Pular para o conteúdo principal

REALIDADE E SONHO [Debora Bottcher]

"Quando os deuses querem nos punir, atendem nossas orações." (Orson Welles)

Essa semana assisti ao filme 'A Origem'. O cineasta Christopher Nolan (de “Batman – O Cavaleiro das Trevas” e "Amnesía"), conhecido por conceber narrativas confusas e pouco usuais, definia a trama como 'uma ficção científica de ação que ocorre na arquitetura da mente'. Isso significa, sob o prisma dele, uma realidade em que é possível entrar em sonhos alheios, fazendo do personagem principal um terrível invasor do sono profundo com objetivo de roubar informações.

É um filme que demanda muita atenção para entender todas as nuances do roteiro que é bem lapidado, mas cheio de interrogações. E como o filme é 'rápido' demais (meio trilogia Bourne), você se vê literalmente grudado na tela senão, se perde do sonho e aí não entende nada mesmo.

Naquela noite, sonhei coisas tão absurdas quanto as da tela e acabei, durante o dia, divagando sobre sonhos de forma geral aqueles que se sonha acordado e os do inconsciente.

No filme em questão, tem uma personagem que se perde da realidade e pensa que a vida real é aquela que ela sonha. Isso pode parecer totalmente contrário e oposto à razão e o é. Se você inventar um mundo perfeito pra si mesmo, o lugar ideal para se viver, a vida sob sua única con/percepção, te chamarão de alienado e é bem provável que você ganhe um passaporte para o hospício mais próximo endossado, inclusive, por aqueles que te amam.

Seria mesmo loucura desejar algo assim? Ser arrebatado pelo extraordinário e fora do comum, dias e noites em plena sintonia com seu desejo, sem mortes, perdas, dores, sem ausências, nem nada fora de contexto? Imagine um tempo sem tragédias ou catástrofes, um lugar sem assaltos e assassinatos... Parece bom, mas será mesmo possível encaixar-se num universo de excelências? Não sei responder... Sim, porque mesmo num 'mundo perfeito' até o que se deseja pode ser um tormento quando conquistado.

Vou dar um exemplo simples: imagine uma moça, jovem, que recebe a notícia de um médico de que, por um problema nos ovários, sua chance de ter filhos é uma em um milhão. Ela se sente a última das mulheres, pois tudo que desejava na vida era ser mãe. E passa os dias sonhando com um bebê impossível nos braços.

Até que um dia, por acaso ou descuido (quem poderá afirmar?), se descobre grávida. Susto e incompreensão: ela é solteira, o rapaz da 'transa inconsequente' não quer ser pai (nem por decreto), ela está às voltas com uma promoção no trabalho (também tão sonhada), e se vê, dentro de um milagre, às voltas com a maternidade e o seu 'mundo perfeito' dissolvido em pedaços, uma vez que ser mãe é só parte da história sonhada.

"Que é mais nobre para a alma: suportar os dardos e arremessos do fado sempre adverso, ou armar-se contra um mar de desventuras e dar-lhes fim tentando resistir-lhes? Morrer... dormir... mais nada... Imaginar que um sono põe remate aos sofrimentos do coração e aos golpes infinitos que constituem a natural herança da carne. (...) Morrer... dormir... dormir... Talvez sonhar... É aí que bate o ponto. O não sabermos que sonhos poderá trazer o sono da morte, quando ao fim desenrolarmos toda a meada mortal que nos põe suspensos."(...) (Shakespeare, em Hamlet)

É, como se vê, tudo uma questão de ótica. Ou de sonhos: os que se quer apenas sonhar, e os que se quer efetivamente viver...

Comentários

É, Debora... até sonhar é complicado. :)
Monica Bonfim disse…
Debby...aproveitando o mote da época... pode-se concluir que até sonhar custa, sim, alguma coisa....beijos
Oi Debora!
Sempre tão bom te ler!
Sejam de sonhos ou realidade, você tem sempre a inspiração na medida certa. :)
Beijos

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …