Pular para o conteúdo principal

DA ARTE DE ACOMPANHAR CONSELHOS >> Carla Dias >>

De acordo com as revistas, ando por fora do que seja o caminho certo para a felicidade. E não desejar me tornar celebridade é pecado dos mais pecaminosos, porque todos nós desejamos um lugar ao sol. Também não importa se não há um diferencial para se chegar a essa celebridade toda. A revista jura que se eu seguir os dez conselhos da sua listinha da página vinte e três, eu chegarei lá, e nem preciso de talento, contanto que eu não falte à entrevista com um personal stylist que dê jeito no meu jeito brejeiro de ser.

Claro que me deu uma vontade daquelas de visitar o meu lugar ao sol. Por isso fechei a revista e fui dar uma volta no quarteirão. Manhãs de sol de inverno são dignas de serem celebradas.

Seriam celebridades?

O jornal, em nome do horóscopo do dia, prometeu-me um acontecimento inusitado, mas para isso eu teria de abrir os olhos e enxergar aqueles que não me querem bem, mas que ficam por perto apenas para usurpar a minha capacidade de enxergar a vida. E eu limpo os óculos na manga da blusa, lembrando a mim mesma que está na hora de visitar o oftalmologista, de remoçar a receita para a fotofobia. E fecho os olhos para descansar na escuridão, vasculhando o detrás das minhas memórias. Fecho o jornal.

O panfleto é claro quando quase grita que se eu não fizer no mínimo dez sessões de terapia, jamais saberei o significado da plenitude. Promete, sem qualquer pudor, mostrar-me o caminho para a autoaceitação, e que depois de chegar a tal destino, nada mais será o mesmo... Eu mesma não serei a mesma. Talvez, penso, os móveis continuem os mesmos. Eu gosto dos móveis... Apreciarei se eles continuarem os mesmos. E o panfleto ainda declama – acompanhada a frase de um ponto de exclamação gigantesco para dar ênfase à necessidade - que eu não posso perder a oportunidade de descobrir quem eu sou.

Quem eu sou suspira fundo que só, chega até a doer um tantinho o coração. Dobra o panfleto e coloca na bolsa, que não tem lixeira por perto. E se achega esse senhor de olhos marejados, coisa de doença da vista, ele diz, não é tristeza, moça... Achega-se para perguntar se eu sei onde fica a igreja de Santa Maria, na qual sua sobrinha se casará daqui a pouco. E tiro da bolsa a caneta, reviro e acho o panfleto, e faço um mapinha até a igreja, no verso. O senhor dos olhos marejados não precisará de dez sessões de terapia para encontrar a felicidade. Serão apenas dois quarteirões e ele até poderá abraçá-la.

No ponto de ônibus, sentada, uma senhora miúda, curvada. Sento-me ao lado dela e dividimos a espera pela condução. Ela resmunga algo e eu não entendo, pois não?, e então ela me encara, a feição dura. E diante dessa imagem tão severa, confesso a ela que não me interessa ser celebridade, que a armação e lentes dos meus óculos têm mais de dez anos, que eu prefiro inventar histórias a contar a verdade ao terapeuta, então não faço terapia. E então ela sorri e diz: cada coisa que a gente escuta em ponto de ônibus...

De acordo com o painel do ponto de ônibus, não há nada mais difícil do que não ter casa própria. E se eu pagar uma boa entrada, e me propor a parcelar o restante, em menos de 120 meses serei proprietária, não inquilina. E a senhora dá de falar até, sobre isso e aquilo, sobre assuntos que não são meus. Distraio-me com suas confissões de ponto de ônibus.

Sentadas ali, a nossa casa-painel de cenário, parecemos até duas amigas trocando confidências na varanda, enquanto esperamos o sol se pôr. Ela já despida da dureza, da severidade, gargalha miúdo quando me diz que foi celebridade ainda no domingo passado, quando almoçou na casa da filha e foi assediada por seus três netos. Eles queriam respostas para perguntas nada tradicionais, assim como disputavam a sua atenção, enquanto tiravam fotos e mais fotos dela. Fotos que serão publicadas no álbum de fotografias da infância deles.

O ônibus chega, estaciona e abre as portas. A senhora sorri, contradizendo a primeira impressão. Não confio em primeira impressão. Ela entra e o ônibus parte, levando uma celebridade.

Do outro lado da rua, um outdoor alega que o planeta vai desaparecer do mapa no daqui a pouco. Quando é daqui a pouco? E me sento na varanda-painel, fim de tarde já presente, sol partindo. O outdoor insiste: ele vai sumir, minha senhora! E eu o corrijo: senhorita.

Como o planeta desaparece nos outdoors? Escorre, silente, apático, esparramando-se no rodapé onde moram as letras miúdas? Como ele se livra do mapa, das fronteiras, dos contornos? O outdoor não desiste de mim. Sou sua presa, sua urgência em se fazer compreender. Então ele me agarra pelo olhar, escraviza a minha atenção, alimenta-me de pânico... E solidão.

Mas é apenas por alguns segundos...

Ele me avista e acena. Ela me avista, ele cochicha com ela, então ela acena. Eu aceno de volta, comprometida com a existência deles em um planeta que não vai acabar ao comando de um outdoor.

A vida insiste em sussurrar em meus ouvidos, enquanto a cena se desenrola diante de mim. E ela o faz com a profundidade indubitável das alegrias genuínas, de quem gargalha até a alma se encher de felicidade. É a vida que me convence, enquanto o Sr. Olhos Marejados caminha pela rua, ao lado da sua sobrinha vestida de noiva, sem limusine, seus pés acarinhando o concreto. Ao lado dela, amparado por sua presença, um noivo de bochechas rosadas, lançando um olhar fascinado a sua esposa. A festa, o Sr. Olhos Marejados diz, será em uma cantina logo ali. Vamos? E eu agradeço, e com agradecimento legítimo, mas tenho de voltar pra casa.

Eles somem na quase noite, meu ônibus chega.

Durante a viagem, um livro me diz que preciso ser mais corajosa com as oportunidades. Diz assim: agarre-se e desfrute! E eu o fecho para olhar pela janela que me oferece paisagem em movimento.

Agarro-me. Desfruto.


Imagem: Pandora © John Waterhouse

carladias.com

Comentários

Marcio Rufino disse…
Como faço para publicar minhas crônicas no blog? Meu blog é http://emaranhadorufiniano.blogspot.com

Abrçs.
Olá, Marcio.
Para publicar no blog é preciso ser um cronista fixo. Quando aparece uma vaga, normalmente procuramos por pessoas que têm blogs de crônicas. Fui até o seu blog e vi principalmente poemas. Você tem algum blog de crônicas?
Abraço,
Eduardo
Que lindeza, Carla! Coisa boa é desfrutar do seu desfrute. :)
Carla Dias disse…
Eduardo... Sempre agradecida pela gentileza das suas palavras. Seja bem-vindo para desfrutar do meu desfrute.
albir disse…
Pois é, Carla. Já não nos é dado receber ou não conselhos. Eles nos invadem. É preciso enxergar além deles. Beleza de texto.
Carla, atrasada aqui nos comentários.
Que texto delicioso de se ler.
E, cá entre nós, para mim, você é celebridade, sim! :)
Carla Dias disse…
Albir... estamos na era em que tudo nos alcança. A boa notícia é que podemos permitir que esse tudo nos invada ao gosto da nossa percepção da vida. Somos invadidos, mas ainda somos os autores das nossas escolhas.

Marisa... Ser celebridade pra você é uma honra! Obrigada por me tornar um bicho do mato celebridade :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …