terça-feira, 5 de julho de 2011

PASSEIO DO CACHORRO >> Clara Braga

Domingo, dia 3 de julho, 16h, estréia da seleção de Mano Menezes contra a Venezuela. Eu não entendo de futebol e, se não for Copa, não faço questão de assistir, mas como estava na casa de um amigo e todos queriam ver, eu acabei assistindo uma parte.

Os comentários mais inteligentes que eu consegui fazer foram sobre os cortes de cabelo horríveis e a mudança de uniforme, e, mesmo assim, às vezes julgo meus comentários mais interessantes que os do Galvão.

Lá pelas tantas, estão o Galvão e seu amigo camarada, que sempre tem uma resposta para as perguntas, narrando: "E faz o passe, pega a bola de jeito, entra na área e... bola na trave!" Ué, o jogo foi interrompido? O que aconteceu? Pela minha ignorância, já estava perguntando se tinha sido pênalti ou algo do tipo, mas não, foi só um cachorrinho muito fofo que resolveu dar uma voltinha no campo. Lá foi ele, cruzou o campo inteiro como quem não quer nada, só curtindo o climazinho frio. O Galvão já começa logo a lembrar de todas as vezes que um cachorro entrou no campo, e falou da foto memorável (que eu não lembro) do jogador (que eu também não lembro quem foi) que ficou de quatro correndo atrás de um cachorro dentro do campo. Deve ter sido engraçado, e deu pra entender por que ninguém se atreveu a ir atrás do cachorrinho dessa vez.

Sorte que o cachorro não estava lá testando a paciência dos jogadores, ele só foi dar uma voltinha despretensiosa mesmo. Foi para um lado, olhou, observou, reconheceu o espaço, esperou uns minutinhos e voltou. Sozinho, foi embora para o vestiário. Parecia até cachorro treinado, muito educado.

Se fosse no Brasil, com certeza as pessoas já estariam falando: “Tinha que ser no Brasil, só aqui mesmo para acontecer esse tipo de coisa!” Ninguém perde a oportunidade de falar mal. Mas para mim, o time brasileiro é, sim, culpado por ter um cachorro em campo, afinal em um time onde um jogador tem cabelo de canário, o outro se chama Pato e o outro Ganso, para completar o time só faltou um cachorro mesmo, e quem sabe se ele tivesse jogado não era ele que faria o gol do desempate.

Partilhar

Nenhum comentário: