Pular para o conteúdo principal

SORTE >> Fernanda Pinho



Sempre que deixo alguma coisa para resolver na última hora, conto com a sorte. E acaba dando certo. Eu tenho sorte. Essa semana, por exemplo, esperei até o último minuto para escrever minha crônica de quinta, pois estava sem assunto, confesso. Não tendo caído nada do céu, dei uma de jornalista – que se pauta de acordo com as datas – e fui ver no calendário que dia é hoje. Lá estava meu assunto: em 17 de março é comemorado o Saint Patrick’s Day. O que eu tenho a ver com isso? Nada. A única coisa que sei é que, quando eu fazia curso de inglês, a escola se coloria toda de verde nessa data. Por que verde? Saint Patrick é protetor da Irlanda e tem como símbolo o trevo de quatro folhas que – de acordo com meus conhecimentos googlísticos – era considerado sagrado e cheio de energia encantada pelos magos Druidas irlandeses. Daí o fato de o trevo de quatro folhas estar associado à sorte.

Nesse ponto, o assunto já começa a fazer parte da minha alçada pois, como eu disse lá no início, eu tenho sorte! E muita! Claro, posso me considerar uma pessoa de sorte por ter saúde, família, amigos, trabalho, dignidade etc e tal, mas nem falo disso. Falo daquela sorte definida no dicionário como "modo de resolver alguma coisa ao acaso; sorteio. Bilhete ou outra coisa premiada em loteria ou sorteio". Você conhece alguém que já ganhou algum sorteio, promoção, rifa ou qualquer coisa do tipo? Eu conheço uma pessoa que já ganhou vários: eu!

Nunca achei um trevo de quatro folhas mas, aos três anos de idade, achei uma tampinha da Coca-Cola premiada e ganhei um skate. Todo mundo, na época, queria ganhar aquilo e quem ganhou fui eu que nem tomava Coca-Cola, nem sabia o que era skate. Foi a primeira de muitas coisas que ganhei assim, de bobeira. Sorteios de que eu participava por participar. Rifas que eu comprava só para colaborar. E, quando eu menos esperava, ganhava uma viagem, um urso de pelúcia gigante, um aparelho de som. Foram tantas coisas que, se eu listasse, vocês achariam que essa é uma crônica de ficção. Digo “foram” assim, no passado, porque começou a ficar tão sem graça que eu parei de brincar.

O ápice foi quando minha irmã queria muito ir para São Paulo ver o show do Coldplay, em 2007, e não recebeu o consentimento dos meus pais. Espertinha, ela vasculhou a Internet até achar alguma promoção que dava a ida ao show como prêmio e no qual o ganhador pudesse levar um acompanhante. Certa de que eu ganharia, ela pediu que eu me inscrevesse. Minha mãe, também certa de que eu ganharia, me proibiu de me inscrever. Mas eu me inscrevi assim mesmo e, bom, fui sorteada. Fomos ao show e minha irmã realizou seu sonho.

Ganhei porque ninguém duvidou que eu ganharia. E eu acho que sorte tem muito mais a ver com energia do que com qualquer outra coisa. Desde sempre, as pessoas me atribuem a alcunha de sortuda. E eu nunca duvidei disso. Se estou com algum problema no trabalho, eu penso: “tenho sorte, vai dar tudo certo”. E dá mesmo.

Quando eu conto minhas peripécias de jogos de sorte, ouço sempre duas perguntas. Os práticos querem saber: já jogou na Mega-Sena? Não. E sei que nunca ganharia, pois eu não acredito em números. Já os românticos me interrogam aflitos: sorte no jogo é azar no amor? Bom, aí já é assunto para uma outra crônica...

Comentários

Jujú disse…
Eu sou prova de como essa minha amiga é sortuda! E nisso somos muito diferentes, porque eu nunca ganhei nada, mesmo quando acredito, desejo e já cheguei a ter certeza que ganharia e nada!

Então não acho que seja só uma questão de acreditar, é questão de sorte mesmo, e isso, graças a Deus, vc tem de sobra amiga!

Amém!
Sortuda cronista, lembrei de duas coisas: do livro "A História sem Fim", que tem um dragão que, diante de coisas impossíveis, diz que conseguirá com alguma sorte; e de um filminho de Sessão da Tarde, "Sorte no amor", que trata do encontro entre uma mulher extremamente sortuda (mais até do que você) e de um homem extremamente azarado. Se ainda não leu/assistiu, penso que você vai gostar.
Laís disse…
Talvez você seja sortuda porque passa uma energia positiva muito forte para as pessoas que se envolvem com você, deve ser algum tipo de retribuição lá de cima que vc recebe, por ser assim, tão amável =)
Acho que sorte é contagiosa, porque tem sorte quem te conhece!!! Você é meu trevo de quatro folhas favorito!!! rsss.. Beijos!
Fê Miceli disse…
Post interessante. Sortuda vc, hein? Bom, nunca fui de ter muita sorte, se ela está associada a ganhar prêmios. Ganhei alguns pela vida, mas nada demais. Tb nunca fui de jogar muito e aí, querer ganhar assim, é um pouco demais né? Mas, posso dizer que conto com a sorte de sempre quando me acho no desespero, sem a saída, acontece algo para me salvar. Namoro, família, trabalho, amigos, é assim... e acho que não deixa de ser sorte!
E por falar nela, me passa um pouquinho da sua, rsrsrs.
de repente, já de vir aqui, conta a energia boa da home, rs...

Bjinhos
Fernanda disse…
Estava ouvindo Coldplay quando li este post, que assim como sua irmã, também amo! Poxa, eu também acredito nessa coisa de energia, o pensamento positivo tem uma força incrivel. Uma vez ganhei uma viagem pra Bonito-MS num sortei da empresa, assim que anunciaram o premio eu pensei: "essa é minha" e foi. Mas ganhar um ingresso pra ver Coldplay seria DEMAIS!
Beijos
Marilza disse…
Fernanda, ao contrário de você eu não ganho nem palito de sorvete já lambido em qq tipo de rifa rsrs.Se tem a ver com energia, pensamento posivito, vou tentar. Mas, também não posso negar que ganho sim muita coisa, ganho muitos presentes inesperados. Seria isso sorte?
Louro Neves disse…
Postagem interessante. Enrolou até o fim; falta de assunto é assim mesmo, eu que o diga.
Louro Neves disse…
Essa janela pop-up é inconveniente; se for dado um clic duplo, ela pula para trás da página principal, aí já viu; pode clicar até afundar a tela que não sai nada. Propaga aí, galera - vai ver algum administrador fica sabendo.
Eu também me considero um sortudo. Não ganho prêmios em dinheiro, nem brindes de sorteios. Como sou um garimpeiro de boa literatura, sempre encontro textos ótimos assim como o seu para alimentar o meu espírito. Abraços. Paz e bem.
Paula disse…
Fernanda é de fato uma menina de sorte. Você poderia ter citado alguns outros exemplo aí, mas se ateve ao episódio melhor da sua sorte que foi esse do show do Coldplay. Quando eu pedi pra vc se inscrever na promoção eu já vibrei por dentro, pois tinha absoluta certeza de que meu sonho estava a caminho de ser realizado... Você é foda!!! Bjooos

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …