me tornasse engenheiro. Some-se a isso um certo nível de fobia social e considerei que me daria bem com máquinas, de forma que não me restava dúvida: deveria encarar a Engenharia Mecânica.

Com dezessete anos, meu sonho se realizou e me mudei para Uberlândia. Morar sozinho era impossível, pois meus pais não financiariam essa loucura. Só que não pensei que ia parar numa república com tantos moradores. Éramos oito. Tudo bem que dividíamos um apartamento de quatro quartos, mas a sala, a cozinha e a copa eram minúsculas. Podia-se perceber que o projetista foi obrigado a gastar boa parte da área disponível com os dormitórios. E tínhamos um único banheiro à disposição. Evidente que só sobreviveríamos se fôssemos organizados: as refeições eram feitas em dois turnos, pois a mesa comportava somente quatro de nós de cada vez. Cada um tinha um horário para o banho, que devia durar, na pior das hipóteses, quinze minutos. Havia uma tabela afixada na geladeira e todos a cumpriam, mais ou menos. Claro que imprevistos, como dores de barriga, causavam dores de cabeça, mas quem disse que a vida é fácil?

Quatro eram de Ituiutaba, dois até hoje não sei de onde vieram, um saiu de Campinas e outro de Feira de Santana, na Bahia. Um ituiutabano atendia pelo apelido de “Gordinho”. Ele não gostava, claro, da mesma forma que eu não curtia quando me chamavam de “Zamis”, mas não estávamos ali para gostar de alguma coisa, certo? A universidade nos ensinava isso. Devíamos cumprir as ementas, obedecer regras, tentar ser aprovados em todas as disciplinas e era isso. Se no meio disse surgisse alguma coisa divertida, era lucro.

Para economizarmos o dinheiro da passagem para casa e, em consequência, termos o que gastar nos botecos de nossa cidade no final de semana, íamos para a pista pedir carona. Às vezes íamos em dois ou até em três, mas quase nunca foi uma boa estratégia, porque os motoristas só davam carona para um. Eles gritavam, sem pudor: “só um”. Tirávamos a sorte para ver quem ia. Geralmente dava certo, a despeito dos xingamentos que o sorteado ouvia a caminho do carro ou caminhão que parara. A volta era mais complicada, pois o fluxo de carros no sentido Ituiutaba – Uberlândia era pequeno. Parecia que todos iam para Ituiutaba e não voltavam. Aí eu levanto a questão: por que Ituiutaba não crescia?

Certa vez, conseguimos pegar os três uma mesma carona. Um caminhoneiro. Foi um milagre. Então, combinamos de voltar juntos, para Uberlândia, de ônibus. Voltamos. Aí naquela semana aconteceu algo engraçado. Sempre levávamos alimentos de casa, normalmente guloseimas, algo que não podíamos comprar com o orçamento racionado de estudante. Nessa semana, levei um pequeno pote de doce de leite, que se esgotou rapidamente. Muito mais rapidamente do que eu esperava, o que significava que estava dividindo meu doce com alguém. Era chato isso, porque, em oito, não podíamos nos dar ao luxo de dividir tudo. Então, não dividíamos nada. Quando alguém ia comer algo, se não fosse adquirido em conjunto, comia sozinho, não oferecia a ninguém e ninguém pedia.

Solicitei uma reunião com todos, pois achei incômoda a situação. Os oito lá, contei que alguém estava pegando o meu doce, que, pelas minhas contas, devia dar para três semanas e durou apenas uma. Então acrescentei que, se o culpado não se entregasse, eu já ia avisando que, a partir daquele dia, ia filar doces, bolachas, o que quer que encontrasse pela frente e que não fosse meu. A ameaça assustou os presentes. Então, o Gordinho falou: não fui eu não, porque eu não gosto de doce de leite. A questão é que eu não havia falado, em nenhum momento, que o danado era de leite e, era impossível, só de olhar para o pote, descobrir isso, pois não havia nada que o identificasse. Podia ser de leite, de tamarindo, de banana, de um monte de coisa que, cozida com açúcar, ficasse marrom, de modo que foi assim que descobri com quem havia partilhado o meu doce.

Comentários

Ô Whisner, dá um desconto pro Gordinho. Sem ele, não haveria história. :)
Carla Dias disse…
Ah, quando a pessoa tem jeito pra entregar o outro, não há quem impeça. Ele te deu outro doce de leite?

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …