Pular para o conteúdo principal

PRECONCEITOS A PARTE... >> Clara Braga

Eu acredito que todo mundo é um pouco preconceituoso, não dá para assumir facilmente porque, bem ou mal, ser preconceituoso é uma coisa muito feia, mas no fundo, no fundo, todo mundo tem preconceito com alguma coisa, por menor que ele seja.

Eu, quando era menor, tinha um preconceito muito grande em relação a terapeutas. Achava muito esquisita toda essa conversa de contar meus problemas e dilemas a uma pessoa completamente estranha. Sem contar que, para mim, terapeuta era uma pessoa que tinha passado alguns anos na faculdade, se matando de estudar, para depois passar o resto da vida ouvindo problemas alheios. Pode ser normal uma pessoa que quer viver disso?

Quebrada a barreira do preconceito, resolvi começar a fazer terapia. Me indicaram uma moça que era terapeuta, iridóloga e acupunturista, tudo ao mesmo tempo. Achei exótico, diferente. Ela ia olhar meu olho e saber uma parte dos meus problemas sem eu ter que contar? Bom, vamos ver se isso existe mesmo ou é mais um caso para o Mister M.

Primeira sessão. Impressionante. Ela descobriu que eu tinha dores de cabeça diariamente. Ah, Mister M, como ela fez isso? Não sei, mas sei que, após descobrir qual era o problema, chega a hora de tratá-lo, e lá íamos nós para as agulhinhas. Acabou que a parte da terapia mesmo, de conversar, ficou longe, mas pelo menos eu deitava ali e tirava um cochilo enquanto aquelas músicas de relaxamento tocavam.

Aquilo era diferente, e logo de começo pareceu tão misterioso que aguçou a curiosidade e eu saí falando dela para todo mundo. Em pouco tempo, amigas e uma boa parte da minha família já estavam indo lá. Isso começou a me incomodar e me lembrei do meu preconceito. Não podia me deixar levar pela curiosidade, afinal que tipo de terapeuta era ela que atendia um monte de gente da mesma família? Ela já não dava muita atenção mesmo para a parte da conversa e eu comecei a não me importar com isso, tinha era medo de contar algo e ela contar para todo mundo da minha família.

O silêncio permaneceu até o dia em que ela resolveu falar que talvez soubesse de onde vinha aquela minha dor de cabeça. Já que eu acredito em reencarnação, ela podia me contar. Em outra vida eu devia ter sido índia e morri com uma flechada na cabeça e minha dor de cabeça era um reflexo dessa flechada de outra vida. Muito bonito isso, se estivessemos falando da novela das seis.

Depois disso, ela perdeu vários clientes e com certeza deve se perguntar até hoje o porquê. Mas, enfim, ela deve se contentar com a explicação de que em outra vida ela deve ter sido serial killer e carrega essa energia com ela até hoje, o que acaba afastando os clientes.

Ah, a dor de cabeça? Passou, descobri depois com um médico de verdade que era rinite alérgica por causa de ar-condicionado. Agora me diz se ter preconceito às vezes não é válido?

Comentários

Louro Neves disse…
Clara, quando em criança me deram um livro de historinha que retratava um japonês, e aqueles olinhos puxados me despertou a atenção.Perguntei a minha vovó o porquê daqueles olhos e ela, que, que nem sabia da existencia de japoneses, me contou que aquele japonês na verdade estava era com um riso de chacota. Desde então, e por toda a minha adolescência, estive sempre convicto de que, pelo resto da minha vida, sairia aos tapas com o primeiro japonês que me aparecesse à frente. Porquanto não tenha ainda trombado com nenhum japonês, o preconceito continua.
Marilza disse…
Olha confesso q sempre tive preconceito com terapêutas. Ate que um dia resolvi fazer. Omiti muita coisa, nao gostava de metáforas, mas nunca encontrei ng como a sua (rs)...Seria isso preconceito ou bom senso?
Anônimo disse…
Oi,
essa terapeuta q vc foi é q não era boa, afinal fazia um monte de coisa ao mesmo tempo e pra mim é a mesma coisa de não fazer nada direito. Mais existem profissionais competentes pra isso, vou puxar sardinha pra minha futura profissão, procure uma psicologa qual linha vc achar melhor vai ter resultado.
Clara, meu preconceito: terapia antes dos 30 anos não adianta. É preciso levar a paulada dos 30 anos para a pessoa sentir a necessidade de terapia. :)
by Rapha C.M. disse…
Hahaha... Confesso que já fiz terapia e não vi resultado nenhum nisso, pelo contrário, quanto mais eu falava, mas me questionava e mais confusa eu ficava, kkkkkkk... Desisti!
Adorei Clara! Adorei o blog tb! Vou seguir! Dá uma olhada lá no meu espaço recém chegado a blogosfera!
Bjs!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …