Pular para o conteúdo principal

SEMPRE O TEMPO >> Eduardo Loureiro Jr.

Às vezes, sinto o tempo das coisas...

"Não gosto de fazer perguntas, só quando não tem jeito. É que as pessoas ou falam o que querem ou não adianta que falem. O que a gente tem dentro da gente eu sinto que é como frutas... se saem no ponto certo, estão maduras, gostosas... se saem antes disso, estão verdes, são ácidas, fazem mal... se passam do tempo, apodrecem, ninguém quer. Só o que me falam querendo e na hora certa é que eu dou valor, e só assim que eu acredito nelas".  (Coiote, Roberto Freire)

Às vezes, eu sinto o tempo de escovar os dentes, de tomar um banho. Não como uma atividade que se deva fazer e que tenha hora certa, mas como um momento que vem se aproximando, chega, e depois se vai. Outras vezes, deixo-me levar pelo automatismo, pela pressa, pelas obrigações.

O tempo que sinto agora é de silêncio, música e um bom livro. Quando determinado tempo vem chegando, ele nos traz recordações de outros tempos similares. Por isso me lembrei de Coiote, e do quarto de minha Tia Monca, onde o folheei pela primeira vez, e do cheiro perfumado, do livro e do quarto, e do peso do livro nas mãos, quase incômodo, e do silêncio da leitura. Não havia música, mas sempre há música. Sempre houve fones de ouvido, invisíveis, que me possibilitavam ouvir o que ninguém mais estava ouvindo.

É o tempo que sinto que vem vindo que me faz lembrar também de Questo Amore, de Roberto Cotroneo. Deste, ainda tenho o exemplar e posso levantar da cadeira, como estou fazendo agora, pegá-lo na estante, como fiz agora, e,

...

numa das páginas que têm as pontas do papel dobradas, encontrar estas palavras: "Ora voleva qualcosa che non sapeva neppure lui spiegare". Pode o leitor ouvir o som dessas palavras mesmo que não lhes entenda completamente o sentido? "Agora queria algo que não sabia ele mesmo explicar".

É assim a chegada do tempo: vem como um desejo que não se explica. Por isso, o silêncio: para ouvir os calmos passos do tempo se aproximando. Por isso, a música: para que o silêncio faça sentido. Por isso, o livro: para que se tateie o que se aproxima.

Sim, eu sei que "nem tudo é como a gente quer" e talvez eu tenha que aprender a sentir o tempo das coisas obrigatórias. Sentir o tempo do sinal vermelho, e não apenas tolerá-lo. Comer a fruta rubra e madura do sinal vermelho. Sim, é mesmo muito provável que eu tenha que aprender essas coisas.

Mas agora... calma.

Silêncio, por favor.

Conseguem ouvir a música?

Eu sou o primeiro leitor do livro que está se escrevendo.


Comentários

Eduardo,
"talvez eu tenha que aprender a sentir o tempo das coisas obrigatórias."
Isso veio no tempo perfeito que eu preciso para entender e enfrentar algo que tenho pela frente daqui uns dias. O difícil é amadurecer esse fruto. Obrigada. :)
Boa sorte no desafio que tem pela frente, Marisa.
albir disse…
Sim, estou ouvindo a música, Edu. Continue regendo.
Bom ouvido esse seu, Albir.
Debora Bottcher disse…
Valha-me, Eduardo... Faço silêncio. E, sim, ouço a música - linda, calma e baixinha, quase um sussurro...
Beijo pra vc.
Mônica disse…
Eeeei! Então é por aqui que vc anda! Olha que coisa incrível: depois de mais de 10 anos, numa mega-faxina pré-mudança, encontrei cartas que costumávamos trocar nos idos de 1997... Daí me vieram lembranças agarradas em saudades, que por sua vez despertaram a maior das curiosidades: por onde andará É do ar do pátio interno?... E assim, fácil fácil, pelo milagre da internet eis em seu blog.
Bom te ver, menino. Saudades.

Mônica (dicas: amiga da Franci e do Wendell, lá das bandas de uma remota cidade do norte do país chamada Castanhal. Lembras-te?)
Grande beijo.
Até
Você tem um bom ouvido, Debora. :)

Eita que surpresa boa, Mônica! Bom demais saber notícias suas. Agora descobre aí meu e-mail e me escreve contando as novidades. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …