Pular para o conteúdo principal

INVEJA >> Eduardo Loureiro Jr.

A verdade é que tenho inveja de muita gente...

Não apenas dos meninos felizes, que brincam despreocupados nos parques. Das crianças que não temem o tempo. Dos surfistas deslizando no mar. Dos meninos do Rio, calor provocando arrepios. Dos namorados apaixonados. Dos que são eternos enquanto duram. Dos jovens talentosos imediatamente reconhecidos. Dos que, quando havia festa na capela do lugar, eram os primeiros a ser chamados para ir cantar. Dos casais de comercial de margarina. Dos que são mais você e eu. Dos pais brincando com seus rebentos. Dos que têm um filho a quem só queiram bem, e a quem só digam que sim.

Tenho inveja também dos meninos traquinas que aprontam estripulias diante do olhar complacente de seus pais. Dos que nasceram assim, cresceram assim, são mesmo assim, vão ser sempre assim. Dos adolescentes que vão experimentando tudo que há no mundo sem pensar em consequências. Dos que são rebeldes porque o mundo quis assim. Dos sedutores que apaixonam uma aqui, outra ali, somente para abandoná-las depois. Dos que fazem o outro valer nada, página virada, descartada de seu folhetim. Dos que produzem o que não presta e são idolatrados. Dos que pera aí que tem mais um pouquinho de "u". Dos homens que espancam suas esposas. Dos caras que têm consumido a elas e a tudo que elas quiseram com seus olhinhos infantis, como os olhos de um bandido. Dos estupradores. Dos que fazem festa lá no seu apê, com gente até fazendo orgia. Dos pedófilos. Dos que estão cantando pra suas meninas para ver se elas entram na deles. Dos assassinos. Dos que adoram pelo avesso. Dos que enganam. Dos que trazem mil rosas roubadas pra desculpar suas mentiras. Dos que manipulam. Dos que primeiro azucrinam, entortam a cabeça, botam na boca um gosto amargo de fel, depois vêm chorando desculpas, assim meio pedindo, querendo ganhar um bocado de mel. Dos que passam por cima. Dos que 'tão nem aí, 'tão nem aí.

E, acima de tudo — disto ou daquilo —, tenho inveja do tempo, de três semanas silenciosas que vivi em um pequeno quarto separado do mar apenas por uma estreita faixa de areia. Do café da manhã feito quase sem higiene por uma calada mulher de pescador. De, desempregado, cumprir meu expediente diário de caminhar descalço, em silêncio, na areia plana da praia. De descansar à sombra de um coqueiro, desenhando com um pequeno galho, sem barulho, sobre a areia ainda úmida. De entrar num mar calmo, tão calmo que era possível sentir, ao mesmo tempo, a corrente morna e ondulada da superfície e a fria corrente submarina. De subir a falésia enquanto o sol, taciturno, descia a tarde. De retornar com a luz discreta da lua, das estrelas e de uma pequena lanterna. De tirar o sal e a areia com um banho pausado. De deitar na cama e dormir acalentado pela música sussurrante, e sem canção, do mar.

É esta a verdade: tenho uma inveja marulhada de mim mesmo.

Comentários

Marilza disse…
Puxa, Eduardo...que inveja boa rsrs. Eu também tenho inveja (boa viu?) da sua maestria, do seu dom bonito e gostoso de escrever...fazendo ou não trocadilhos com 'certas canções que ouço e que cabem tão dentro de mim"...
Abner Martins, disse…
puta q o pariu, com todo o respeito das palavras vãs q não são necessárias agora, neste momento, mas qro mostrar o quanto impressionado estou com esse seu texto. Cara, vc conseguiu me surpreender e chamar minha atenção.
Vou lhe confessar uma coisa: não tenho dislexia, mas preciso estar em silêncio absoluto para ler algo, ou dedicarme-somente àquele momento para prestar atenção e entender o que leio. Neste exato momento estou ouvindo meu Rock preferido e lendo sua crônica.
Ao ler, um filme passava em minha mente sobre os anos 80. Sua inveja é a minha, todo o seu enredo me leva aos 80". Anos dourados da vida brasiliera juvenil.

Parabéns.

Abraços do abner

abnerlmesmo.blogspot.com
Eduardo, mais uma vez e sempre perfeito!
Nesse seu texto é facinho de explicar porque escrever é muito mais transpiração que só inspiração. Suas linhas demonstram conhecimento, estudo e carinho em tudo que faz.
Eu não sei as invejas que tenho trancafiadas, mas sei que tenho um privilégio enorme por conhecer seus textos e um orgulho por, mesmo virtualmente, poder conhecer você.
Alba Mircia disse…
E por falar em inveja, ontem vi um homem admirável: um profissional talentoso, criativo e reconhecido por seus ótimos trabalhos, faz um molho de macarrão que “huumm” – saborosíssimo, amigo fiel, carinhoso e cuidadoso com a família ao saírem do carro numa rua onde a segurança merecia atenção para uma festa. Aliás, durante essa festa eu o observava: brincou de totó e ganhou de um contra duas com a maestria de quem treina diariamente pra um campeonato; jogou sinuca que me lembrava o Pedro do filme “Não por acaso”; brincou de Guitar Hero e, adivinhem, me deliciava ver a sua destreza; jogou à mesa Aero Rockey (mesa de disco) onde mais parecia um menino de 10 anos “viciado” nesse ambiente. Quando parou, pensei: agora não há mais novidades. Ledo engano: ele se direcionou para a máquina de dança. Aí eu disse a mim mesma: ah não, agora é que vamos ver. Esse brinquedo não é do “tempo” dele, então será uma piada. Menino, até filmei! Pois o bicho pulava daqui pra lá e de lá pra cá no tempo certo da música, ora com um pé, ora com o outro e ora com os dois! Causava inveja nas pequenas meninas que tentavam acompanhá-lo sem qualquer vestígio de sucesso... É... Esse cara é mesmo invejável... Ops, é você né? Ah, então tá certo. Você é mesmo digno da sua própria inveja!! :) E eu, de cá, só tenho mesmo inveja das pausas do seu banho.
Grato, gente. Quase chego a invejar a disposição de vocês em fazer comentários tão bon(doso)s.
fernanda disse…
Eu tenho inveja desse texto lindo. Nele cabe o que não cabe na despensa :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …