Pular para o conteúdo principal

VOU ESTAR DESABAFANDO >> Fernanda Pinho




Você passa o dia todo remoendo a questão e, finalmente, decide que, sim, vai convidá-lo para sair. Acha que ficará um pouco nervosa ao telefone, então opta por fazê-lo por mensagem (ou torpedo, como costumam dizer fora de Minas). Escreve, acha que ficou muito melosa. Reescreve, acha que não foi convincente. Escreve de novo e, agora sim, está direta, fofa e irresistível. Selecionar. Enviar. Trinta segundos depois, o toque do celular e a confirmação: 1 Mensagem Recebida. Coração acelerado, mãos suando frio. Você até se olha no espelho para conferir se o visual está ok para o grande momento de ler a respostas. Selecionar. Abrir. “Torpedão Campeão. Adquira seu pacote e concorra a prêmios em dinheiro durante toda a Copa do Mundo”. Misto de decepção com confusão mental. Você tenta entender por que cargas d’água a sua operadora ainda acha que estamos na época da Copa do Mundo. Por que raios a sua operadora envia mensagens em plena sexta-feira à noite? Por que diabos a sua operadora acha que enviar mensagens é uma maneira eficiente de fidelizar o cliente? E então você pensa em mudar de operadora pela milionésima vez na semana, mas se lembra de que todas são iguais. Só mudam o texto da mensagem.

Sério. Embora eu seja da área de comunicação, de marketing eu não entendo nada. Mas de bom senso eu entendo alguma coisa. Sei que as pessoas adoram receber mensagens, que as pessoas ficam emocionadas quando ouvem o toque de mensagem do celular, que as pessoas esperam receber mensagens. Mas de outras pessoas! Não da operadora. Mensagens da operadora só servem pra frustrar, desapontar, decepcionar e, por isso, deveriam ser banidas da face da Terra. Se uma operadora me oferecer um plano isento de mensagens, mudo para ela correndo, preciso nem saber do resto. Mas quem sou eu para fazer as operadoras entenderem que esse tipo de ação mais espanta que atrai.

Sabe outro negócio dessa mesma linhagem de comportamento que me espanta? “Fique à vontade”. Eu sou uma pessoa à vontade no mundo, na vida. Até uma vendedora se aproximar de mim e sugerir que eu fique à vontade. Não há nada que me deixe mais incomodada e, normalmente, me faz sair correndo da loja. Só fico, se eu realmente estou precisando de alguma coisa dali. Sinceramente, eu acho que o “fique à vontade” chega a ser grosseiro. Porque não é segredo para ninguém. Eu sei. Vocês sabem. Todo mundo sabe que, ao verbalizarem a sentença “fique à vontade”, as vendedoras podem estar mentalizando outras sentenças, tais como: “Não ouse encostar em nada”. “Se você experimentar e não levar irei te praguejar até sua quarta geração”. “Você tem cara de pobre. Tá na cara que não tem dinheiro para levar nada daqui. Aposto que vai parcelar no cartão”. Elas querem dizer tudo. Menos “fique à vontade”. Porque se, realmente, fosse para você ficar à vontade, não haveria alguém ali para te sugestionar. Você entraria na loja e escolheria o que estivesse a fim, sem ninguém te observando. Lojas de departamento, enfim. Mas eu não culpo as vendedoras. São trabalhadoras e estão, apenas, cumprindo essa regrinha de etiqueta comercial esdrúxula que alguém inventou e acha que é legal (mas não é).

Como também não culpo as tão temidas vendedoras de telemarketing. Elas não fazem por mal. Elas precisam trabalhar e alguém deve ter dito a elas que estar falando daquele jeito é mais eficiente. E, convenhamos, deve ser mesmo. Se ninguém comprasse nada oferecido por essas pobres telefonistas, essa profissão não existira! Se existe é porque tem alguém comprando! Só queria saber onde estão escondidos esses malditos compradores que alimentam essa atividade. Devem ser as mesmas pessoas que compram livros do Paulo Coelho. Existem aos milhões, mas ninguém assume.
Ok. Eu sou proprietária de um exemplar do livro Veronika Decide Morrer. Mas nunca comprei nada oferecido por vendedora de telemarketing, embora tenha uma certa dó de dispensá-las de cara. Normalmente, engato um papo mas, pensando bem, talvez fosse menos cruel dispensá-las logo de cara. Tipo uma que me ligou em pleno sábado à tarde, enquanto eu, sentada num bar, desfrutava de uma saborosa cerveja. A moça queria apenas me convencer a adquirir o cartão de crédito que havia sido liberado especialmente para mim e eu, analisando friamente, acho que acabei com a vida dela. De início, eu só disse que não tinha interesse, mas diante de sua insistência ferrenha, tive que partir para a argumentação: “Veja bem, eu sei que você não tem nada com isso, mas já que foi você quem me ligou é para você que eu vou dar o meu recado. Não é legal ligar para as pessoas num sábado à tarde, de muito sol e calor, para falar de banco, de cartão. Por favor, já que tem que fazer isso, faça em horário comercial. Eu não gosto de falar sobre esse tipo de coisa quando eu estou sentada num bar, tomando cerveja. É...estou sentada num bar, tomando cerveja e você está trabalhando, né? Que chato...É...desculpa”. Mal ouvi o murmúrio que ela usou para se despedir e desligar. Espero que esteja bem e que consiga um emprego mais legal.

E espero que as empresas, as marcas e seus marqueteiros criem métodos mais elaborados para me atrair. Eu gosto de ser seduzida (pelo capitalismo, que seja). Mas sou difícil.

Comentários

Carla Dias disse…
Sabe, Fernanda, eu também costumava morrer de pena dos operadores de telemarketing, porque é uma profissão que entraria na minha lista na opção "não tem mais jeito, é isso aí". Mas isso até que me ligaram da mesma empresa 12 vezes, no mesmo dia. Fiquei louca da vida como quando ficam comigo no meu trabalho, quando cometo os meus erros. O jeito foi escrever uma história para um personagem que era operador de telemarketing e odiava o trabalho, que encontrou alguém que dissesse a ele, basicamente, o que você disse à moça que te ligou.
Marilza disse…
Fernanda, realmente ficamos com pena, mas convenhamos, eles são um porre. Pra mim ligaram à noite, por volta de 21h; tinha acabado de chegar e casa. Como disse q não poderia atender, me perguntaram qual seria o melhor horário. Diante da insistência, fui taxativa: não ligue, não quero falar sobre algo q não pedi.
Somos difíceis então, pois também não suporto esse povo, que coisa mais irritante, além dos gerundios, a puta insistência. Eu jamais conseguiria trabalhar com isso, deve ser um inferno e de amabas as partes né?convenhamos.
fernanda disse…
Ai, gente, bom saber que eu não vou estar odioando sozinha...rs =)
Eu sempre me safo com essa: desculpa, estou atendendo um paciente, mão posso falar agora. Agora, os torpedos me irritam bem mais. Tenho vontade de responder mandando para a PQP, com letras maiúsculas.
Vinicius Machado disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Vinicius Machado disse…
Putz! Eu tenho um ódio especial com isso!
Teve uma época que eu trabalhei em uma gráfica, na parte do atendimento. E nós passávamos(devem passar ainda) fax lá. E sempre, sempre, sempre e sempre, tinha um infeliz que trazia consigo um fax da sky, da net...para cancelamento u.u. Eram horas de tortura.

Ri demais com essa parte:
Sabe outro negócio dessa mesma linhagem de comportamento que me espanta? “Fique à vontade”. Eu sou uma pessoa à vontade no mundo, na vida. Até uma vendedora se aproximar de mim e sugerir que eu fique à vontade.

E é pura verdade. O mesmo vale, para mim, quando alguém pergunta: Gostou?

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …