Pular para o conteúdo principal

CANSEI DE SER COMBATENTE >> Fernanda Pinho



Normalmente, eu jogo a culpa no DNA. Não chega a ser indigno com meus entes nem desculpa esfarrapada. De fato, são assim. Os Pinho são pólvora. Os Barbosa são fogo. Sou fruto de uma combinação explosiva. E explodo. Quando me sinto injustiçada. Quando acho que alguém que gosto muito foi injustiçado. Quando não consigo ser compreendida. Diante da má vontade. Diante da arrogância - como se explodir também não tivesse algo de arrogante. A expressão "dou um boi para entrar numa briga e uma boiada para não sair" foi feita pra mim. Tenho certeza. Adoro falar "tenho certeza". E, pra falar a verdade, nunca sai mesmo de uma briga. Eu faço os outros saírem. Perdem por WO. Sou incansável na discussão. Tenho argumento pra tudo. Faço perguntas retóricas. Encosto na parede. Faço o outro cair em contradição, mesmo se estiver falando a verdade. Não abaixo a guarda. Não levo desaforo pra casa. Não tolero. Não volto atrás. Desenvolvi técnicas de linguagem corporal. Sustento o olhar do oponente e cresço. Eu que já tenho quase um metro e oitenta, numa discussão, fico com dois. Tenho a língua afiada, ferina. E isso vem de criança. Tenho provas. Gravações em VHS nas quais eu respondo às provocações do meu pai sem pensar. Sempre uma tirada a tiracolo. Um talento inato para desferir a palavra precisa para nocautear o outro. Não qualquer pessoa, naturalmente. Também não sou um monstro que sai por aí distribuindo agressões verbais. Mas qualquer faísca já é o suficiente. Sou a pessoa mais doce do mundo. Mas qualquer tiro de chumbinho, já é motivo pra rajada de canhão. E, olha, vou contar para vocês. Sempre ostentei meu canhão com orgulho. Falar o que penso, na minha cabeça, sempre foi minha maior qualidade. É legal ser sincera. É legal fazer justiça com as próprias palavras. É legal defender suas convicções e suas pessoas. É legal ser admirada por quem não tem coragem de ser assim. É legal botar tudo pra fora e não guardar mágoas nem motivos para um câncer futuro. Com esses argumentos venho sustentando minha fama de má. Mas carregar essa fama - com canhão e tudo - pesa. Ter fama de má é mais pesado do que ser mau de verdade. Quem é mau não se importa. E eu me importo muito. Na minha consciência, as palavras que lanço voltam como bumerangues estilhaçando minha paz. A língua afiada é como uma droga. O alívio imediato não compensa a angústia que vem depois. Me sinto a dona do mundo quando sou capaz de enfrentar alguém que tenha me desagradado. Mas é o tempo de voltar pra casa, tirar a armadura de ferro e chorar debaixo do chuveiro, que é um jeito de chorar escondida até de mim. Não se sabe o que é gota, o que é lágrima. Tudo é quente e molhado. Gosto de dizer que sou uma casca grossa com a sensibilidade à flor da casca. Mas a casca está rachada, a fama de má está fake demais, o canhão anda pesando nas minhas costas, antevejo consequências desastrosas. E antes que elas aconteçam, estou colocando minhas armas no chão e erguendo os braços. Eu me rendo. Sério mesmo. 

Imagem: www.sxc.hu

Comentários

Samara disse…
Má você? Eu sou a prova cabal que não. Qualquer desvio, palavra mais aspera, são os outros que fazem por merecer, tenha certeza mesmo. E eu queria ser assim, sou muito tola e apática, isso não é bom, pq vc morre um pouquinho tb em cada não-discussão, e morrer por quem não merece não é uma boa coisa.
É, Fernanda. Eis uma opinião que só me arrisco a dar conhecendo de perto uma pessoa com tais características. Como disse o Caetano, cada um sabe a dor a delícia de ser o que é. Abraços. paz e bem.
Marilza disse…
Ahhh,, você nao é assim...não com esse sorriso largo e sorriso no olhar. Deve ser no mínimo, impetuosa, sincera. E sinceridade não mata nao! Faz bem. Como vc mesma disse, deixa mais leve. E deixe a vida te levar...
Abner Martins, disse…
Nunca.vi.tamanha.petulância.em.forma.escrita.Um.ar.de.arrogãncia.sobrevoou.minha.cabeça.ao.ler.tal.texto.deitado.em.berço.explendido.Confesso.que.esperava.ser.a.primeira.pessoa.do.singular,a.famosa.Intolerância-a.reclamar.os.atos.medíocres.e.putrefatos.que.sempre.causou.ao.longo.de.sua.existência.contemporânea-no.final.texto.
Entretanto,temo.ler.as.entregas.de.pontos.no.ringue.da.vida,e.acreditar.q.seja.verdade.mesmo.que.ser.forte.um.dia.nos.levará.ao.arrependimento.de.ser.forte.
Desculpe,.mas.não.estou.com.vc.

Belo.texto.

abnerlmesmo.blogspot.com
Lourdes disse…
Oi Fernanda. Sou nova por aqui e estou encantada em encontrar tanta sensibilidade e clareza de expressão. Não queira apagar sua indignação com as injustiças, pois isto abre caminho para a justiça, mas concordo quando você compara a língua afiada com as drogas que aliviam na hora e depois geram arrependimentos. Suas reflexões mostram que está à caminho do equilíbrio, ou seja, não deixar de argumentar, mas, ao fazê-lo, encontrar as palavras que dizem verdades sem ferir. Para quem gosta de crônicas, as parábolas podem ser um lindo caminho, que veste com doçura o que precisa ser dito.
Adorei.
Lourdes
"Não se sabe o que é gota, o que é lágrima. Tudo é quente e molhado." Com tanta sensibilidade eu quase não consigo acreditar na sua fama de má. É que as pessoas tendem a julgar quem fala o que pensa e se recusa a viver de aparência ao assumir posições na vida. Então, minha amiga, seja sincera com você mesma, porque o julgamente da platéia não têm importância se sua consciência é limpa. Beijo minha diva.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …