Pular para o conteúdo principal

FALANDO DO QUE É BOM >> Clara Braga

Não costumo criticar quem assiste e gosta de Big Brother. Eu não gosto, não tenho muita paciência e acho sem graça, mas entendo que se já teve tantas edições é porque tem quem goste, e essas pessoas não estão em pequenos números.

Mas outro dia não me aguentei, fiquei sabendo de um caso que para mim pareceu o cúmulo, não acreditei que pudesse existir alguém tão solitário a esse ponto. Uma tal pessoa faz assinatura do canal que passa BBB 24 horas por dia, e nos dias de festa do reality show ela “participa”. Você deve estar se perguntando: "Como assim?" Pois é, também me perguntei isso, mas a pessoa compra bebidas, afasta os móveis da sala e fica dançando sozinho em casa, como se estivesse lá na casa na companhia dos heróis do Bial.

Sou só eu ou isso realmente é uma atitude um pouco exagerada? E o pior é que, no dia seguinte, o pessoal da casa cura a ressaca na beira de uma bela piscina, tomando sol, enquanto o pobre coitado levanta cedo pra ir ralar muito para não receber nem metade do dinheiro que o pessoal do BBB vai ganhar assim que sair da casa e posar para a primeira revista que chamar. Sério, isso não é um absurdo?

Bom, mas na verdade o que eu não entendo é como pode estar todo mundo criticando o programa, fazendo campanhas contra, bloqueando comentários do computador, pedindo pelo amor de Deus para não ouvir nem uma só palavra sobre o programa e mesmo assim o reality show ainda consegue vingar.

Tudo bem, reality show parece que, apesar de não ser mais novidade, ainda está na moda. Mas existem outros programas que também deveriam estar na moda. Andei aproveitando as férias para procurar bons programas na televisão e tentar mudar essa visão que eu tenho, e sei que muitas pessoas também têm, de que só passa porcaria na televisão.

Encontrei um que todos deveriam assistir, pelo menos uma vez na vida. Passa todas as sextas-feiras às 19:30, com reprise aos sábados às 15h, na TV Brasil e se chama Programa Especial. Ele tem como âncora uma cadeirante e é o primeiro programa no mundo a ter uma repórter com síndrome de down. Dedicado à inclusão social, o programa tem diversas reportagens sobre saúde, mercado de trabalho, lazer, esportes e muitos outros assuntos sempre tendo como foco o deficiente. Mostra também casos reais e bem sucedidos de deficientes que conseguiram quebrar barreiras e terem grandes conquistas na vida, provando que uma sociedade inclusiva é possível. Não é interessante?

Espero ter despertado a curiosidade em alguns. E se alguém souber de outros programas interessantes, que valem a pena serem vistos, compartilhem, mais legal do que falar mal dos programas que são ruins é divulgar os que são bons.

Comentários

Anônimo disse…
Oi,

acho q vc se enganou em relação a emissora, passa na tv brasil, la tbm tem outros programas q valem a pena ver.
Abner Martins disse…
Não é falar mal do que é ruim, como vc mesma disse. É querer transformar a mente que ainda pensa em um ser que pode andar com suas próprias pernas. Bacana sua iniciativa de construção posivista, mas ainda somos pouco e muito poucos para abrir a mente do brasileiro e não deixar que o ibope do que é ruim aumente. Mas, para isso, minha cara, precisaríamos ler 12 livros, no mínimo, por ano. Isso sim seria bom de ver.

abraço do Abner

abnerlmesmo.blogspot.com
Rafael Vespasiano disse…
Com certeza, Clara! Existem programas bons na Tv Brasileira, produções nacionais de xtrema qualidade em todos os segmentos, a TV Brasil exibe coisas ótimas e relevantes para a construação do cidadão brasileiro.

Rafael Vespasiano.
Clara, também sou da turma do "vamos divulgar o que é bom em vez de dar atenção, e ibope indireto, para o que não presta". Hoje em dia, vejo pouca televisão, embora de vez em quando assista a programas de televisão. Explico: vejo os programas na internet, com a vantagem de escolher exatamente aquilo que quero ver e de não enfrentar comerciais. Mas o que gosto mais de ver mesmo são as palestras do TED, com assuntos interessantíssimos e que duram no máximo 20 minutos: http://www.ted.com/translate/languages/pt-br. Normalmente, quando paro para um lanche, como vendo umas das palestras do TED em vez de me sentar em frente à TV.
Clara Braga disse…
Oi anônimo,
estava errado mesmo, já corrigi!

Eduardo,vou procurar essas palestras, nunca tinha ouvido falar!

Bjs
BLOG DO HEITOR disse…
Clara
Creio que voce, como todos nós, está a procura de uma TV melhor, ontem em meu blog escrevi também sobre o assunto. Lá menciono um artigo do mestre Luiz Fernando Veríssimo, que a uma ano atrás foi ao amago da questão.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …