Pular para o conteúdo principal

VESTIDO DE NOIVA [Carla Cintia Conteiro]

“Estou realizando meu sonho”, ela me disse com um daqueles sorrisos que rasgam a cara das criaturas felizes de orelha a orelha, enquanto me entregava o convite. E completou: “Você sabe, né? O sonho de toda mulher é casar na igreja, de véu e grinalda...”. Fiquei olhando para ela com ar estupefato. Não queria jogar água naquela alegria toda, mas ou ela estava redondamente enganada ou eu não era uma mulher. E estava perfeitamente segura então, como ainda agora, de que sou uma filha de Eva.

Verdade que eu conheço alguns casos de mulheres que cometem as insanidades mais absurdas para fisgar um marido e seguir o roteiro que culmina com o desfile diante de todos os familiares e das amigas “invejosas” rumo ao altar. É fato também que algumas pessoas se apaixonam tanto pelos preparativos para a cerimônia que não apenas relegam o pobre do noivo ao papel de coadjuvante, mas, cumprido todo o ritual, elas se surpreendem com um homem ao seu lado e não sabem o que fazer com aquela companhia sobre a qual não haviam pensado. Sim, já vi casamentos terminarem na lua-de-mel por conta disso.

Olhava para a minha amiga, feliz com a felicidade dela, mas incapaz de exercer a empatia com seu sentimento de grande vitória e conquista. Àquela altura, já na segunda união, eu jamais cogitara algo além de cartório e um brinde simples com as pessoas mais chegadas na sala de casa mesmo.

Talvez fosse coisa de família. Nenhuma das minhas duas irmãs jamais entrou paramentada em igreja. Minha mãe, numa época em que as alternativas para uma moça decente eram poucas, até vestiu branco e flor de laranjeira, mas também numa produção de baixíssimo orçamento, apenas para os mais íntimos. Preferiu usar a verba para incrementar a vida nova. Não termos uma religião definida pode ser também um fator determinante para esse desapego com os cerimoniais litúrgicos.

Outro dia, olhando um álbum de família, me deparei com uma foto onde eu aparecia numa festa junina vestida de noivinha. Será que foi por isso que eu desencanei do “grande sonho feminino”? Aos oito anos, eu já tinha experimentado a sensação, mesmo que num faz-de-conta.

Fiquei lembrando daquela situação numa escola pública, numa cidade estranha. Minha timidez infantil em ambiente escolar se transformou praticamente em mutismo e isolamento. Fui escolhida para ser a noiva por minhas boas notas, por ser alta e fazer um bom contraste com um noivo bem baixinho e para alavancar minha vida social escolar. Funcionou até certo ponto. As meninas realmente vieram puxar conversa comigo e mineiramente perguntavam: “Seu pai mexe com o quê?”. Mas não ficaram lá muito satisfeitas quando descobriram que a única negra da turma era também a única filha de doutor.

É, nunca fui boa em me encaixar em modelos, em padrões, no que as pessoas deduzem a meu respeito à primeira ou mesmo segunda vista. Sinto muito por aqueles que precisam de seus escaninhos mentais para classificar as pessoas. Lamento por aqueles que pautam o mundo pelos seus gostos. Tenho más notícias para eles.

Comentários

Também sou da turma difícil de encaixar em modelos, Carla Cíntia. :) Mas a vida aos pouquinhos vem ficando mais fácil pra nossa turma. :)
Heloisa disse…
CC, aos poucos, muitos aos poucos , as coisas mudam...adorei a crônica!
albir disse…
Agora fica mais fácil, já que o que era excessão se aproxima numericamente do que era regra.
Carla Dias disse…
Ah, eu compreendo muito bem essa sua posição a respeito das coisas da vida. Eu sei que aprendemos com o tempo que passa e o monte de acontecimentos catárticos que chegam junto. Uma bela crônica sobre a beleza de ser.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …