Pular para o conteúdo principal

2012: O JOGO E SUAS REGRAS
>> Eduardo Loureiro Jr.

A editora de jogos CRESÇA 
tem o prazer de apresentar as regras 
do mais aguardado jogo dos últimos tempos...


2012: O FIM OU A ETERNIDADE?
7 bilhões de jogadores, de 0 a 115 anos

Segundo registros de uma antiga civilização, o mundo em que vivemos acabará em 21 de dezembro de 2012. A Terra, como a conhecemos, será devastada por catástrofes naturais e a humanidade não sobreviverá. Estará mesmo o destino de nosso planeta determinado por um velho calendário Maia? Podemos fazer alguma coisa para mudar o rumo dessa trama? Há como salvar o planeta ou salvar a nós mesmos? Será possível sobreviver com um mínimo de baixas? Descubra por si mesmo, ou melhor, junte sua turma e venha solucionar o enigma de 2012.

COMPONENTES:
- Um gigantesco tabuleiro tridimensional magnético, em forma de esfera, representando o planeta Terra, de superfície modelável e em cujo interior há um relógio com mecanismo de autodestruição. Há ainda dois botões, um no polo superior e outro no polo inferior da esfera.
- 7 bilhões de pequenos peões imantados, representando os habitantes do planeta.
- 20 cartas referentes a arquétipos ou imagens primordiais: a Grande Mãe; o Velho Sábio; o Herói; o Si-mesmo; a Morte; o Guerreiro; a Amante; o Louco; a Sacerdotisa; o Eremita; o Mestre; o Diabo; o Órfão; o Salvador; a Cobra; o Leão; a Fênix; o Sol; a Lua; a Esperança.
- Ilimitadas cartas em branco, a serem preenchidas pelos jogadores.

OBJETIVO DO JOGO:
- Fazer com que todos os habitantes convivam em harmonia entre si e com o planeta.

PREPARAÇÃO:
1. Cada jogador coloca seu peão sobre o tabuleiro no local e da maneira que achar mais conveniente.
2. As cartas de arquétipo são embaralhadas e, com a face voltada para baixo, oferecidas a cada jogador, que pega uma das cartas, vira-a apenas para si, memoriza seu conteúdo e a coloca novamente no conjunto de cartas, que é oferecido ao jogador seguinte até que todos tenham escolhido e memorizado uma das imagens primordiais.
3. Cada jogador pega de uma a três cartas em branco e a(s) preenche (com texto e/ou desenhos) com características que utilizará durante o jogo.
4. O relógio é configurado para 1º de janeiro com data de autodestruição definida para o dia 21 de dezembro.

SEQUÊNCIA DE JOGO:
Os jogadores cujos peões estiverem posicionados mais a leste da esfera dão início ao jogo. Os demais seguem em sequência. As jogadas são feitas simultaneamente, devendo cada jogador descansar durante um terço do tempo de jogo, em intervalos regulares, a cada vez que o relógio mudar de dia. Na sua vez de jogar, cada jogador pode realizar as seguintes ações:
1. Relembrar sua carta-arquético.
2. Escolher qual, ou quais, das suas cartas autopreenchidas utilizará naquela rodada.
3. Mover-se para onde desejar.
4. Modelar a superfície da esfera da maneira como pensa que trará mais harmonia para o jogo.
Durante qualquer das ações acima, o jogador poderá interagir livremente com outros jogadores.
Ao final de suas ações, antes de descansar, cada jogador deve indicar seu grau de satisfação com o jogo até então. Caso se sinta em harmonia com os demais jogadores e com o planeta, deve apertar o botão superior; caso esteja desconfortável e pessimista quanto ao andamento do jogo, deve apertar o botão inferior. O mecanismo interno da esfera recalcula, após cada jogador pressionar um dos botões, o ritmo em que o jogo prosseguirá. Quanto mais jogadores pressionarem o botão superior, mais lentamente o tempo passará; quanto mais jogadores pressionarem o botão inferior, mais rápido os dias mudarão.

O FIM DO JOGO:
Como se trata de um jogo marcadamente cooperativo, ou todos perdem ou todos ganham.
Os jogadores perderão a partida se o relógio chegar ao dia 21 de dezembro. Haverá uma grande explosão e a esfera se autodestruirá, derretendo todos os peões.
Os jogadores ganharão o jogo se, apertando todos o botão superior, interromperem a passagem do tempo, mantendo-se num constante presente, atingindo assim a vida eterna.

Boa diversão!

Comentários

Eduardo,
quando leio você, só me resta apertar o botão superior contínuas vezes.
Denise disse…
Edu, você é genial! Espero que cresçamos o bastante para acionar o botão superior. Beijo
Alba Mircia disse…
Que lindo, Querido! A ideia e sua transcrição na esperança de aprendermos a colaboração!
Anônimo disse…
Pense, começou o ano foi inspirado hein. Adorei. Beijos. Sabrina
albir disse…
Edu,
Muito bom seu apito inicial. Como não há garantia de vitória, comemoremos o jogo. O jogo é o que temos.
Apertemos, Marisa, apertemos. :)

Denise, "genial" é o meu elogio preferido. :) Grato.

Grato por jogar comigo, Querida.

Inspirando e expirando sempre, Bina.

Sábio, Albir.
Zoraya disse…
O desafio desse jogo é que nao escolhemos nem os arquétipos nem os parceiros. Temos que nos virar para representar o papel que nos coube e nos esforçar para que os parceiros tenham um objetivo comum. Ô,Edu, vc nao quer patentear esse jogo e distribuir nas escolas, nas praças, empresas, por aí não? Talvez ainda dê tempo.
Que bom que nossos peões se encontraram Zoraya. Só não posso patentear o jogo porque não sou o Criador dele. :)
fernanda disse…
Tem dez minutos que eu tô matutando sobre o que escrever nas minhas cartas em branco...genial desafio!

(E olha que eu nunca entendo os manuais dos jogos)
Fernanda, já pensou em escrever, e até desenhar "CURINGA"? :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …