sábado, 5 de março de 2011

REALIDADE E SONHO [Debora Bottcher]

"Quando os deuses querem nos punir, atendem nossas orações." (Orson Welles)

Essa semana assisti ao filme 'A Origem'. O cineasta Christopher Nolan (de “Batman – O Cavaleiro das Trevas” e "Amnesía"), conhecido por conceber narrativas confusas e pouco usuais, definia a trama como 'uma ficção científica de ação que ocorre na arquitetura da mente'. Isso significa, sob o prisma dele, uma realidade em que é possível entrar em sonhos alheios, fazendo do personagem principal um terrível invasor do sono profundo com objetivo de roubar informações.

É um filme que demanda muita atenção para entender todas as nuances do roteiro que é bem lapidado, mas cheio de interrogações. E como o filme é 'rápido' demais (meio trilogia Bourne), você se vê literalmente grudado na tela senão, se perde do sonho e aí não entende nada mesmo.

Naquela noite, sonhei coisas tão absurdas quanto as da tela e acabei, durante o dia, divagando sobre sonhos de forma geral aqueles que se sonha acordado e os do inconsciente.

No filme em questão, tem uma personagem que se perde da realidade e pensa que a vida real é aquela que ela sonha. Isso pode parecer totalmente contrário e oposto à razão e o é. Se você inventar um mundo perfeito pra si mesmo, o lugar ideal para se viver, a vida sob sua única con/percepção, te chamarão de alienado e é bem provável que você ganhe um passaporte para o hospício mais próximo endossado, inclusive, por aqueles que te amam.

Seria mesmo loucura desejar algo assim? Ser arrebatado pelo extraordinário e fora do comum, dias e noites em plena sintonia com seu desejo, sem mortes, perdas, dores, sem ausências, nem nada fora de contexto? Imagine um tempo sem tragédias ou catástrofes, um lugar sem assaltos e assassinatos... Parece bom, mas será mesmo possível encaixar-se num universo de excelências? Não sei responder... Sim, porque mesmo num 'mundo perfeito' até o que se deseja pode ser um tormento quando conquistado.

Vou dar um exemplo simples: imagine uma moça, jovem, que recebe a notícia de um médico de que, por um problema nos ovários, sua chance de ter filhos é uma em um milhão. Ela se sente a última das mulheres, pois tudo que desejava na vida era ser mãe. E passa os dias sonhando com um bebê impossível nos braços.

Até que um dia, por acaso ou descuido (quem poderá afirmar?), se descobre grávida. Susto e incompreensão: ela é solteira, o rapaz da 'transa inconsequente' não quer ser pai (nem por decreto), ela está às voltas com uma promoção no trabalho (também tão sonhada), e se vê, dentro de um milagre, às voltas com a maternidade e o seu 'mundo perfeito' dissolvido em pedaços, uma vez que ser mãe é só parte da história sonhada.

"Que é mais nobre para a alma: suportar os dardos e arremessos do fado sempre adverso, ou armar-se contra um mar de desventuras e dar-lhes fim tentando resistir-lhes? Morrer... dormir... mais nada... Imaginar que um sono põe remate aos sofrimentos do coração e aos golpes infinitos que constituem a natural herança da carne. (...) Morrer... dormir... dormir... Talvez sonhar... É aí que bate o ponto. O não sabermos que sonhos poderá trazer o sono da morte, quando ao fim desenrolarmos toda a meada mortal que nos põe suspensos."(...) (Shakespeare, em Hamlet)

É, como se vê, tudo uma questão de ótica. Ou de sonhos: os que se quer apenas sonhar, e os que se quer efetivamente viver...

Partilhar

3 comentários:

Eduardo Loureiro Jr. disse...

É, Debora... até sonhar é complicado. :)

Monica Bonfim disse...

Debby...aproveitando o mote da época... pode-se concluir que até sonhar custa, sim, alguma coisa....beijos

Marisa Nascimento disse...

Oi Debora!
Sempre tão bom te ler!
Sejam de sonhos ou realidade, você tem sempre a inspiração na medida certa. :)
Beijos