Pular para o conteúdo principal

SAUDADE & VOZES >> Carla Dias >>

Às vezes, me dá uma pane danada olhar o mundo tão de perto. Folhear jornais ou apreciá-los na tela do computador, da televisão. Consultar formulários, desenvolver projetos, criar rotas de fuga, alinhar a diplomacia com a loucura do diariamente.

Outro dia, senti saudade da caminhada do ponto de ônibus até a biblioteca, e do cheiro dos livros, das mesas onde os colocava e folheava por horas, antes de decidir quais cinco eu levaria para casa, para passar uma semana comigo. Senti saudade da sensação notória de que minha vida seria completamente diferente, depois de ler aquelas histórias.

Sentir saudade faz parte da vida, eu sei, mesmo que seja saudade de si mesmo, de quem foi há cinco dias, sete horas, dois segundos, até de quem será. E sentir falta de quem será me lembra desistir do desejo, antes que ele nos soque no estômago, e se torne completamente inesquecível.

Eu sou boa com vozes, reconhecendo-as com mais facilidade do que a fisionomia. Nos meus pensamentos, ainda moram as vozes de muitas pessoas que já se foram daqui para outros lugares do planeta, ou daqui para outra dimensão. Porém, esta é apenas uma maneira de carregar outras pessoas conosco.

O dia em que me dei conta de que as pessoas moram na gente, senti-me intrigada demais. É a gente que abre a porta? Ou elas escancaram com qualquer tentativa de privacidade existencial? O que sei é que, vez e outra, essa casa que é meu dentro se enche de pessoas e suas vozes peculiares. E que, quando leio minhas próprias palavras, em silêncio, a voz que escuto na minha cabeça não é a minha.

Minha voz é a uma das que não consigo identificar e reproduzir em pensamento. Será que sou tão sem intimidade comigo mesma?

Andava com saudade de algumas vozes, elas que deram de me atulhar os pensamentos, em horário comercial, desviando minha atenção dos relatórios, orçamentos, fichas cadastrais. Minha sobrinha contando histórias, minha avó materna insistindo que escreveria para a Porta da Esperança para pedir uma bateria para mim, e eu horrorizada com isso. A amiga contando a trama do seu próximo romance, meu avô paterno falando sobre a saudade que sentia da minha avó. Minha mãe dizendo ‘bom dia’ ao chegar em casa do trabalho. O amigo desfiando o desejo de ser pai, contando sobre sua filha, isso antes de ela chegar ao mundo. Meu irmão contando sobre a sua primeira aula de violão, o moço dizendo coisas no meu ouvido, a amiga doendo o fim de um relacionamento, o sobrinho, menino de tudo, chamando a mim de amore mio.

A impressão que tenho é que o dentro da gente é uma ampla sala de estar. E nela entram todos os que amamos, e lá eles vivem, e suas vozes entrelaçadas entoam essa canção que carregamos vida afora, a canção dos nossos afetos.

Imagem: Joan Miró

carladias.com

Comentários

Você mora em mim, Carla. :)
Carla Dias disse…
Eduardo... E o milagre de se morar em outra pessoa é que ela pode morar na gente também. Você mora em mim, Eduardo.
Daniel disse…
A canção dos nossos afetos. Que maneira inteligente de expressar as vozes menina! é sempre uma delícia vir aqui e conseguir enxergar o seu todo existencial. Eu também sinto saudades de algumas vozes, principalmente a de minha avó. E eu sinto, que ela nunca sumirá de dentro de mim, porque acho que até hoje, depois de minha mãe, foi o ser que mais amei. Grande post!

Dan
Fernanda disse…
E é lindo saber que temos as vozes e que não a perderemos por aí, como muitas vezes 'perdemos' as pessoas.
Adorei seu texto :)
fernanda disse…
Assim como você também trago muitas vozes comigo. Já fisionomias, quase nenhuma. E tb não consigo me lembrar da minha própria voz, isso sempre me intrigou. Mas agora você levantou uma questão a ser pensada: seria falta de intimidade comigo mesma?

Ótimo texto!
Louro Neves disse…
O ser humano é isso mesmo, Carla.
Começa senda uma casinha linda, cheia de vozes lindas e lindos amores; mas passam os anos, vão-se os amores, vão-se muitas alegiras e acabamos um ser fantasma: apenas saudades e vozes roucas.
Ah, Carla! Você despertou vozes adormecidas em mim...
Sempre tão doce te ler!
Beijos
Carla Dias disse…
Dan... Obrigada pelo comentário gentil. Colocar canção e afeto na mesma frase é algo que adoro fazer, confesso. Essas pessoas fantásticas que passam pela nossa vida, não? Que bom que também você conserva no seu dentro o timbre da existência delas, e permite que suas vozes ecoem.

Fernanda... É verdade... Podemos perder as pessoas, mas as suas vozes, a gente pode manter dentro da gente. Que poder temos de apreciar e viver os afetos, não?

Fernanda Pinho... Pois é, sou muito ruim de guardar fisionomias. E sabe que adoro quando acontece de eu rever alguém, reconhecer a voz e ter a impressão de estar conhecendo a pessoa novamente? Esse negócio de não lembrar da própria voz é meio insano, mas talvez sim, talvez seja falta de intimidade com a gente mesmo.

Louro... Acho que eu vejo essa habitação de vozes em mim com mais apreço do que medo. Não acho que são fantasmas, mas sim a continuação daqueles que, seja por uma hora, um dia, seja pelo restinho da minha vida terrena, não poderei ouvir.

Marisa... Às vezes, temos de acordar as vozes adormecidas, dar-lhes de comer e beber, alimentá-las de histórias, antes que elas voltem a fechar os olhos. Sempre doce tê-la como leitora. Beijos!
albir disse…
É isso aí, Carla. É o que torna as pessoas mais presentes pra nós: a voz. Mais nítido que a imagem. Parabéns por mais um texto exige releitura, apesar de cristalino.
Carla Dias disse…
Albir... Obrigada. Você é sempre gentil.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …