Pular para o conteúdo principal

POR QUE NÃO A AMIZADE? >> Fernanda Pinho

“Eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores. Mas enlouqueceria se morressem meus amigos”, Vinicius de Moraes.


Responda rápido: quantas músicas brasileiras você conhece que falam sobre a amizade? Se você for esperto, certamente se lembrou de Canção da América, de Milton Nascimento e, quem sabe, de Amigo, que Roberto fez para Erasmo. Se for um pouco desligado, talvez nem isso. E se for muito esperto, talvez tenha se lembrado de mais umas duas ou três – que eu não sei quais são, porque não sou muito esperta. Mas vamos tentar outra questão: quantas músicas brasileiras você conhece que falam sobre o amor? Agora, sim, tenho certeza de que sua cabeça está fervilhando, mesmo se você for o mais desligado dos mortais.

Chega a ser impossível responder. É como tentar mensurar quantas estrelas tem no céu ou quantos litros de água há nos oceanos. Porque o amor é assim. Lembrado em atacado. Propagado em massa. Festejado em larga escala. E não por um acaso. O amor, esse, entre casais — o preferido das músicas, dos filmes, das novelas e dos livros — é bom demais, todo mundo tem, já teve ou quer ter um. Ter um amor verdadeiro é quase tão bom quanto ter um amigo verdadeiro. Quase. Porque se o amor é o frenesi, a amizade é o porto seguro. Se o amor é pular de bungee jump, a amizade é caminhar de mãos dadas. Se o amor é a dúvida constante, a amizade é a certeza eterna. Se o amor é o protagonista, a amizade é a coadjuvante. E essa última parte, para mim, não faz o menor sentido.

O mundo inteiro já ouviu falar em Romeu e Julieta. E posso apostar também que o mundo inteiro já ouviu falar em Dom Quixote e Sancho Pança. Agora, experimente questionar sobre a história dessas duas duplas. Tenho certeza de que a de Romeu em Julieta está na ponta da língua de nove entre dez pessoas (não digo dez entre dez, porque há sempre um desinformado para avacalhar as estatísticas). Já a história de Dom Quixote e Sancho Pança, pouca gente vai saber contar. Culpa de Cervantes que ficou menos popular que Shakespeare? Desconfio que não. É que Romeu e Julieta eram amantes, e Dom Quixote e Sancho Pança, amigos. E, ao que parece, amizade não dá Ibope. Para que propagar a relação de amizade e cumplicidade entre Sherlock Holmes e doutor Watson se saber que eles são uma engenhosa dupla de trabalho já é o bastante? E talvez seja melhor assim. Se a amizade é demais, já começa a levantar suspeitas. Que o diga Batman e Robin. Coitados, até hoje estão explicando que são “apenas bons amigos”.

Aliás, eu acho esse negócio de “apenas bons amigos” um abuso. Como assim “apenas”? “Apenas” implica em pouco, em falta, em insuficiência. É como se ser amigos não fosse o bastante, não fosse o máximo, não fosse tudo e mais um pouco! Acho uma palhaçada quando vejo algum suposto casal famoso desmentindo o romance com esse papo de “apenas bons amigos”. Como assim? A amizade é que deveria ser pauta, motivo para matéria de capa e chamada em todos os sites. “E aí, é sério que surgiu entre vocês uma amizade verdadeira?”, perguntaria a repórter do programa de fofocas. “Não, não. Amizade é muito. Somos apenas bons namorados”, desmentiria o galã. Isso, sim, faria sentido. Mas em um outro mundo. Um mundo em que as pessoas entendam que é mais fácil furar um buraco no quintal e sair petróleo que encontrar um amigo de fé, irmão, camarada. Tipo aquele do Roberto.


[Este texto faz parte do livro "CARTAS AOS MEUS AMIGOS E OUTRAS HISTÓRIAS DE AMIZADE", que reúne contos e crônicas escritos por mim e por Laís Bastos e Maria Samara — minhas amigas, claro. Quem tiver interesse, pode adquirir um exemplar clicando AQUI.]

Comentários

Fabiana Yoko disse…
Eu já chorei na amostra grátis. Imagine, então, quando estiver com meu livro em mãos.

Amo você, e não é clichê!

Beijoca.
Samara disse…
Melhor texto em defesa da amizade! Embora ela fale por si, nós não conseguimos não prestigiá-la. Obrigada, amiga, pela parceria nesse livro e na vida.
Calypso Martins disse…
Simplesmente perfeito!
Sá Luz disse…
ADOREI! Sem mais.
Fernanda, lembrei aqui de Caetano: "Sei que a poesia está para a prosa assim como o amor está para a amizade, e quem há de negar que esta lhe é superior?". De Renato Teixeira: "A amizade sincera é um santo remédio, é um abrigo seguro". Do Balão Mágico: "Viver os sonhos, tudo que acontecer. Fazer amigos, mas amigos pra valer". De mim mesmo: "Vão-se as musas, ficam músicas. Vãos amores, amizades são melhores". De Roberto e Erasmo: "Eu quero ter um milhão de amigos e bem mais forte poder cantar". E por aí vai: amigo é comigo mesmo. :)
Louro Neves disse…
Fernanda,nunca me julguei desligado; mas como não consegui lembrar nenhuma música que falasse de amizade, estou chateado com você.
Amizade é quando você sente explodindo no peito esse sentimento de orgulho que não dá pra colocar em palavras quando vê seu amigo feliz e fazendo sucesso. Já o amor dá dor de barriga. Taí a diferença!
Jujú disse…
Concordo com a Yoko, já chorei agora nessa "linda amostra", vou ter um treco com o livro inteiro!

Eu sou suspeita, porque são os amigos que fazem da minha vida o que ela é! E vc é uma das mais importantes, e sabe disso!

Claro que agora minha mente começou a ter um colapso, e eu vou ficar o dia todo lembrando de letras com amigos!

Mas uma que eu amo e me lembrei na hora que vc perguntou, e que aproveito pra encerrar meu longo comentário, é:

" E o bom de viver é estar vivo, ter irmãos, ter amigos. Ter sonhos, ter motivos pra cantar..." (Herbert Vianna)

Beijos, minha amiga!
adore essa crônica prof:Robeta é bom saber q outras pessoas dão mais valor a amizade do que ao amor...muito linda essa crônica...^^
Kika disse…
Que texto mais lindo. Bate em qualquer um de amor.
Amei. Amizadei.
:)
beijos
fernanda disse…
Eduardo: você é muito esperto!

Louro Neves: não fica chateado comigo não! Eu sou legal =)

Iasmin: que bom que gostou. Amizade não deixa de ser um tipo de amor, né? E acredito que no amor entre casais deve haver amizade.

Kika: adorei "amizadei"! Vou aderir! rs

Fabi, Sam, Caly, Sá, Thatha e Jujú: Por ter pessoas como vocês na minha vida é que esse assunto me inspira tanto. Muito obrigada por tudo!
Carla Dias disse…
Ah, Fernanda... A graça – não da comédia (apesar de adorar o tom de...), mas da graciosidade – desse texto é endossada no final, quando sabemos que ele faz parte de um livro escrito por amigas. O que dizer?
Eduardo Henry Gonzaga Ikegami disse…
Amei!
Marilza disse…
Fernanda, amei! Amigo é tudo de bom não?
fernanda disse…
Carla, Eduardo e Marilza: se gostaram do texto assim, é porque certamente vocês têm amigos marvilhoso como eu. Muito obrigada pelas palavras!
Vinicius Machado disse…
Adorei Fernanda, vou ver se consigo comprar o quanto antes =)

Sucesso!
albir disse…
Que coisa mais boa de se ler, Fernanda.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …