Pular para o conteúdo principal

IDENTIDADES >> Carla Dias >>

Ele estranha a cadência do tempo como o faz a maioria de nós, os outros, aqueles que observam, enquanto o feito é feito. Nasceu do estranhamento de ditos pais que o deram de presente ao sistema logo nos primeiros anos de sua vida. Lembra-se da infância com o esquecimento necessário para não doer gravemente o abandono.

Por isso deu de inventar naturalização, chegando até a ser inglês, africano e alemão em um mesmo dia. Aprendeu tudo que sabe ao se portar como turista em seu próprio país. Mas se a inteligência lhe é aguçada, a percepção sobre a própria identidade deixa a desejar.

Às vezes, olha-se no espelho e murmura um nome que não é o seu dos documentos, mas um dos adotados. Ao se deparar com as vizinhas faladeiras, acaba sempre deixando as carolas em dúvida sobre a sua origem, mixando o espanhol com o inglês e o português, criando um dialeto que as pobres jamais entenderão.

Trabalha como arquivista, bartender e segurança de teatro. Consegue desempenhar tais papéis sem deixar que um atrapalhe, ou mesmo se sobreponha, ao outro. Veste-se esporte-chique para arquivar documentos, abusa dos coletes e arrepia os cabelos para atender aos seus bêbados mais queridos, e usa terno e gravata na entrada do teatro para receber as madamas e seus acompanhantes do dia.

Hoje ele é o filósofo que perdeu o olhar no horizonte de Madagascar, mas ainda ontem era o eletricista, e aproveitou o papel para fazer um agrado ao síndico e consertar uma fiação que dava problemas no hall de entrada de seu prédio. O filósofo sorriu ao eletricista, enquanto pensava como é complexo o músico, aquele que adora sucumbir à melancolia e escrever letras de música nas paredes do apartamento.

Houve o dia em que ele acordou sem saber quem era. Passou horas sentado à janela, olhando para lugar nenhum, procurando nenhuma resposta. Sentia-se tão vazio que qualquer outro poderia se apossar dele, naquele instante, e moldá-lo ao bel-prazer. Mais tarde, encontrou-se consigo mesmo, à beira de um desejo esbaforido, e tornou-se o guardador dos seus sentidos. Encheu os pulmões de ar e as páginas do caderno de histórias, como fossem um roteiro a ser interpretado com a intimidade de quem dele se apropria.

Amanhã, ele será sabe lá quem, e mesmo ao bater o cartão na repartição pública pelo vigésimo ano seguido, permitirá que a imaginação lhe roube a identidade e o leve para longe dele mesmo, aonde a geografia é apenas uma das portas a se atravessar.


Imagem © Jim - www.unprofound.com


carladias.com

Comentários

Lins Roballo disse…
lindo texto... falar de identidade é uma coisa muito importante em um mundo onde não se tem mais isso.
Carla Dias disse…
Lins... Identidade é das poucas coisas que não podem ser tiradas da gente, não é? Tão bom quando ela continua original. Mas acho que há muita gente que não a perdeu... O mundo pode ignorá-los, mas necessitamos dessa originalidade. Acho que isso não vai se perder, não.
Beijo!
albir disse…
Carla,
Personagem fascinante, que consegue ser a um tempo comum e especial.
morgana pimentel disse…
Carla, parabens pelo texto, a identidade é algo que me fascina, uma pessoa pode ter várias identidades,mas só se é uma pessoa verdadeiramente.
Lindo texto.
Carla Dias disse…
Albir... Que os personagens tenham sempre essa liberdade ser a pessoa da gente.
Morgana... Obrigada por ler o texto. E sim, a identidade é fascinante, principalmente porque raramente está à vista. É preciso querer alcançá-la.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …