Pular para o conteúdo principal

O QUE CABE NA SUA MALA?
>> Maria Rachel Oliveira

Férias, férias. Janeiro sempre – ou quase sempre – é época de meter o pé na estrada. Fazer aquela tão sonhada viagem que você vem planejando desde o ano passado, caçar uma promoção da Gol e voltar a terra natal pra visitar os parentes. Aproveitar o período de recesso escolar das crianças e alugar uma casa em alguma praia limpa e deixá-las se esbaldando na areia enquanto você tá na sombra e na cerveja fresca.

Aonde você vai é, na verdade, o que menos importa. O que é viajar pra você? Já se perguntou isso? Eu tenho algumas teorias. Viajar é poder sair de si mesmo. É não arrumar a cama todo dia daquele mesmo jeito, com três travesseiros. É não ter preguiça de acordar porque é certo, como dois e dois são quatro, que o dia trará muitas coisas inesperadas. Mesmo que a sua rotina seja boa; é rotina. E afastá-la é bastante saudável vez ou outra.

Em Paris aprendi a emoção de enxergar um letreiro de farmácia. Não tinha um dia que meus pés não sonhassem com band-aids no final da tarde – e nem sempre eu lembrava de colocá-los na bolsa ao sair de manhã do hotel. Uma vez, indo pra Buenos Aires, me empolguei no FreeShop e tive a experiência de ouvir meu nome comuníssimo (Maria Oliveira) ser chamado no auto-falante e não me reconhecer. Terminei resgatada por um funcionário da companhia aérea e tive que sair correndo feito uma louca pelo túnel. No prédio das Nações Unidas, em Nova Iorque, vivenciei o sentimento mais esquisito da minha vida ao me deparar com um sino, acho que de bronze, que foi trazido de Hiroshima.

Viagens menos glamourosas – a maioria das minhas até hoje, aliás – também mudaram bastante o meu ponto de vista sobre muitas coisas. Já tive que passar a noite numa calçada, em Cabo Frio, porque perdemos a chave da casa que havíamos alugado num verão e o caseiro do condomínio tinha saído e ninguém imaginava onde encontrá-lo (e nem a chave reserva, consequentemente). Nunca vou esquecer o papo-cabeça que rolou madrugada adentro nem o mais lindo nascer do sol que já pude presenciar depois de uma senhora caminhada até a praia. Éramos dez. E estávamos todos exaustos e cheios dos sonhos de adolescência uns dos outros naquele nascente, que parecia conter todas as possibilidades.

Reuni histórias das mais triviais às mais esdrúxulas nessas idas e vindas em que já me meti. Não me arrependo de nenhuma delas. Aprendi muito sobre improviso, imprevisto, jogo de cintura, mapas, banho de chuva, passar frio, passar fome, mosquito, mímica, pneu de carro e até relacionamento interpessoal. Viajando você sempre descobre habilidades e gostos desconhecidos. É obrigado a conhecer coisas e gentes novas. Ou quase – há também a possibilidade de você escolher ir com mais um casal amigo pra uma toca no meio do mato. Nesse caso a interação com a fauna ou com o encanamento do lugar é que costumam garantir a novidade.

Viagens trazem com elas risadas garantidas. Micos dignos de nota. E perrengues vividos enquanto imbuídos do espírito aventureiro e curioso do viajante viram divertidas memórias no final das contas. Talvez porque estejamos livres de toda essa bagagem cotidiana, dos nossos condicionamentos, dos nossos vícios e manias, e não caibam as ruminações e a preguiça no pequeno espaço que sobrou na mala.

Eu já estou arrumando a minha pro próximo destino. E você? Vai pra onde? Já decidiu? E qual predisposição levará na sua bagagem?

Comentários

Rachel, essa sua crônica me deu uma vontade de viajar... do escritório para a cozinha, depois para o quarto, fazer uma completa volta não ao mundo, mas à minha casa. :) Depois de tanto viajar em 2011, começo a me coçar só de ouvir ou ler a palavra "viagem". :)
Juliana disse…
Muito legal! Viajar e isso mesmo. Adorei.
albir disse…
Eu já peguei carona na sua crônica. Me avisa quando chegarmos.
Beijo, Rachel.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …