Pular para o conteúdo principal

PRESIDENTE OU PRESIDENTA?
>> Albir José Inácio da Silva

Ainda nos nossos ouvidos os ecos da campanha eleitoral que chafurdou no fundamentalismo e no preconceito. Frases de efeito foram repetidas milhares de vezes como se ditas a retardados mentais que supostamente votariam por mero induzimento, incapazes que são de raciocinar. Isso, é claro, não agrada a ninguém.

Mas o fato é que hoje temos presidente eleita. Em todas as disputas há vencidos e vencedores, satisfeitos e insatisfeitos. Ideologias partidárias de lado, uma mulher acordou presidente (ou presidenta – vamos ver o que vai pegar) do país. Setenta por cento dos brasileiros votaram em mulheres no primeiro turno e agora confirmou-se essa tendência com a eleição de uma mulher presidente - presidente de homens e mulheres. Sem traumas, com as instituições funcionando e os perdedores reconhecendo a legitimidade do processo eleitoral. Se há preconceito, é velado. Publicamente ninguém ousou dizer que mulher não era capaz de concorrer ou de governar. Se disse, foi envergonhado, olhando para os lados a ver se não lhe ouviam as bobagens. Isso é um avanço, não se pode negar. É um marco memorável na história republicana deste país. Principalmente se lembrarmos que há cem anos as mulheres nem sequer votavam.

Ninguém faz bom ou mau governo por ser mulher, assim como não se dirá que é bom ou ruim o atual presidente por ter sido operário. Assim também como o grande feito de Nélson Mandela não foi ter sido o primeiro presidente negro da África do Sul, e sim ter unificado aquele país.

A presidente eleita diz, parafraseando o atual presidente, que não pode errar porque as mulheres ficarão desacreditadas. Mas isso é retórica, não é possível não errar. Não se erra por ser mulher, operário ou negro. Erra-se por ser humano. E não há nada de errado em errar, por paradoxal que possa parecer. Que ela erre, que acerte, que corrija, que aprenda, que insista. Que seja humana e competente e entre para a história por suas realizações. Que seja apenas uma curiosidade na sua biografia o fato de ter sido a primeira presidente eleita.

Há muito a ser feito, mas hoje sabemos que todos somos capazes e consequentemente responsáveis. Operários e intelectuais, de todas as raças e da mistura dessas raças, homens e mulheres, por ação ou omissão, estamos assumindo, todos os dias, querendo ou não, o papel de escrever nossa própria história, ou o ônus de permitir que a escrevam por nós. Lembremo-nos: não existe poder não exercido. Exercemos ou delegamos, com ou sem consciência disso. Sejamos presidentes ou cidadãos.

Comentários

vanessa cony disse…
Albir,gostei muito...Agora só nos resta fazer aquilo que podemos.Torcer para que tudo saia certo.Que os erros sejam corrigidos e que nós ,povo,fiquemos tranquilos.
Bela crônica, Albir. Espero que a Dilma leia. :)
Tânia Batista disse…
"Exercemos ou delegamos, com ou sem consciência disso". Interessante essa frase. Eu sempre tive a serena sensação de que não há neutralidade política em nossa caminhada. Oxalá tenhamos dias melhores para um povo que "ri quando deve chorar" e acredita na esperança e no amor.
albir disse…
Obrigado, Vanessa, fiquemos tranquilos e atentos.

Espero, Edu, que a Dilma leia cada brasileiro.

Tânia,
que bom vê-la de novo. Abraço.
fernanda disse…
Questões partidárias à parte, acho que foi uma evolução de mentalidade. No início da campanha eleitoral, eu cheguei a dizer que duvidava que a Dilma ganhasse, justamente por ser mulher. Não imaginava que o Brasil estivesse pronto pra isso.

Adorei a crônica!
Carla Dias disse…
Ótima crônica, Albir. Que assim seja!
albir disse…
Pois é, Fernanda. O Brasil frequentemente surpreende.

Obrigado, Carla. Que assim seja!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …